Desenvolvimento sustentável: Manaus é a 11ª entre as capitais em ranking inédito da ONU

A poucos dias de completar 352 anos, no dia 24 de outubro, a cidade de Manaus aparece na 11ª posição entre as 26 capitais estaduais do estudo elaborado com base no Índice de Desenvolvimento Sustentável das Cidades – Brasil (IDSC-BR), o que mostra que a capital do Amazonas ainda tem grandes desafios a superar para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) até 2030, estando distante das metas estabelecidas em nove dos 17 ODS.

No ranking geral do Índice de Desenvolvimento Sustentável das Cidades – Brasil (IDSC-BR), que computou e analisou os dados de 770 municípios de todo o país, Manaus encontra-se na 260ª posição, com pontuação média de 57,60 considerando todos os objetivos a serem atingidos. Quanto mais próximo de 100, mais perto de alcançar as metas preconizadas pela ONU.

A cidade registra nove ODS assinalados na cor vermelha, nível mais baixo do índice, sendo que os objetivos situados no patamar inferior da tabela estão os de número 2 – Fome zero e agricultura sustentável (42,3 pontos), 3 – Saúde e bem-estar (43,4 pontos), 4 – Educação de qualidade (44,4 pontos), 5 – Igualdade de Gênero (34,0 pontos), 6 – Água Limpa e Saneamento (61,4 pontos), 8 – Trabalho decente e crescimento econômico (48,8 pontos), 10 – Redução das Desigualdades (39,1 pontos), 11 – Cidades e Comunidades Sustentáveis (48, 0 pontos) e 16 – Paz, Justiça e Instituições eficazes (38,2 pontos), sendo que alguns desses pontos são desafios compartilhados por prefeitos e gestores públicos de todo o país.

Por outro lado, o índice mostra que Manaus está muito próxima de alcançar plenamente o ODS 7 – Energia Limpa e Acessível (98,0 pontos), o ODS 9 – Indústria, Inovação e Infraestrutura (86,8 pontos) e o ODS 15 – Proteger a Vida Terrestre (93,9 pontos).

Manaus está distante das metas estabelecidas em nove dos 17 ODS definidos pela ONU (Foto: Lenise Ipiranga/Vida Amazônica)

Índice de Desenvolvimento Sustentável das Cidades

Lançado recentemente (em 23/3), o Índice de Desenvolvimento Sustentável das Cidades – Brasil (IDSC-BR) é um estudo inédito desenvolvido pelo Programa Cidades Sustentáveis (PCS), em parceria com a Sustainable Development Solutions Network (SDSN), uma iniciativa da ONU para monitorar os ODS em seus países-membros.

A iniciativa conta com o apoio do Projeto CITinova e consiste em um extenso trabalho de seleção, coleta e sistematização de dados de 770 municípios brasileiros, incluindo as capitais estaduais, além de cidades de todas as regiões metropolitanas e biomas do país. Ao todo, foram utilizados 88 indicadores de gestão relacionados aos diversos temas abordados pelos 17 ODS. O levantamento dos dados foi realizado pelo Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap).

Embora as cidades ainda tenham quase dez anos para avançar na Agenda 2030, o estudo mostra que a maioria dos municípios está muito distante de cumprir as metas estabelecidas em 2015.

O objetivo mais desafiador é o 3 – Saúde e Bem-Estar, justamente o que apresenta uma relação direta com a pandemia em sua meta 3.d, que preconiza: reforçar a capacidade de todos os países, particularmente os países em desenvolvimento, para o alerta precoce, redução de riscos e gerenciamento de riscos nacionais e globais de saúde.

Neste ODS, 756 das 770 cidades estão no pior quartil do sistema de classificação e as outras 14, no segundo pior. Nenhuma cidade está nas duas melhores faixas da escala, que significam que o objetivo foi atingido (no caso do melhor quartil) ou que há alguns desafios para atingi-lo (no caso do segundo melhor). Importante destacar que os dados e indicadores do índice não levam em consideração os efeitos da pandemia, uma vez que se referem a períodos anteriores à disseminação do novo coronavírus.

Por outro lado, Manaus está muito próxima de alcançar plenamente três ODS: Energia Limpa e Acessível; de Indústria, Inovação e Infraestrutura; e de Proteger a Vida Terrestre (Foto: Lenise Ipiranga/Vida Amazônica)

Metodologia

A metodologia do IDSC-BR foi elaborada pela SDSN (UN Sustainable Development Solution Network), uma iniciativa da ONU para mobilizar conhecimentos técnicos e científicos da academia, da sociedade civil e do setor privado no apoio de soluções em escalas locais, nacionais e globais. Lançada em 2012, a SDSN já desenvolveu índices para diversos países e cidades do mundo.

O IDSC-BR apresenta uma avaliação abrangente da distância para se atingir as metas dos objetivos ODS em 770 municípios, usando os dados mais atualizados (tipicamente entre 2010 e 2019) disponíveis em nível nacional e em fontes oficiais. As cidades foram selecionadas de acordo com os seguintes critérios: capitais brasileiras, cidades com mais de 200 mil eleitores, cidades em regiões metropolitanas, cidades signatárias do Programa Cidades Sustentáveis (PCS) na gestão 2017-2020 e cidades com a Lei do Plano de Metas, além de contemplar todos os biomas brasileiros.

A pontuação do IDSC-BR é atribuída no intervalo entre 0 e 100 e pode ser interpretada como a porcentagem do desempenho ótimo. A diferença entre a pontuação obtida e 100 é, portanto, a distância em pontos porcentuais que uma cidade precisa superar para atingir o desempenho ótimo. Há uma pontuação para cada objetivo e outra para o conjunto dos 17 ODS.

O mesmo conjunto de indicadores foi aplicado a todos os 770 municípios para gerar pontuações e classificações comparáveis. Diferenças entre a posição de cidades na classificação final podem ocorrer por causa de pequenas distâncias na pontuação do IDSC.

Desse modo, o índice apresenta uma avaliação dos progressos e desafios dos municípios brasileiros para o cumprimento da Agenda 2030.

FOTOS: Lenise Ipiranga/Vida Amazônica

Luta contra as mudanças climáticas está mais agressiva, aponta IPCC

Os danos causados ao meio ambiente resultam em mudanças climáticas que têm sido cada vez mais drásticas não são novidade, mas o novo relatório divulgado pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, sigla em inglês) da Organização das Nações Unidas (ONU), revela que a luta contra o tempo está ainda mais agressiva. Apesar de as emissões de CO2 terem dobrado nos últimos 60 anos, florestas, solos e oceanos absorveram 56% de toda essa emissão. Isso significa que o planeta seria um lugar bem mais quente e hostil do que é agora, não fosse a ajuda da natureza. O problema é que a humanidade não está conseguindo combater a destruição do meio ambiente e ele pode entrar em colapso antes do que se imaginava.

O alerta vermelho é acionado para o problema do desmatamento na Amazônia e, no entanto, esses índices seguem batendo recordes históricos. “Precisamos entender, de uma vez por todas, que quando uma pessoa invade e desmata, o impacto se dá em toda a humanidade.”, afirma Fabiana Prado, coordenadora do projeto LIRA – Legado Integrado da Região Amazônica, iniciativa do IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas.

Segundo Fabiana, a flexibilidade na fiscalização está ameaçando até as Áreas Protegidas, que ainda conseguem manter níveis bem mais baixos de desmatamento se comparadas com as outras áreas. “A criação das áreas protegidas – as unidades de conservação e as terras indígenas -, é uma estratégia significativa para garantir o futuro da Amazônia – e por consequência, da biodiversidade”, afirma.

No entanto, é preciso gerir, monitorar e avaliar esses espaços de forma eficiente, o que significa cumprir os objetivos de criação das áreas protegidas, manter a biodiversidade, as culturas e das comunidades locais e tradicionais além de contribuir com serviços ecossistêmicos para minimizar os efeitos das mudanças climáticas. “Por isso, o IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, implementa ações colaborativas multisetoriais (empresas, sociedade civil, governos e movimentos sociais) por meio do Projeto LIRA”, diz Fabiana.

O LIRA nasceu para promover o fortalecimento e a consolidação da gestão dessas áreas protegidas do Bioma Amazônico e colaborar para que sejam desenvolvidas alternativas sustentáveis de produção para as populações desses territórios. “A intenção do Projeto é transformar essas áreas em um polo de desenvolvimento regional e territorial, por meio de seus ativos naturais e sabedoria ancestral dos povos da floresta, possibilitando uma renda eficiente para a população local e o fortalecimento desses povos”, afirma Fabiana.

O LIRA é uma iniciativa idealizada pelo IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, Fundo Amazônia e Fundação Gordon e Betty Moore, parceiros financiadores do projeto. Os parceiros institucionais são a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Amazonas – SEMA-AM e o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará – IDEFLOR-Bio. O projeto abrange 34% das áreas protegidas da Amazônia, considerando 20 UCs Federais, 23 UCs Estaduais e 43 Terras Indígenas, nas regiões do Alto Rio Negro, Baixo Rio Negro, Norte do Pará, Xingu, Madeira-Purus e Rondônia-Acre. O objetivo do projeto é promover e ampliar a gestão integrada para a conservação da biodiversidade, a manutenção da paisagem e das funções climáticas e o desenvolvimento socioambiental e cultural de povos e comunidades tradicionais.

Sustentabilidade nas empresas aumenta demanda por profissionais com atuação em meio ambiente

A participação do Brasil na agenda dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU) vem promovendo uma mudança de comportamento por parte das empresas e sociedade. Para se ter uma ideia, das 17 metas principais, oito são focadas na preservação dos recursos naturais e na transformação no modo de consumir e produzir dos países participantes.

Com essa perspectiva, as empresas estão cada vez mais preocupadas com as questões ambientais e sua adequação ao plano global de sustentabilidade. A preocupação é validada pela população, que está mais consciente e procura consumir produtos de organizações dedicadas em preservar, recuperar e proporcionar condições de vida dignas para as próximas gerações.

O Senac EAD disponibiliza qualificações no segmento ambiental em todos os níveis de ensino e uma das opções é o curso Técnico em Meio Ambiente. O curso de nível médio totaliza 1200 horas (20 meses), período em que o aluno terá acesso a conhecimentos que vão da elaboração e implementação de projetos ambientais, até o controle e gestão de sistemas integrados no setor.

De acordo com a coordenadora do Técnico em Meio Ambiente do Senac EAD, Marília Coelho Teixeira, a área de atuação para esses profissionais é abrangente. “Há oportunidades no setor público para cargos de fiscalização e gestão ambiental, porém, a iniciativa privada oferece mais opções. O cidadão com formação técnica poderá trabalhar na análise e coleta de dados ambientais, elaboração de laudos e documentos para licenciamento ambiental, além de atuar na operação e gerenciamento de sistemas de tratamentos de resíduos sólidos e efluentes”, detalha.

A docente confirma a atenção das empresas em implementar ações e projetos de proteção ao meio ambiente, visto que compreendem a importância de estabelecer os critérios de sustentabilidade. “A contratação de profissionais da área de meio ambiente é de suma importância para as organizações, pois, são eles que irão colocar em prática todos os conhecimentos adquiridos no curso e propor ações de melhoria e sustentabilidade em prol da preservação ambiental e do desenvolvimento sustentável”, observa.

Mudança de comportamento

Apesar da conscientização e mudança de comportamento de grande parte da sociedade, algumas ações precisam ser reforçadas com frequência. A docente Marília pontua ações simples e que podem ser incorporadas ao cotidiano das famílias, que desejam contribuir com a preservação do meio ambiente:

– Separação correta de resíduos sólidos urbanos, ainda mais relevante em razão da pandemia do novo coronavírus (famílias estão gerando resíduos hospitalares como máscaras e luvas);

– Consumo consciente com relação aos produtos essenciais para o ser humano, ou seja, comprar o que realmente for utilizar e evitar o consumo supérfluo;

– Comprar produtos de empresas que possuem valores de responsabilidade socioambiental e sustentável, assim, você está valorizando essas organizações;

– Reutilizar produtos e embalagens;

– Ser mais flexível com o trabalho em home office, pois, é uma atitude considerada sustentável. O fato dos colaboradores não precisarem se deslocar todos os dias para o emprego influencia diretamente na redução de emissões atmosféricas dos gases de efeito estufa.

Fonte: Indicadores brasileiros para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) http://odsbrasil.gov.br/

Serviço:

As inscrições para o curso Técnico em Meio Ambiente estão abertas entre os dias 22 de junho e 17 de agosto de 2020. Mais informações sobre valores e o conteúdo programático das aulas podem ser verificadas na página: http://www.ead.senac.br/cursos-tecnicos/tecnico-em-meio-ambiente/

Foto: reprodução

ONU lança versão brasileira de site de combate à desinformação durante pandemia

Com o objetivo de aumentar o volume e o alcance de informações precisas e confiáveis sobre a covid-19, o site ‘Verificado’ disponibiliza conteúdo inteiramente em português e pode ser acessado pelo endereço compartilheverificado.com.br.

“Não podemos ceder nossos espaços virtuais para aqueles que publicam mentiras, medo e ódio”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, ao anunciar a iniciativa. “Desinformação é divulgada online, em aplicativos de mensagem e de pessoa para pessoa. Seus criadores usam produção e métodos de distribuição maliciosos. Para combater isso, cientistas e instituições como as Nações Unidas precisam alcançar pessoas com informação acurada, na qual possam confiar. “

O site Verificado é liderado pelo Departamento de Comunicação Global (DCG) da ONU e traz dados, orientações e números relacionados ao novo coronavírus vindos de fontes seguras e confiáveis, graças a parcerias feitas pelas Nações Unidas com agências, influenciadores, sociedade civil, empresas e organizações de mídia.

“A internet tem uma influência poderosa, assim como a televisão. Quando há fontes de informação fortes e conflitantes, em quem a pessoa vai acreditar e como ela chegará a uma conclusão firme? Eu acredito que o site Verificado assegura ao mundo que as Nações Unidas se mantêm como uma fonte de informação independente e confiável, por meio do seu Departamento de Comunicação Global”, disse Kimberly Mann, diretora do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio de Janeiro).

A plataforma oferece conteúdo verificado sobre a covid-19 em três temas: ciência – para salvar vidas; solidariedade – para promover cooperação local e global; e soluções – para defender o apoio a populações impactadas. Os leitores também podem se cadastrar para receber as novidades do site por e-mail e se tornar “voluntários de informações”, compartilhando dados e orientações confiáveis com suas redes de amigos e familiares.

“Em muitos países, a crescente desinformação em canais digitais está impedindo a resposta de saúde pública e provocando instabilidade. Há esforços inquietantes de explorar a crise para avançar nativismo ou atingir grupos minoritários, o que pode piorar na medida em que a pressão aumenta nas sociedades e instabilidades econômicas e sociais entram em cena”, afirma a sub-secretária-geral da ONU para Comunicação Global, Melissa Fleming.

O site Verificado é realizado em colaboração com a Purpose, uma das maiores organizações de mobilização social do mundo, e tem o apoio da Fundação IKEA e da Luminate. Além disso, o projeto também conta com o apoio de articulação da Nexus.

Foto: reprodução

Startup desenvolve aplicativo para contenção do desperdício de água

Agência Sebrae de Notícias

Embora seja naturalmente renovável, a água potável do planeta é um recurso finito. O brasileiro consome de forma direta, em média, 154 litros de água diariamente – 44 litros acima do recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU). Para resolver esse problema, uma startup do Rio Grande do Sul está desenvolvendo um sistema de monitoramento em tempo real do consumo de água em imóveis. A iniciativa busca assegurar padrões de produção e consumo sustentáveis, conforme prevê o 12º Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas, de quem o Sebrae é parceiro no fomento aos negócios de impacto social e ambiental desde 2015.

A Aldiwa – Sistema de Controle Sustentável surgiu como um projeto acadêmico de Alan Henkel, Diego Mergener e Wagner Kuhn, do curso de Design da Universidade Feevale (RS). Eles buscaram rever o desperdício de água por meio do controle consciente do uso em imóveis. “Na época, não sabíamos se o projeto era aplicável, mas agregamos um programador à equipe para viabilizarmos comercialmente”, conta Wagner Kuhn. Hoje, já formados, os jovens seguem no desenvolvimento do aplicativo que irá fornecer, ao usuário final consulta ao consumo de água em tempo real, alertas preventivos de vazamento e consumo, bem como o desligamento remoto do fornecimento, com o objetivo de economizar dinheiro e os recursos hídricos do planeta.

Atualmente, a Aldiwa está em fase de implantação, testes e viabilidade para utilização em outros equipamentos de hardware. A startup é do Rio Grande do Sul, mas espera entrar no mercado nacional, atendendo de forma compatível os mais diversos equipamentos de automação do consumo de água existentes. As negociações mais avançadas para implementação da ferramenta são de fora do estado gaúcho.

Não deve demorar para que moradores, síndicos e administradoras de grandes centros habitacionais, como prédios e condomínios, possam controlar os gastos excessivos de água. O app estará em fase de testes até o final de março e a previsão é de no 2º semestre de 2019 o piloto entre em operação em dois locais. “Nossa expectativa é facilitar a vida das pessoas e, acima de tudo, conscientiza-las quanto ao correto uso da água. Ninguém faz ideia de quanto consome em seus banhos, lavando louça e roupas, mas quando se depararem com essa informação em litros, vão se impressionar e, a partir daí, tomar providências para economizar, reeducando os seus usos”, finaliza Wagner.

Foto: reprodução

App contribui para o descarte consciente de resíduos e para uma cidade mais sustentável

Agência Sebrae de Notícias

Um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU) é tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis. Em Fortaleza, uma iniciativa tem ajudado a população a cuidar do meio ambiente. O app DescarteINFO, criado em 2016 pelos então alunos do curso de Ciências Ambientais da Universidade Federal do Ceará (UFCE), Anderson Tavares Vieira e Cássia Liliane Alves, mostra o local mais próximo para descarte adequado de resíduos sólidos na capital cearense. Desde 2015, o Sebrae é parceiro da ONU no fomento aos negócios de impacto social e ambiental.

“Sabíamos que havia locais para descarte, mas a informação não chegava até a população, assim surgiu a ideia de desenvolver uma ferramenta que disponibilizasse as informações em único lugar”, conta Cássia Liliane. O aplicativo é gratuito e mostra ao cidadão os pontos de entrega voluntária e locais específicos para reposição de materiais recicláveis. Ele indica, por exemplo, onde depositar corretamente resíduos recicláveis, como embalagens de vidro, embalagens longa vida (tetrapak), garrafas PET, metais, papel, papelão, plásticos, banner de lona, tampinhas de garrafas PET e cápsulas de café; pontos de doações de roupas, móveis velhos, eletrodomésticos e livros; locais de descarte de resíduos perigosos, como óleo e gordura residuais, celulares, cartuchos, eletrônicos, pilha e bateria, lâmpadas e medicamentos; além de outros resíduos, como entulhos de construção e resto de poda. “Acrescentamos as cápsulas de café devido à demanda. Existe um local em Fortaleza que as recebe para fazer mudas de pequenos cactos”, explica Anderson, que salienta a importância do DescarteINFO ser disponibilizado gratuitamente, “desde o início pensamos em um app gratuito ao usuário, para incentivo à adoção de práticas mais sustentáveis”.

A solução foi bem recebida pela população. Já são 5,6 mil downloads nos dois principais sistemas operacionais para celulares. “Também recebemos vários e-mails com dúvidas e elogios de pessoas que afirmam que agora sabem onde descartar algum tipo de resíduo”, relata Cássia. Em 2016, eles ainda ganharam o prêmio Hacker Cidadão da Prefeitura, de aplicativos para solucionar alguns desafios da cidade. Os planos agora são expandir para mais regiões do Brasil. “Já fechamos uma parceria em São Paulo e em breve disponibilizaremos pontos de coleta de lâmpadas no estado”, revela Anderson. Ele ainda destaca que pretendem ser referência nacional em aplicativos de coleta seletiva.

Foto: reprodução