Arte dos povos indígenas do Rio Negro é destaque em São Paulo

Em 30 de abril, a arte dos povos indígenas do Rio Negro estará em evidência no evento “Indígena, ancestral e feminina: a arte do Rio Negro que é patrimônio do Brasil”. A ação será realizada na Bemglô (rua Oscar Freire, 1105, em São Paulo), espaço dedicado a produtos sustentáveis, que tem como sócios Gloria Pires, Orlando Morais e Betty Prado.

Programada para acontecer entre 11h e 17h, a iniciativa é promovida por Bemglô, Instituto Socioambiental (ISA), rede Origens Brasil® e Tucum.

O evento permitirá aos visitantes conhecer e adquirir produtos do Sistema Agrícola Tradicional do Rio Negro (conjunto de práticas e saberes milenares dos povos locais, reconhecido em 2010 como patrimônio imaterial do Brasil) e cerâmicas produzidas pelos povos Tukano e Baniwa. Parte de uma tradição milenar, as obras são feitas por mulheres e têm ligações profundas com a floresta e o sagrado.

Participantes podem apreciar a arte indígena, feminina e ancestral das cerâmicas Baniwa e Tukano (Fotos: Divulgação / Tucum Brasil)

As relações comerciais que levam as cerâmicas até os consumidores ocorrem no âmbito da rede Origens Brasil®, administrada pelo Imaflora (Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola) e composta por empresas, povos indígenas e populações tradicionais, instituições de apoio e organizações comunitárias, com o objetivo de promover negócios que contribuam com o bem-viver dos povos da floresta e a conservação da Amazônia. Tanto as empresas e organizações que participam do encontro são membros da rede Origens Brasil®.

O evento também será palco do pré-lançamento dos livros de bolso Cerâmica Tukano e Cerâmica Baniwa, realizados em parceria entre a Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn) e o ISA, com apoio de União Europeia e Nia Tero.

Roda de conversa

Além disso, os participantes poderão acompanhar uma roda de conversas para abordar temas ligados à cultura e aos produtos da Amazônia, das 15h às 16h, com André Baniwa, Adriana Rodrigues, Amanda Santana e Patrícia Cota Gomes. André Baniwa é vice-presidente da Organização Indígena da Bacia do Içana (Oibi), liderança do povo Baniwa, além de empreendedor social e escritor.

A historiadora e pesquisadora dos temas política de patrimônio imaterial, sistema agrícola tradicional quilombola e tecnociência solidária, Adriana Rodrigues, atua como analista de pesquisa no Instituto Socioambiental (ISA) na área da economia da sociobiodiversidade e políticas públicas alimentares. Também participante da roda de conversa Amanda Santana é sócia-fundadora e diretora criativa da Tucum Brasil e atua como indigenista há 10 anos, auxiliando no desenvolvimento das cadeias produtivas do artesanato junto às comunidades e organizações indígenas do Brasil.

Patrícia Cota Gomes, engenheira florestal com mestrado em gestão de florestas tropicais, é gerente no Imaflora (onde atua há 21 anos) e na rede Origens Brasil®, também estará no encontro. Nos últimos anos, Patrícia tem trabalhado na articulação de pessoas e de soluções que ajudam a valorizar a Amazônia de pé e os povos da floresta.

Realizadores

A iniciativa é promovida por Bemglô, Instituto Socioambiental (ISA), rede Origens Brasil® e Tucum. A Bemglô é uma plataforma colaborativa, criada a partir da sociedade de Orlando Morais, Glória Pires e Betty Prado, que compartilha produtos que contam a história de quem faz, chamada carinhosamente de Rede do Bem. Uma Rede que conecta talentos, criatividade e saberes ancestrais, oferecendo produtos dentro da filosofia do Comércio Justo, nos segmentos de artesanato brasileiro, cosmética natural, design e moda consciente, além da gastronomia da floresta.

O Instituto Socioambiental (ISA), uma organização da sociedade civil brasileira, sem fins lucrativos, desde 1994, atua na proposição de soluções integradas para questões sociais e ambientais com foco central na defesa de bens e direitos sociais, coletivos e difusos relativos ao meio ambiente, ao patrimônio cultural, aos direitos humanos e dos povos.

A rede Origens Brasil® surgiu em 2016, a partir de uma iniciativa entre produtores da floresta, o Imaflora (Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola) e o ISA (Instituto Socioambiental). O Origens Brasil® é reconhecido e respeitado por seu fomento à economia local dos produtores da Amazônia.

E a Tucum, plataforma das Artes Indígenas do Brasil, desde 2013, integra o grupo de realizadores do evento. A Tucum apoia comunidades, artistas e iniciativas de mais de 50 povos indígenas na estruturação, logística, comunicação e comercialização de suas artes.

Serviço
Onde
: R. Oscar Freire, 1105 – Jardim Paulista, São Paulo – SP
Quando: 30 de abril, das 11h às 16h

Fotos: Divulgação / Tucum Brasil

Hora do Planeta é muito mais que apagar luzes, é restauração da natureza e conexão com o meio ambiente

Pela terceira vez consecutiva e ainda no contexto da pandemia, a Hora do Planeta – ação realizada pela Rede WWF – terá formato digital. É neste sábado, 26 de março, com programação a partir das 17h30, até chegar a Hora do Planeta, das 20h30 às 21h30 (horas de Brasília). Este ano, o tema é #ConstruaNossoFuturo.

A programação digital contará com a participação de convidados e temas do nosso dia a dia, incluindo debates, um jogo – ao vivo – de perguntas e respostas e peça de teatro criada com exclusividade para a ação.

As atividades da Hora do Planeta começaram mais cedo, nos dias 22 e 23 de março, com o Cinedebate Amazônia Criadora, mediado pela jornalista, cineasta e diretora-executiva da Negritar Filmes e Produções, Joyce Cursino.

O Cinedebate Amazônia Criadora deriva do edital Amazônia Criadora, lançado pelo WWF-Brasil para inspirar pessoas a contar as histórias dos modos de viver e crescer que promovem equilíbrio entre as pessoas e a natureza. Oito coletivos de comunicação da Amazônia foram apoiados para contarem histórias de uma Amazônia que não precisa ser desmatada para crescer.

Mesa Restauração de Ecossistemas

Às 17h30, com a participação de especialistas e pessoas que atuam no seu dia a dia com o processo de restauração, o debate visa apontar a construção de um presente e um futuro em harmonia com a natureza. Para isso, a mesa vai apresentar histórias reais de coletivos que se dedicam à restauração em suas regiões e discutir como os resultados influenciam não apenas o contexto local.

Participam do debate Marcelle Souza, da WWF-Brasil, como mediadora; Alice Pataxó, comunicadora e ativista indígena; Flávia Balderi, do projeto Copaíba; e Ana Rosa Cyrus, do Engajamundo.

Gameshow

Às 18h30, será hora de testar os conhecimentos sobre vários temas ambientais. E fazer parte de uma trama para descobrir os envolvidos numa conspiração misteriosa, que vai apontar os maiores desafios ambientais. É o jogo interativo que terá artistas participando do desafio e respondendo sobre temas socioambientais e os caminhos possíveis para superarmos os desafios ambientais da atualidade.

Participam do gameshow o humorista Bruno Motta, a historiadora e ativista Keilla Vila Flor, e a ativista indígena Tukimã Pataxó.

Peça de teatro

Às 19h, para fechar a terceira edição do Festival Digital, tem participação especial do Improclube, coletivo teatral de improviso que apresentará um espetáculo autoral e interativo. Inspirado na dinâmica do clássico jogo do detetive, a peça traz para o nosso cotidiano o debate ambiental e todas as conexões com a nossa vida, de uma maneira divertida e inovadora.

Apagar das luzes

Após o encerramento da programação, às 20h20, chega a Hora do Planeta, das 20h30 às 21h30. “É importante ressaltar que a Hora do Planeta é muito mais que apagar as luzes de residências, monumentos, fachadas e prédios históricos pelo mundo. A ação realizada desde 2007 tem como objetivo conscientizar as pessoas sobre a importância de restaurar a natureza e a nossa conexão com o meio ambiente”, declara Gabriela Yamaguchi, diretora de Engajamento do WWF-Brasil.

“Nesta edição, estamos dando a voz para os jovens, os povos tradicionais, dos indígenas, das comunidades extrativistas e das populações mais fragilizadas – como as negras e periféricas, pois acreditamos que juntos podemos vencer os desafios e retrocessos ambientais do nosso país”, pontuou.

Monumentos participantes

No Brasil, entre alguns dos monumentos confirmados estão o Cristo Redentor (RJ), Chalé da Pedra (Quixadá – CE), Edifício Matarazzo (SP), Espaço UFMG do Conhecimento (MG), Fonte luminosa da Praça Ari Coelho (MS), as três sedes do Instituto Moreira Salles (RJ, SP e MG), Jardim da Prefeitura Municipal de Campo Grande (MS), MAC (RJ), Monumento aos Pioneiros (MS), Monumento de alusão ao relógio da 14 (MS), Monumento Maria Fumaça (MS), Museu das Minas e dos Metais (MG), Museu do Amanhã (RJ), Museu Histórico de Santa Catarina (SC), Obelisco (MS), Ponte Octávio Frias de Oliveira (SP), Praça Pantaneira (MS), Teatro Municipal do Rio de Janeiro (RJ) e Viaduto do Chá (SP).

Movimento de base 

A Hora do Planeta é o principal movimento ambiental global da rede WWF. Nascida em Sydney em 2007, a Hora do Planeta cresceu e se tornou um dos maiores movimentos de base do mundo para o meio ambiente, inspirando indivíduos, comunidades, empresas e organizações em mais de 180 países e territórios a tomar ações ambientais tangíveis por mais de uma década.

Historicamente, a Hora do Planeta se concentrou na crise climática. Mas, recentemente, se esforçou para trazer à tona a questão premente da perda da natureza. O objetivo é criar um movimento imparável para a natureza, como aconteceu quando o mundo se uniu para enfrentar as mudanças climáticas.

A realização é do WWF-Brasil, ONG brasileira que há 25 anos atua coletivamente com parceiros da sociedade civil, academia, governos e empresas, em todo país, para combater a degradação socioambiental e defender a vida das pessoas e da natureza. Estamos conectados numa rede interdependente que busca soluções urgentes para a emergência climática. Conheça a ONG.

Arte: Divulgação/WWF Brasil

Síndrome de Down: como a literatura pode servir de instrumento para falar sobre inclusão e diversidade

Nesta segunda-feira (21/03), comemora-se o Dia Internacional da Síndrome de Down, data promovida pela Down Syndrome International e celebrada desde 2006, que tem como objetivo exaltar a vida das pessoas com Síndrome de Down e disseminar informações para promover a inclusão de todos.

A síndrome de Down é uma condição genética causada pela presença de três cromossomos 21 em todas ou na maior parte das células de um indivíduo. Isso faz com que as pessoas com síndrome de Down tenham 47 cromossomos em suas células ao invés de 46, como a maior parte da população. De acordo com o último censo do IBGE, existem aproximadamente 300 mil pessoas com Síndrome de Down no Brasil.

E a literatura auxilia no desenvolvimento dos pequenos com síndrome de Down e na disseminação de informação. Os livros infantis são ferramentas que podem colaborar muito com o desenvolvimento de crianças com síndrome de Down, seja no acompanhamento profissional ou no dia a dia da família. O estímulo relacionado à ludicidade da literatura pode ser uma ótima forma de desenvolver os pequenos.

O hábito da leitura desperta as potencialidades das crianças com síndrome de Down, por meio de livros voltados para a estimulação de diversas áreas, como livros coloridos, lúdicos, sensoriais, interativos e que despertem o interesse. Por isso, é importante que a família introduza o hábito da leitura, desde cedo, em casa, lendo para seu pequeno, colocando-o em contato com os livros e dando a oportunidade de manuseá-los.

Além disso, livros que tratam sobre diversidade e inclusão e com protagonistas com Síndrome de Down, ajudam a introduzir o assunto com crianças e a discutir a inclusão de todas as pessoas desde a primeira infância.

Como parte do projeto da Leiturinha, um clube de livros infantis, de trazer diversidade e inclusão social para os seus conteúdos, confira abaixo livros selecionados que auxiliam neste debate:

Joca e Dado

Leituras como a de Joca e Dado são ideais para conversar com as crianças sobre inclusão. Você sabia que as personagens são inspiradas em pessoas reais? Além disso, as ilustrações do livro Original Leiturinha foram feitas por um estúdio com profissionais diversos. Dentre eles, pessoas com Síndrome de Down. Inspirador, não é mesmo? É importante conversar com as crianças sobre as infinitas possibilidades que todos nós temos como pessoas. Além disso, incentivar que a criança interaja com as atividades ao final do livro.

Yunis

Yunis é um menino com Síndrome de Down. Ele adora cozinhar. Faz doces e bolos maravilhosos e os decora com um desenho especial que virou sua marca. Todas as noites ele deixa alguns de seus deliciosos doces na porta de cada criança do seu vilarejo. Mas elas não sabem quem é o responsável por essas coisas tão gostosas e esse ato tão generoso. Elas só descobrirão depois… Yunis é uma história que promove a diversidade e a inclusão, e encoraja a gentileza e a aproximação entre as pessoas!

Não Somos Anjinho

As crianças com síndrome de Down são como qualquer outra criança! Ora estão felizes, ora estão tristes. Por vezes, são amorosas. Em outros momentos, fazem muitas travessuras! Por isso, de maneiras simples e lúdicas, o livro Não Somos Anjinhos desmente algumas crenças bastante difundidas sobre as crianças com síndrome de Down. E revela que, apesar das particularidades, elas são apenas crianças.

Alguém Muito Especial

O livro Alguém Muito Especial conta a história de Tico e China, irmãos que estão aprendendo a conviver. Isso porque, aos poucos, Tico passa a compreender seu irmão e, assim, surge uma bonita cumplicidade entre os dois!

Indicado para crianças a partir dos 8 anos de idade, Alguém Muito Especial é um livro delicado, poético e bastante sensível. Por isso, é uma ótima sugestão para falar com os jovens leitores sobre empatia e inclusão.

Com apoio da ONU, live do Natiruts no TikTok fala de primeiro videoclipe carbono zero no mundo

Natiruts, primeira banda no mundo a gravar um videoclipe com o selo de carbono zero, e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) realizam neste dia 21 de março, Dia Internacional das Florestas, uma live no TikTok sobre os detalhes da gravação do clipe pioneiro, feito em parceria com a Carbonext, além de discutirem temas importantes sobre meio ambiente e desenvolvimento sustentável. A iniciativa é uma parceria entre o TikTok, o Natiruts e o PNUMA, e se soma a outras ações realizadas na plataforma que buscam contribuir para conscientização ambiental.

Na campanha com Natiruts e PNUMA, além de disseminar informações relevantes sobre o assunto, o evento também tem como objetivo estimular a criação de vídeos com temas relacionados ao meio ambiente e sustentabilidade por meio da hashtag #PelaNatureza. A parceria reflete o comprometimento da plataforma em promover e engajar ainda mais seus usuários em pautas que impactam diretamente a vida de toda a população do mundo.

Em fevereiro do ano passado a plataforma realizou uma campanha para reflorestamento ambiental em parceria com Gilberto Gil e o Instituto Terra que resultou no plantio de 40 mil árvores em área degradada da Mata Atlântica. Recentemente, o TikTok promoveu outra campanha para reflorestamento ambiental em parceria com Gaby Amarantos e o  Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (IDESAM), e tem o compromisso de plantar 20 mil árvores na Amazônia até o final do ano. As iniciativas refletem a preocupação com as mudanças climáticas e a importância de contribuir para restauração dos ecossistemas.

O selo de carbono zero contabiliza a emissão de gases do efeito estufa e reverte em plantio de árvores, com o objetivo de neutralizar os problemas causados por esses elementos, como o aquecimento global.

O PNUMA atualmente é a principal autoridade que promove a implementação coerente da dimensão ambiental do desenvolvimento sustentável no Sistema das Nações Unidas e serve como autoridade defensora do meio ambiente no mundo.

Live #PelaNatureza
Segunda-feira, 21 de março de 2022
Horário: 18h
Onde: Perfis do Natiruts e da ONU Brasil no TikTok

Parque Estadual Sumaúma tem programação especial nos dias da Floresta e da Água

Com ações educativas, o Parque Estadual Sumaúma, zona norte de Manaus, tem atividades nesta segunda e terça-feira (21 e 22/03), com entrada gratuita, em alusão aos dias Internacional da Floresta e Mundial da Água.

Na segunda-feira (21/03), Dia Internacional da Floresta, a equipe da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) realiza, das 9h às 16h, visitação guiada pelas trilhas do Parque e distribuição de mudas de árvores frutíferas, medicinais, ornamentais, de arborização e nativas.

No período da manhã, das 9h às 10h, está programada a realização de plantio de mudas. E à tarde, das 13h às 16h, tem “Cine Ambiental”, com exibição de filmes e documentários voltados para a temática.

“Convidamos toda a população manauara a prestigiar o evento. Será um dia bem divertido, com programação para a família inteira”, antecipa Maria Edilene, técnica do Núcleo de Educação Ambiental da Sema.

O acesso ao Parque Sumaúma é realizado pela avenida Bacuri, no bairro Cidade Nova. O espaço recebe visitantes de segunda a sexta, das 8h às 17h.

Dia Mundial da Água

Na terça-feira (22/03), Dia Mundial da Água, o Parque recebe o Projeto Biblioteca Móvel, do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam).

Os alunos da Escola Estadual Dom João de Souza Lima e da Escola Estadual Professora Hilda de Azevedo Tribuzy participarão de uma série de atividades, que incluem exposição e demonstração do Corpo de Bombeiros, distribuição de água realizada pela concessionária Águas de Manaus e a participação especial dos Garis da Alegria, da Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp).

No Dia Mundial da Água, a Sema também realizará uma roda de conversa com os alunos e a exibição de vídeos educativos da Agência Nacional das Águas e Saneamento Básico (ANA).

Unidade de Conservação

O Parque Estadual (PES) Sumaúma é uma Unidade de Conservação (UC) de preservação integral. Dentro dele, existem mais de 80 espécies de aves e a presença de pequenos mamíferos, com destaque para o sauim-de-coleira (Saguinus bicolor), a única espécie entre os Callitrichideos amazônicos ameaçada de extinção.

O espaço conta com trilha educativa, viveiro de mudas, centro de convivência para reuniões e área de lazer.

FOTO: Divulgação/Sema

ONG Zoé consolida atuação na Amazônia com projeto de saúde para populações ribeirinhas do Tapajós

Médicos e profissionais de saúde da ONG paulistana Zoé realizaram duas expedições no Pará, neste mês de março. A equipe de 25 pessoas, entre médicos, residentes, acadêmicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, entre outros profissionais, dividiu-se entre a 5ª expedição no Hospital Municipal de Belterra (HMB), nos dias 5 a 12, e a 6ª expedição no barco hospital Abaré, nos dias 6 a 8.

Parte da equipe compôs a 5ª expedição, no Hospital Municipal de Belterra (HMB), para fazer consultas, cirurgias e exames de imagem (endoscopias, colonoscopias e ultrassom). E os integrantes da 6ª expedição, no barco hospital Abaré, navegaram pelo Tapajós para atender comunidades ribeirinhas, cujo acesso só é possível por meio fluvial. No Abaré foram feitas consultas de clínica geral e dermatologia e exames de ultrassonografia.

Resultados alcançados

Há diferentes maneiras de olhar e fazer um balanço das expedições. Uma delas são os números:  em apenas uma semana, 186 exames de imagem (endoscopias, colonoscopias e ultrassonografias); 57 cirurgias de hérnia, hemorroidas, fistulas, cistos; 140 consultas médicas (clínica geral e dermatologia), isso sem contar a triagem de pacientes, entre outros atendimentos.

No entanto, nada traduz melhor a importância do trabalho da ONG Zoé e de outras instituições não governamentais que atuam na área de saúde na Amazônia, como as histórias contadas pelas pessoas que foram atendidas.

Salvo de um câncer colorretal

O agricultor Francisco Pereira dos Santos, 63 anos, da comunidade de Santo Antônio, veio ao HMB para realizar uma colonoscopia e lembra emocionado quando realizou, há cinco anos, pela primeira vez, o exame com o médico Marcelo Averbach, um dos fundadores da Zoé, e foi diagnosticado com um câncer colorretal. Era o ano de 2017 e Averbach atuava na região desde 2014, antes da criação da Zoé, em um estudo que rastreou câncer colorretal em Belterra e arredores, em pessoas entre 50 e 70 anos.  

“Eu não queria ir. Fui por insistência da agente de saúde da comunidade, mas o exame salvou minha vida. Eu tinha um câncer de intestino e fui encaminhado para fazer cirurgia no Hospital Regional de Santarém. Hoje fiz novamente a colonoscopia e não tenho mais câncer”, celebra Francisco. Como explica Averbach, o agricultor foi uma das pessoas que fez parte de seu estudo de rastreamento de câncer colorretal, selecionado na pré-triagem da 5ª expedição para reavaliação.

Emoções não planejadas

Assim como os pacientes atendidos nas expedições, os profissionais da ONG também se emocionaram em diversas situações. Muitas das pessoas atendidas estavam anos na fila do Sistema Único de Saúde (SUS) que, apesar de constituir um modelo de referência não consegue dar vazão à demanda de regiões como as atendidas pela Zoé, entre outros motivos, pela falta de médicos.

O médico endoscopista e presidente da Zoé, Marco Aurélio D’Assunção, estava em atendimento no HMB, quando foi questionado por uma das enfermeiras do hospital se poderia avaliar uma emergência. “Era um homem de 43 anos que havia desmaiado em casa. Chegou ao hospital muito pálido, com pressão arterial baixa e informou que as fezes estavam com coloração escura”, lembrou o médico endoscopista. A primeira medida foi estabilizar o paciente. Depois, a endoscopia mostrou um sangramento importante que foi controlado.

“Como temos em nossa equipe endoscopistas e anestesistas muito experientes, foi possível tratar o paciente para que ele pudesse ser transferido com segurança para o Hospital Regional de Santarém. Sem isso, ele poderia ir a óbito no caminho. Nossa presença com os recursos que levamos naquele momento salvou a vida dele e deixou a equipe feliz e emocionada”, afirmou.

Coordenador das cirurgias realizadas no HMB durante a expedição, o médico voluntário da Zoé Pedro Popoutchi destacou o caso de um paciente que veio ao hospital para fazer uma endoscopia digestiva alta. “A equipe da endoscopia observou que ele tinha uma lesão no dedo do pé, causada por uma raia, fato comum na região. O paciente relatou que estava há 20 dias com o dedo machucado e demonstrou não ter consciência da gravidade da situação”, informou Popoutchi.

Examinado pela equipe da Zoé, a conclusão foi que a lesão infectada já estava obstruindo uma artéria e impedindo a circulação sanguínea no pé. O paciente passou por uma cirurgia para remover a infecção e reestabelecer a circulação. “Se ele não tivesse vindo para fazer a endoscopia, o quadro teria se agravado, com risco de amputação. Além disso, fizemos aqui em Belterra um procedimento que ele só poderia fazer no hospital em Santarém”, disse.

No Abaré, Dona Julia e outras histórias

O Abaré, por sua vez, atracou nas comunidades de Maripá, Pedra Branca e Vila Amorim. Antes disso, agentes de saúde locais, em parceria com a Zoé, cumpriram a importante missão de informar às comunidades sobre as datas e os atendimentos. Vieram ribeirinhos e indígenas dessas comunidades e dos arredores.

No entanto, Dona Julia Alves, 79, cadeirante, não tinha como fazer o breve trajeto de barco entre sua casa e o local onde estava o Abaré, em Maripá, mas não ficou sem atendimento. O médico cirurgião geral e vascular Fábio Tozzi, um dos fundadores da Zoé, acompanhado do agente comunitário de saúde, foi até a casa de Dona Julia. Depois do exame clínico, ele considerou ser importante realizar um ultrassom. Para isso, a equipe da Zoé fez novo deslocamento à casa da paciente, levando um ultrassom portátil para o exame.

Também no Abaré, o médico radiologista intervencionista Márcio Meira, voluntário da Zoé, realizou exames de ultrassom, entre outros pacientes, em mulheres grávidas, como Elizane Cardoso, 31, em sua quarta gestação. “É a primeira vez que faço este exame, fiquei sabendo que é um menino e está tudo bem”, disse. Infelizmente, o recurso que deu segurança à Elizane não estava presente na vida de outra família, com a qual Márcio teve contato na expedição.

“Conheci aqui um bebê de 9 meses, que é criado pelo pai e a tia porque a mãe morreu no parto. Foram oito partos naturais sem qualquer problema, feitos em casa, mas no 9º filho, certamente um pré-natal, exames como o ultrassom e a presença de um médico poderiam ter salvado a vida da mãe”, lamentou Márcio,

A Zoé

Nascida em São Paulo (SP), no final de 2019, a Zoé tem entre seus fundadores, médicos – como, Fábio Atuí (cirurgião do aparelho digestivo), Fábio Tozzi (cirurgião geral e vascular), Marcelo Averbach (cirurgião e colonoscopista), Marco Aurélio D’Assunção (endoscopista), Paulo Chapchap (cirurgião infantil) – e não médicos, como o administrador de empresas Plínio Averbach.  

A decisão de fundar a Zoé foi motivada por experiências anteriores dos médicos na Amazônia e o desejo de dar continuidade ao trabalho de contribuir para melhorar o atendimento à saúde dessas populações.

FAO discute o papel das florestas na garantia de produção e consumo sustentáveis

Neste Dia Internacional das Florestas 2022 – 21 de março, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), juntamente com a União Internacional de Organizações de Pesquisa Florestal (IUFRO) e o Congresso Mundial da IUFRO 2024|Universidade Sueca de Ciências Agrárias (SLU), realizam um painel de discussão de alto nível para celebrar a data mundial sob o tema “Inspire para o futuro: o​​ papel das florestas na garantia de produção e consumo sustentáveis”. 

O evento acontece nesta segunda-feira (21/03), das 8h às 11h (Hora de Brasília), on-line e no Pavilhão Sueco, The Forest, na Expo 2020, em Dubai, com tradução será fornecida em árabe, chinês, inglês, francês, espanhol e russo. A inscrições podem ser feitas no aqui.

Atualmente, o mundo enfrenta desafios sem precedentes, sendo as mudanças climáticas uma das mais prementes de todas. Esses desafios ameaçam o bem-estar das pessoas e da natureza e exigem ação imediata para desenvolver soluções inovadoras e criativas, que coloquem o mundo no caminho da paz e da prosperidade em um planeta saudável.  

Neste evento, serão discutidas como as inovações de base florestal, eficiência de recursos, produtos de base florestal e serviços ecossistêmicos podem contribuir para um estilo de vida sustentável e acelerar uma mudança para um consumo e produção mais sustentáveis. Esses esforços ajudam a alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, saúde, bem-estar e uma transição para economias verdes e de baixo carbono. 

Segurança alimentar

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) é uma agência especializada das Nações Unidas que lidera os esforços internacionais para derrotar a fome. Nosso objetivo é alcançar a segurança alimentar para todos e garantir que as pessoas tenham acesso regular a alimentos de alta qualidade suficientes para levar uma vida ativa e saudável. 

O Programa Florestal da FAO supervisiona mais de 230 projetos em 82 países, com um orçamento total disponível de US$ 246 milhões (a partir de 2019). A FAO é orientada em seu trabalho técnico florestal pelo Comitê Florestal (COFO) e seis comissões florestais regionais.

Desenvolvimento Sustentável

A União Internacional de Organizações de Pesquisa Florestal (IUFRO) é uma organização mundial dedicada à pesquisa florestal e ciências relacionadas. Seus membros são instituições de pesquisa, universidades e cientistas individuais, bem como autoridades decisórias e outras partes interessadas com foco em florestas e árvores. A IUFRO visa contribuir para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável estabelecidos pelas Nações Unidas.  

Congresso Mundial da IUFRO 2024|SLU

A Universidade Sueca de Ciências Agrárias (SLU) é uma agência governamental e universidade internacional de classe mundial com pesquisa, educação e avaliação ambiental dentro das ciências para a vida sustentável. A SLU realiza educação, pesquisa e monitoramento e avaliação ambiental em colaboração com a sociedade em geral. A SLU é a organização anfitriã da Suécia do Congresso Mundial da IUFRO 2024, de 23 a 29 de junho em Estocolmo, em colaboração com a IUFRO e os países parceiros nórdicos e bálticos.  

Especialista destaca atendimento de populações ribeirinhas do rio Tapajós na prevenção de câncer colorretal

O médico cirurgião e colonoscopista Marcelo Averbach, um dos fundadores da ONG paulistana Zoé, fala da 5ª expedição em prol da vida das populações ribeirinhas do rio Tapajós, no Hospital Municipal de Belterra (HMB), no Pará, realizada de 5 a 12 de março. Dessa vez, o principal foco da ação foi relacionado ao Março Azul – mês de conscientização sobre o câncer colorretal (intestino grosso e reto).

Com 25 médicos voluntários que atuarão nas especialidades de colonoscopia – relacionada ao câncer colorretal –, além de endoscopia, anestesia e cirurgia e, também, acadêmicos de medicina e profissionais de enfermagem, a expedição da Zoé deu continuidade ao atendimento realizado anteriormente, por meio do estudo de rastreamento de câncer colorretal, liderado pelo médico Marcelo Averbach, entre 2014 e 2017, quando foram submetidos ao rastreamento os moradores de Belterra, na faixa etária entre 50 e 70 anos.

Foram realizados serviços de reavaliação dos pacientes que participaram do estudo e tiveram o diagnóstico de pólipos avançados ou apresentaram sintomas. Depois da avaliação, pacientes que necessitarem de tratamento oncológico serão encaminhados para o Hospital Regional do Baixo Amazonas, em Santarém (PA).

Fórum do Desenvolvimento reúne lideranças internacionais para discutir sustentabilidade

A 7ª edição do Fórum de Desenvolvimento, realizado anualmente pela Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE), entidade composta pelos bancos de desenvolvimento, agências de fomento e cooperativas de crédito de todo o país, Finep e Sebrae, acontece nos dias 15 e 16 de março, em Brasília. O evento será transmitido on-line e reunirá instituições dos cinco continentes e economistas ligados aos presidenciáveis das eleições de 2022.

Com inscrições gratuitas pelo site do evento (Clique aqui), o Fórum oferece palestras, debates e mesas redondas com a equipe econômica dos presidenciáveis e integrantes de instituições financeiras de todo o mundo, incluindo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) e Fundo Monetário Internacional (FMI).

O Fórum do Desenvolvimento vai debater uma agenda global comum a todos os cinco continentes, cujo objetivo é estimular o desenvolvimento sustentável e o relançamento da economia brasileira em bases sustentáveis, em sintonia com a Agenda 2030. Durante o evento, será apresentado o Plano ABDE 2030, documento criado pela entidade com ações concretas para impulsionar o cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

O evento tem apoio da Organização das Nações Unidas (ONU) e patrocínio da Agência Francesa de Desenvolvimento (Agence Française de Développement – AFD) Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), do projeto FiBraS – Finanças Brasileiras Sustentáveis, da Agência Alemã de Cooperação (Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit – GIZ) e do Banco de Brasília (BRB).

“Os associados da ABDE que integram o Sistema Nacional de Fomento estão sintonizados com essa agenda global de desenvolvimento e têm o compromisso de mobilizar recursos para financiar projetos que viabilizem uma transição para uma economia mais sustentável e inclusiva”, afirma a presidente da ABDE, Jeanette Lontra.

Programação

A abertura do Fórum do Desenvolvimento contará com mesa redonda composta por lideranças de instituições financeiras de desenvolvimento. Entre elas a Secretária Geral da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), Rebeca Grynspan; a Gerente de Instituições para o Desenvolvimento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Susana Guerra, a Diretora Geral Adjunta da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), Marie-Hélène Loison, o Embaixador da Alemanha no Brasil, Heiko Thoms, o Vice-Presidente do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), Jorge Arbache, a Coordenadora Residente das Nações Unidas no Brasil (ONU Brasil), Silvia Rucks; o Presidente do Banco de Brasília (BRB), Paulo Henrique Costa, e o vice-presidente do Banco Europeu de Investimento (BEI), Ricardo Mourinho Félix.

Em seguida, será apresentado o Plano ABDE 2030. Economistas ligados aos presidenciáveis participam da discussão e receberão o documento. Dentre os nomes confirmados estão os economistas Guilherme Mello (Lula), Affonso Pastore (Sergio Moro), Zeina Latif (João Doria), Germano Rigotto (Simone Tebet) e Nelson Marconi (Ciro Gomes).

O segundo dia do evento terá como tema “Impulsionando as missões do Brasil na agenda da sustentabilidade e inovação”. Serão seis painéis de discussão ao longo do dia, com as participações de presidentes de instituições financeiras de desenvolvimento, acadêmicos e representantes de entidades privadas.

Entre os participantes confirmados no dia 16 estão a ex-ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira; a diretora de Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento (AfDB), Saloua Sehili; e a professora da Columbia University, Stephany Griffith-Jones.

Ilustração: Gerd Altmann/Pixabay

Brasileira é premiada pelo Mulheres Líderes em Aprendizado de Máquina para Observação da Terra

Diretora de Ciência no Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) e especialista em fogo nos biomas Amazônia e Cerrado, a Dra. Ane Alencar foi premiada, pela passagem do Dia Internacional da Mulher, 8 de março, pelo 2022 Leading Women in Machine Learning for Earth Observation – em português, Mulheres Líderes em Aprendizado de Máquina para Observação da Terra em 2022 -, organizado pela Fundação Radiant Earth, com sede em Washington e São Francisco (EUA). Esta é a primeira vez que a iniciativa nomeia uma pesquisadora latino-americana.

“Me sinto muito honrada em receber esse reconhecimento. Isso é fruto de um trabalho bem importante que temos conduzido ao longo dos anos, estudando o padrão dos incêndios florestais na Amazônia e mais recentemente na rede Mapbiomas”, comemora Alencar, que coordena as plataformas MapBiomas para o bioma Cerrado e o MapBiomas Fogo. Em rede com instituições, universidades e empresas de tecnologia do Brasil e do mundo, o MapBiomas é uma iniciativa pioneira que usa dados de satélite para revelar as principais mudanças de uso da terra no país.

Natural de Belém, no Pará, Ane Auxiliadora Costa Alencar é graduada em Geografia pela Universidade Federal do Pará (UFPA); tem mestrado em Sensoriamento Remoto e Sistema de Informação Geográfica, pela Universidade de Boston; e doutorado em Recursos Florestais e Conservação, pela Universidade da Flórida, ambas nos Estados Unidos. Há mais de duas décadas, seu foco é entender os impactos das mudanças climáticas e da fragmentação florestal causadas pelo desmatamento e pela a ocorrência e aumento dos incêndios florestais na Amazônia brasileira e no Cerrado.

Dra. Ane Alencar em expedição científica que acompanhou combate a incêndios ambientais nos biomas Cerrado, Pantanal e Amazônia, no estado de Mato Grosso, em 2020 (Foto: Ivan Canabrava/lluminati Filmes/IPAM/Woodwell)

Destaque na premiação é o conceito de “Cicatrizes do Fogo”, criado por Alencar, em 1996, ao definir áreas afetadas por incêndios florestais na Amazônia nas imagens de satélite impressas. “Sua descoberta inovadora e mapeamento do fogo na Amazônia”, cita a Radiant Earth, levaram à criação da plataforma MapBiomas Fogo, sistema de validação e refinamento de alertas de desmatamento, com imagens de alta resolução para mapeamento anual das cicatrizes de fogo no Brasil, a partir de 1985.

No Ipam, a diretora coordena iniciativas de desenvolvimento de sistemas de monitoramento de estoque, de perda de carbono florestal e de desmatamento, a fim de subsidiar discussões a respeito de políticas públicas, que fomentem a redução de emissões por desmatamento e por degradação florestal.

Além da brasileira, foram selecionadas pesquisadoras da Austrália, Estados Unidos, Nepal, Rússia, Taiwan e Quênia, cujas contribuições científicas têm impacto global no melhoramento do uso de aprendizado de máquina para observação do planeta e sensoriamento remoto.

“Por essa razão, celebramos as mulheres na vanguarda do ML4EO [Machine Learning for Earth Observation]: aquelas que estão jogando luz em nossos padrões e nos ajudando a tomar decisões baseadas em dados”, ressalta a fundação organizadora do prêmio.

Fotos: Ivan Canabrava/lluminati Filmes/IPAM/Woodwell