Fórum Virada Sustentável discute a Amazônia e os impactos do seu desmatamento na sociedade

Na segunda-feira (13/9), a 11ª Virada Sustentável apresenta o painel Amazônia e o Futuro do Brasil em sua programação, que começou na quinta-feira (2/9), na capital paulista, e segue até o dia 22. O desmatamento e os impactos sociais causados por isso são questões-chave da discussão.

Para situar o debate, a descrição do painel aponta que no início o desmatamento foi para projetos de infraestrutura e, hoje, a Floresta perde espaço pelos extrativismos vegetal e mineral e para a produção agropecuária, numa troca que pode ter consequências sérias para a sociedade, em especial, a questão climática e o equilíbrio biológico do mundo.

A discussão terá moderação de Virgílio Viana, superintendente geral da Fundação Amazonas Sustentável, além da presença dos palestrantes Paulo Artaxo, vice-presidente da Academia de Ciências do Estado de São Paulo e da SBPC – Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, USP, e Roberto Waack Arapyaú, presidente do Instituto Arapyaú. O painel sobre a Amazônia será às 14h (hora de Brasília), com transmissão pelas redes sociais do evento.

Virgílio Viana, superintendente geral da Fundação Amazonas Sustentável
(Foto: Divulgação)

#MinhaMensagem

Neste ano, o tema do maior festival de sustentabilidade do país é #MinhaMensagem, que traz 100 mensagens importantes sobre este momento de construção coletiva para o futuro pós-pandemia. O tema permeia toda a programação do evento, que é gratuita e repete o modelo híbrido experienciado na edição de 2020.

As frases da campanha foram elaboradas por 100 organizações de diversos setores da sociedade civil. “Estamos dando voz para várias organizações da sociedade civil para que possamos nos inspirar para construir um mundo mais sustentável e igualitário”, conta Mariana Amaral.

Pela primeira vez, a programação do Fórum Virada Sustentável foi construída a partir de uma pesquisa com representantes da iniciativa privada e sociedade sobre quais temas e assuntos eles consideram urgentes de serem conversados. A partir daí a programação do Fórum foi agrupada por temas de interesse apresentados na pesquisa: água, economia circular, empreendedorismo em comunidades, agenda ESG, mudanças climáticas, Amazônia, questões indígenas, habitação, segurança alimentar e diversidade. 

Em paralelo, várias manifestações e intervenções artísticas ocorrem pela cidade de São Paulo refletindo os pontos abordados virtualmente.

“Nosso objetivo é promover uma visão inspiradora sobre um futuro sustentável. Além disso, o festival, desde sua primeira edição, funciona como um grande reforço às redes de transformação e impacto social existentes, reunindo sociedade, organizações da sociedade civil, artistas, agentes públicos e marcas nesta construção”, complementa André Palhano, também fundador da Virada Sustentável.

Jazz ao Pôr do Sol na Virada Sustentável 2021
(Foto: Bruno Noda)

Conteúdo

Com 26 painéis virtuais, o Fórum Virada Sustentável amplia a possibilidade de participação para pessoas de fora de São Paulo. Todas as atividades contam com tradução em Libras e tradução simultânea nas palestras de convidados internacionais. Para participar, os interessados precisam se inscrever gratuitamente no site da Virada Sustentável: www.viradasustentavel.org.br /palestras

Um dos destaques do Fórum é o painel do dia 13, apresentado pelo economista estadunidense Jeffrey Sachs. Em sua palestra Mensagens para o Mundo Pós-Pandemia, às 10h (hora de Brasília), ele fala sobre a importância de uma agenda política alinhada às pautas de desenvolvimento sustentável para um crescimento socioeconômico global. Ao fim da exposição, Sachs responderá perguntas do público.

Os rumos da agenda ESG estão presentes nos encontros em que serão discutidas a importância da Amazônia para a economia, a questão da biodiversidade dentro do contexto da agenda ESG e as tendências do consumo on-line com impacto positivo.

No dia 15 de setembro, o Fórum Virada Sustentável traz desigualdade e diversidade de gênero para o debate na conversa Oportunidades e desafios da equidade de gênero nas organizações com Margareth Goldenberg (Movimento Mulher 360), Camili Calixto (Mais Diversidade) e Suellen Moraes (BALL), que analisam a situação atual do mercado de trabalho para as mulheres, a partir do dado do IBGE de que em 2021, a participação feminina no mercado teve o menor índice dos últimos 30 anos. E no dia 22, às 11h30, o painel Inclusão e diversidade: a importância de metas para impulsionar a agenda também traz, como parte da pauta ESG, a necessidade de construir ambientes empresariais inclusivos e uma cultura corporativa guiada pelo combate às desigualdades.

Economia circular é o eixo da programação dos dias 8 e 9 de setembro. As conversas abordam desde como a sociedade pode começar a se engajar sobre este tema, passando por questões de reciclagem, tanto de embalagens usadas em domicílios como o aço produzido pela indústria.

O tema volta a ser debatido no painel Educação e Economia Circular: Construindo um Mundo sem lixo no dia 20, às 15h15, que discute caminhos e propostas para que se possa trazer o conceito da economia circular para o dia a dia, a partir de propostas e possibilidades para professores, gestores e famílias.

A questão da água é o tema do painel Despoluir é necessário. Manter o Rio Pinheiros limpo é obrigação de todos marcado para o dia 15 de setembro, às 15h15.

No dia 16 de setembro, o Fórum Virada Sustentável abarca várias frentes sobre a questão da alimentação: o painel Entendendo o supermercado: um diálogo sobre a agricultura brasileira e fome; a mesa Redução de Emissões na Gestão de Resíduos: um Coringa para Alcançar as Metas Desejadas; Fome e Desenvolvimento: o futuro dos alimentos e a soberania alimentar em um mundo pós-pandemia, em que o público é convidado para o debate sobre a questão.

No penúltimo dia de programação do Fórum, 20 de setembro, moradia e cidades inteligentes são pontos-chave das discussões promovidas nos debates Habitação Pós-Pandemia: A sua casa é a sua causa! e Cidades Inteligentes e Sustentáveis – Mais Conectadas, Criativas e Sustentáveis.

O último dia do Fórum Virada Sustentável, 22 de setembro, também marca o encerramento da 11ª edição da Virada Sustentável. Com uma programação intensa composta por 6 painéis, a agenda do dia discute os principais tópicos abordados ao longo do evento.

Após sua realização, todas as atividades da programação do Fórum Virada Sustentável ficarão disponíveis com tradução em Libras e legenda no canal da Virada Sustentável no Youtube (https://www.youtube.com/user/ViradaSustentavel).

Economista estadunidense Jeffrey Sachs integra o Fórum Virada Sustentável
(Foto: Divulgação)

A Virada Sustentável

O maior festival de sustentabilidade do Brasil envolve articulação e participação direta de organizações da sociedade civil, órgãos públicos, coletivos de cultura, movimentos sociais, equipamentos culturais, empresas, escolas e universidades. O festival tem como objetivo apresentar uma visão positiva e inspiradora sobre a sustentabilidade e seus diferentes temas para a população, gerando reflexão e discussões a fim de promover um futuro sustentável e reforçando as redes de transformação e impacto social existentes.

O evento, que pelo segundo ano apresenta atividades em formato híbrido, acontece por meio de intervenções em diversas áreas da cidade de São Paulo e em plataformas virtuais, com programação completamente gratuita que apresenta instalações, projeções, grafites, performances, teatro, programação de bem-estar, além do Fórum Virada Sustentável.

A Virada Sustentável São Paulo 2021 é apresentada por Braskem, com patrocínio master da Isa Cteep, patrocínio da Ambev, Gerdau, Sabesp, co patrocínio de Electrolux, Mercado Livre, Novelis, Tetra Pak e apoio das empresas Ball, Deloitte, Instituto Center Norte, Instituto Vedacit e ValGroup. Além da co-realização com a Prefeitura de São Paulo e parceria com PNUD, Instituto Alana, Metrô SP, Pacto Global, Rotary Club, Sesc, Estadão, Eletromidia e Ótima.

Programação

A programação completa pode ser acompanhada nos seguintes canais:
Site: https://www.viradasustentavel.org.br
Instagram: @viradasustentavel
Facebook: facebook.com/viradasustentavel
Youtube: https://www.youtube.com/ViradaSustentavel

Dia 08/09

14h – Economia Circular: Tudo que você precisa saber para se engajar
Descrição
: Dados recentes mostram que o atual sistema linear de “extração-produção-descarte” apresenta claros sinais de esgotamento, demonstrando a necessidade premente de uma transição para um modelo mais circular. No entanto, levantamento internacional identificou que há cerca de cinquenta definições para o termo Economia Circular. Como alinhar esse conceito e implementar um sistema de EC na região? E quem serão os principais protagonistas nessa transição?
Moderador:
Carlos RV Silva Filho: Diretor-presidente da ABRELPE/ISWA
Palestrantes:
Carolina Zoccoli: Especialista em sustentabilidade da Firjan
Flavio Ribeiro: Engenheiro e professor da Unisantos
Alexandre Citvaras: diretor de novos negócios e ESG da Orizon

15h15 – Do fim ao começo: a reciclagem transformando vidas
Descrição
: Como o fim da vida útil das embalagens pode ser o começo da transformação da vida de pessoas que trabalham com a reciclagem e também o começo da vida útil de novos produtos que geram renda para indústrias recicladoras.
Moderadora:
Roberta Jansen, Jornalista
Palestrantes:
Patricia Rosa: Coordenadora de projetos sociais, captação de recursos e gestão institucional da Cataki
Rodrigo Creato: Diretor industrial da NBR Plásticos de Engenharia
Valéria Michel: Diretora de Sustentabilidade da Tetra Pak Brasil e Cone Sul

16h30 – O Aço como agente transformador

Dia 09/09

14h – Futuro da reciclagem
Moderador:
Wagner Soares Costa: Gerente de Meio Ambiente da FIEMG
Palestrantes:
Fabiana Quiroga: Diretora de Economia Circular da Braskem na América do Sul da Braskem
Eduardo Berkovitz: Diretor de Relações Institucionais da Valgroup
Roger Koeppl: Diretor-presidente da YouGreen Cooperativa
Rodrigo Figueiredo: Vice-presidente de Sustentabilidade e Suprimentos da América do Sul da Ambev.

15h15 – Inovação na reciclagem de embalagens flexíveis
Moderadora:
Roberta Jansen: Jornalista
Palestrantes:
Marcelo Guerreiro Mason: Head de Sustentabilidade da Deink
Karina Turci: Gerente de Sustentabilidade de Embalagens da Ambev

Dia 13/09

10h – Mensagens para o Mundo Pós-Pandemia
Descrição
: Palestra com Jeffrey D. Sachs, professor de economia de renome mundial, autor de best-sellers, educador inovador e líder global em desenvolvimento sustentável.
Moderador:
Jorge Soto: Diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem
Palestrante: Jeffrey Sachs

14h – Amazônia e o Futuro do Brasil
Descrição
: O início do desmatamento foi para projetos de infraestrutura, hoje a Floresta perde espaço pelos extrativismos vegetal e mineral e para a produção agropecuária numa troca que pode ter consequências sérias para a sociedade, em especial, a questão climática e o equilíbrio biológico do mundo.
Moderador:
Virgílio Viana: Superintendente geral da Fundação Amazonas Sustentável (FAS)
Palestrantes:
Paulo Artaxo: Vice-presidente da Academia de Ciências do Estado de São Paulo e da SBPC – Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, USP
Roberto Waack Arapyaú: Presidente da Instituto Arapyaú

15h15 – Proteger sem Possuir | A Importância da Biodiversidade dentro de Contexto de Agenda
Descrição
: Na agenda ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança), a proteção da biodiversidade vai muito além do impacto ambiental positivo – é a perfeita harmonia entre a conservação dos biomas, o estímulo a alternativas econômicas sustentáveis e o benefício às comunidades locais. Mas de quem é essa responsabilidade? Nesta sessão, os palestrantes vão conversar sobre iniciativas e práticas de preservação e conservação inovadoras e como cada um de nós pode ir além e fazer a diferença.
Moderador:
Bárbara Lins, jornalista
Palestrantes:
Rui Chammas: Diretor-Presidente da ISA CTEEP
Mário Haberfeld: Presidente e co-fundador do Onçafari
Gabriela Yamaguchi: Diretora de Sociedade Engajada da WWF

16h30 – Tendências do consumo online com impacto positivo
Descrição
: A busca por um modo de vida e, consequentemente, um consumo mais sustentável está crescendo no Brasil, e a comercialização online amplia as possibilidades de pessoas encontrarem produtos e marcas de impacto positivo. O objetivo deste painel é debater as tendências do consumo online com impacto positivo a partir da apresentação de dados sobre o consumo de produtos sustentáveis no Mercado Livre e da experiência de dois empreendedores de impacto que alcançaram seus impactos positivos por meio da venda online.
Mediadora:
Laura Motta: Gerente de Sustentabilidade do Mercado Livre
Palestrantes:
Paulo Reis: Pesquisador e diretor da Manioca, premiada indústria de alimentos especializada nos sabores da Amazônia

Dia 15/09

14h – Governança, Sustentabilidade e Geração de Valor
Descrição
: O painel abordará sobre como as boas práticas de Governança podem agregar valor para as empresas, abordar a influência dos aspectos ESG e qual é o processo de implantação dessas boas práticas.
Mediador:
Rodrigo Miguel Trentin: Gerente de Educação Corporativa do IBGC
Palestrantes:
Thiago Salgado: Diretor do FAMÍLIA S.A e Membro da Comissão Empresas Familiares do IBGC

15h15 – Despoluir é necessário. Manter o Rio Pinheiros limpo é obrigação de todos

16h30 – Oportunidades e desafios da equidade de gênero nas organizações
Descrição
: Quais os desafios e oportunidades para implementação da equidade de gênero nas organizações? A sociedade brasileira ainda precisa percorrer um longo caminho para tornar efetiva a igualdade entre homens e mulheres, declarada na Constituição de 1988. Segundo o IBGE, a participação feminina no mercado de trabalho chegou em 2021 ao seu menor índice em 30 anos (46,3%), retornando aos números da década de 1990. Gerar oportunidades e criar um ambiente inclusivo é o caminho para reinserir essas mulheres cujas carreiras foram ainda mais afetadas pela pandemia no mercado de trabalho e ampliar a presença delas em diferentes funções, cargos e níveis hierárquicos. Muitas empresas, cientes de sua força transformadora, vêm trabalhando para desenvolver ambientes mais inclusivos onde seus funcionários possam prosperar. Além disso, já foi comprovado que a diversidade entre indivíduos e as equipes ajuda a revelar ideias e estimula a inovação, promovendo o crescimento e o valor em toda a organização.
Palestrantes:
Margareth Goldenberg: CEO Goldenberg Diversidade e gestora executiva do Movimento Mulher 360
Camili Calixto: Consultora de diversidade e inclusão na consultoria Mais Diversidade
Suellen Moraes: Gerente de Diversidade e Inclusão Ball Corporation para a América do Sul

Dia 16/09

14h – Entendendo o supermercado: um diálogo sobre a agricultura brasileira e fome
Descrição
: O Brasil retorna ao mapa da fome da ONU no mesmo ano em que o setor agrícola bate recordes de exportação de commodities do campo. Como compreender o aumento da produtividade agrícola em um país em que 58 milhões de pessoas correm o risco de deixar de comer por não ter renda suficiente para sobreviver, onde nem todos possuem poder de compra (uma vez que os preços do feijão, do arroz, da carne e outros insumos estão alarmantes nos supermercados) e nem acesso a uma alimentação equilibrada, saudável e sustentável? Neste painel será explorado esse paradoxo entre a superprodução de alimentos base e, como esta produção não resulta em comida no prato dos brasileiros, intensificando a discussão sobre a insegurança alimentar.
Mediadora:
Marina Esteves: Assistente de projetos em práticas empresariais e políticas públicas – Instituto Ethos
Palestrantes:
Paola Loureiro Carvalho: diretora de Relações Institucionais e Internacionais, Rede Brasileira de Renda Básica (RBRB)
Scarlett Rodrigues: Coordenadora de Práticas Empresariais e Políticas Públicas em Direitos Humanos do Instituto Ethos

15h15 – Redução de Emissões na Gestão de Resíduos: um Coringa para Alcançar as Metas Desejadas
Descrição:
Ser responsável por cerca de 4% das emissões de poluentes climáticos parece muito pouco, mas o setor de resíduos é dos únicos que podem zerar sua contribuição para as mudanças do clima. E mais que isso: contribuir com a diminuição das emissões dos outros.
Mediadora:
Gabriela GP Otero: Coordenadora Técnica da ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais)
Palestrantes:
Sandra Mazo-Nix: Coordenadora da Iniciativa de Resíduos da Coalizão pelo Clima e Ar Limpos, CCAC
Patricia Iglecias: Presidente da CETESB

16h30 – Fome e Desenvolvimento: o futuro dos alimentos e a soberania alimentar em um mundo pós-pandemia
Descrição
: Há comida suficiente no mundo para alimentar todas as pessoas, mas, por causa das falhas nos sistemas alimentares, cerca de 811 milhões de pessoas vão para a cama com fome todas as noites, enquanto 2 bilhões estão acima do peso. Alcançar a meta de Fome Zero até 2030 (Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 2) requer soluções que abordem ineficiências sistêmicas, crises políticas e mudanças climáticas, reunindo políticas, intervenções impactantes, infraestrutura, serviços, inovação e tecnologia com liderança política e investimentos. Para aliviar a fome crônica, é necessário pensar no alimento como um direito humano básico, não apenas uma mercadoria, e abordar os problemas específicos de cada país que enfrenta a insegurança alimentar.

Foto Desmatamento: Alex Ribeiro/Ag. Pará/Fotos Públicas

Wagner Moura e Greenpeace lançam animação sobre a destruição das florestas para a produção de carne

Greenpeace se uniu ao ator Wagner Moura para dar sequência ao primeiro filme produzido pela ONG, um alerta do orangotango Rang-Tan, com a atriz Emma Thompson, na sensação viral Rang-tan. O novo filme destaca a onça pintada ‘Jag-wah’ em denúncia do impacto devastador que a produção industrial de carne está tendo em florestas como a Amazônia.

“Tem um monstro na minha cozinha” conta a história de um menino que aprende sobre o desmatamento que está devastando florestas como a Amazônia, casa da onça. Com o animal, o menino explora como a carne em nossas cozinhas está alimentando o desmatamento de florestas e como reduzir a carne nas prateleiras dos supermercados, nos cardápios de fast food e em nossas próprias cozinhas pode ajudar a resolver isso. O vídeo foi feito pela agência de criação Mother e produzido pelo premiado estúdio Cartoon Saloon.

Confira o vídeo:

“Existem poucos lugares mais incríveis e preciosos na terra do que florestas como a Amazônia. No entanto, as pessoas muitas vezes não sabem que muitas das carnes e laticínios em nossas geladeiras estão ligadas aos incêndios e motosserras que estão devastando a Amazônia e outras florestas importantes. As grandes empresas de carnes continuam derrubando nossas florestas em um ritmo surpreendente. Precisamos agir antes que seja tarde demais”, afirma o ator Wagner Moura.

Os incêndios de 2019, na Amazônia, chamaram a atenção da mídia, mas a temporada de incêndios de 2020 viu novos recordes em toda a linha. Somente nos 20 primeiros dias de outubro, foram mais de 12 mil focos de incêndio na Amazônia. No acumulado do ano são 88.804 focos, apenas 372 focos a menos do total registrado em todo o ano passado. Em comparação ao mesmo período do ano passado, houve alta em 211%.

O Cerrado também registra aumento de 86% em comparação ao mesmo período do ano passado. São 11.946 focos de incêndio. Mas o número mais alarmante e aterrador não é da Amazônia e tampouco do Cerrado, e sim, a do Pantanal. Neste mesmo período de 2019, foram registrados 525 focos de incêndio. Neste ano, o Bioma registrou 2.667 focos de incêndio, uma diferença de 408%. Mesmo faltando dez dias para o término do mês, os três Biomas já queimaram mais que o mês de outubro inteiro do ano passado.

A onça pintada está presente em quase todos os biomas do Brasil, especialmente nos três biomas comprometidos pelas queimadas: Amazônia, Cerrado e Pantanal

“A carne é o maior promotor do desmatamento em todo o mundo. Esta animação é muito importante para expormos o futuro de nossas florestas. Em menos de 20 anos, a Amazônia pode entrar em colapso e isso está sendo impulsionado pela falta de ações das grandes empresas de carne para evitar que animais vindos de áreas desmatadas e queimadas cheguem para os consumidores. Os efeitos da política antiambiental do governo Bolsonaro são confirmados pelo aumento dos índices de desmatamento e violência no campo, com resultados negativos também para a economia do país”, ressalta Rômulo Batista do Greenpeace Brasil.

“Estou muito satisfeito por trabalhar neste filme de importância crucial com o Greenpeace. Essa luta nunca foi mais urgente. Juntos, podemos enfrentar as empresas industriais de carne que estão destruindo nossas preciosas florestas e os governos, como o meu no Brasil, que fazem conluio com eles. Espero que este filme inspire muitos a se juntarem à nossa missão de proteger as florestas”, completa Wagner.

O vídeo tem apoio da Meat Free Monday, a campanha lançada por Paul, Mary e Stella McCartney que visa aumentar a conscientização sobre o impacto ambiental prejudicial da pecuária.

Sinopse > ‘Tem um monstro na minha cozinha’ é uma poderosa história de terror de um garotinho que encontra um ‘monstro’ assustador em sua cozinha – um enorme jaguar. Dublado pelo aclamado ator brasileiro Wagner Moura (que interpretou Pablo Escobar em Narcos), ‘Jag-wah’ revela que está aqui para alertar o menino. Os verdadeiros monstros são, na verdade, as empresas industriais de carne queimando sua casa na floresta e destruindo habitats naturais para cultivar ração animal. A constatação de que a carne industrial é a maior causa do desmatamento global leva o menino a decidir “comer mais plantas e vegetais” e a “lutar contra esses monstros para que nosso planeta se renove”.

Fotos e Vídeo: Greenpeace | Divulgação

Área desmatada na Amazônia a ser queimada em 2020 pode superar os 4,5 mil km²

Uma área desmatada de pelo menos 4.500 quilômetros quadrados na Amazônia, equivalente a três vezes o município de São Paulo, está pronta para queimar. Resultado da soma do que foi derrubado no ano passado e nos primeiros quatro meses desse ano, e ainda não queimado, essa vegetação no chão pode virar fumaça com a estação seca que começa em junho em mais uma temporada de fogo intensa como observamos em 2019. Se isso ocorrer, o número de internações por problemas respiratórios pode aumentar expressivamente, pressionando ainda mais o sistema de saúde da região, já duramente afetado pela covid-19.

O alerta foi dado nesta segunda-feira (8/6) em uma nota técnica divulgada pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam). Pelos cálculos dos cientistas, se o ritmo acelerado de desmatamento continuar nos próximos meses, quase 9 mil kmpoderão virar cinzas, já que a época mais intensa de derrubada e queima se inicia agora, com a chegada do período seco na região.

“Coibir as queimadas e o desmatamento neste ano, além de uma ação de proteção ambiental, é também uma medida de saúde”, afirma o autor principal da nota, o pesquisador Paulo Moutinho, do Ipam. A preocupação reflete os dados do ano passado, quando os municípios que mais queimaram na Amazônia viram o ar ficar 53% mais poluído, em média, em relação a 2018. Moutinho ainda pondera que “uma não ação dos poderes públicos na prevenção do desmatamento e das queimadas poderá representar perdas de vidas humanas para além das previstas com a pandemia”. “Precaução é a palavra chave agora”, conclui.

Normalmente, anos assim cheios de fumaça levam centenas de pessoas para postos de saúde e hospitais da região. Se isso acontecer em 2020, elas encontrarão leitos ocupados por infectados pelo coronavírus.

“Durante a temporada de fogo, extensas áreas da Amazônia tem qualidade do ar pior que no centro da cidade de São Paulo devido às queimadas. Isso tem forte efeito na saúde, especialmente em crianças e idosos, que são as populações mais vulneráveis”, explicou o físico Paulo Artaxo, da Universidade de São Paulo, que colaborou com o trabalho. “Como a poluição das queimadas viaja por milhares de quilômetros, comunidades isoladas de índios respiram esta atmosfera insalubre, que é muito acima dos padrões de qualidade do ar da Organização Mundial da Saúde.”

Quatro estados concentram 88% da área desmatada e não queimada: Pará (com 42%) dos 4,5 mil km², Mato Grosso (23%), Rondônia (13%) e Amazonas (10%). Olhando com mais cuidado, onze regiões são especialmente preocupantes. Elas devem ser consideradas como prioritárias para ações de comando e controle, especialmente aquelas planejadas pelo governo federal, assim como para o planejamento de atendimento à saúde pelos governos estaduais.

O fogo é o próximo passo no processo de conversão de uma floresta em outro uso da terra, como pasto, explica a diretora de Ciência do IPAM, Ane Alencar, que também assina a nota técnica. “Por isso, quando temos uma taxa de desmatamento alta na Amazônia, a relação com o aumento de focos de calor é direta. Foi o que vimos acontecer em 2019 e, infelizmente, se nada for feito, é o que deveremos ver em 2020, já que a derrubada continua num ritmo elevado.”

Foto: divulgação

Floresta amazônica reduz capacidade de absorção de carbono chegando a quase zero

Fundamental para a estabilidade do clima do planeta, a floresta amazônica, que até alguns anos absorvia carbono em quantidades muito significativas, do ponto de vista de balanço de carbono total, reduziu essa capacidade e hoje está chegando a zero. Os cientistas consideram a situação preocupante. Em um cenário futuro de mudanças climáticas, em que eventos extremos de secas e grandes inundações são mais frequentes, é possível que a floresta comece a perder carbono para a atmosfera piorando o já grave aquecimento global.

O alerta foi feito no Workshop “As dimensões científicas, sociais e econômicas do desenvolvimento da Amazônia”, realizado em agosto no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa). O evento foi organizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Inpa e Instituto Wilson Center.

As pesquisas na região mostram que a Amazônia é um ecossistema altamente crítico no clima global, controlando o ciclo hidrológico, a chuva sobre a própria Amazônia e sul do Brasil, e que armazena uma quantidade enorme de carbono. A ciência estima que a Bacia Amazônica abrigue 16 mil espécies de plantas arbóreas. Já se sabe também que a estação seca na Amazônia está se ampliando em seis dias por década, o que pode parecer pouco, mas é uma alteração significativa.

Segundo o coordenador do workshop e professor da Universidade de São Paulo (USP), Paulo Artaxo, a floresta amazônica até cerca de 10 a 20 anos fazia um serviço ambiental muito importante de reter todos os anos meia tonelada de carbono por hectare. Este serviço ambiental agora está indo para zero. “Nosso medo é que, a partir de agora, a floresta, além de perder carbono para a atmosfera, e como ela corresponde a dez anos da queima de combustíveis fósseis, perca mais 2%, 3% ou 4% do carbono, pois isso vai aumentar muito o efeito estufa”, disse Artaxo, que também é gerente científico do Programa de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA/Inpa/MCTIC).

Segundo o cientista, hoje a floresta é neutra do ponto de vista do carbono. Mas se forem diminuídas as emissões haverá possibilidade de voltar a ter a floresta retendo mais carbono do que emite. “É por isto que temos de lutar hoje”, afirmou.

Paulo Artaxo, cientista e professor da Universidade de São Paulo (USP), durante o workshop realizado pelo Inpa (Foto: Cimone Barros/Ascom Inpa)

As florestas tropicais são o lugar do mundo em que mais se estoca carbono na Terra. O carbono é o quarto elemento mais abundante na atmosfera e é um dos gases de efeito estufa. De acordo com o pesquisador da USP, Luiz Martinelli, se a floresta faz mais fotossíntese do que ela perde carbono pela respiração, essa floresta tende aumentar sua biomassa.

“É disso que estamos precisando, porque, devido ao grande aporte de carbono e CO2 na atmosfera pela queima de combustíveis fósseis, o clima da Terra está mudando. Então, é extremamente benéfico para o clima que a Amazônia continue limpando esse excesso de carbono na atmosfera, mesmo que lentamente”, explicou Martinelli.

As pesquisas apoiadas pela Fapesp e realizadas em colaboração com o Inpa serão apresentadas em um workshop em Washington, no dia 25 de setembro. A proposta é apresentar para o Banco Mundial e o Fundo Amazônia quais as necessidades de pesquisas que se tem na Amazônia atualmente.

“O Inpa desenvolve pesquisas em várias áreas, desde questões climáticas, agricultura sustentável até tecnologias sociais, que no seu conjunto podem ser aproveitadas para se ter desenvolvimento com base sustentável na região. A questão central é conseguirmos ter ressonância com os políticos quando vão construir os caminhos para a Amazônia”, destacou o coordenador de Pesquisas do Inpa, o pesquisador Paulo Maurício Alencastro.

Ponto de não retorno

De acordo com a pesquisadora do Inpa, Maria Teresa Fernandez Piedade, empresários, políticos e tomadores de decisão precisam entender que a devastação da Amazônia está chegando a um ponto de não retorno, e que isso será prejudicial para todos. Há fortes componentes atuando no desmatamento em níveis muito altos, juntamente com mudanças climáticas globais e ainda uma ação continuada de fogo.

Estudos mostram que a floresta já foi desmatada em 20%, e se aumentar mais cinco pontos percentuais vai perder sua resiliência, alterando o ciclo hidrológico de maneira irreversível – ponto de não retorno, conforme artigo publicado na revista “Science Advances” assinado pelo professor da George Mason University, nos Estados Unidos, Thomas Lovejoy, que participou do workshop via vídeo, e o coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas, o brasileiro Carlos Nobre.

“Esse conjunto de pressões, que antigamente não se considerava como interagindo nos modelos, agora mostra que com 25% de desmatamento da região algumas partes da Amazônia vão atingir um ponto no qual a cobertura vegetal será transformada em um tipo de vegetação mais aberta e pobre em espécies, no processo chamado de savanização. E esse processo não vai ser revertido de forma banal”, alerta Piedade, que é coordenadora do projeto Pesquisa Ecológica de Longa Duração – Ecologia, Monitoramento e Uso Sustentável de Áreas Úmidas (Peld/Maua).

Na parte central da Amazônia, onde se encontra Manaus, há previsões de modelos climáticos que mostram que a temperatura pode aumentar 5°C até 2050.

Valor econômico dos serviços ambientais

O Brasil não recebe compensação financeira pelos serviços ambientais que a Amazônia realiza. Só os serviços ambientais produzidos na América do Sul são estimados em 14 trilhões de dólares. “Não há dúvidas de que, do ponto de vista econômico, o vapor de água que a Amazônia processa e se transforma em chuva irrigando as culturas de soja no Mato Grosso, culturas de alimento no Rio Grande do Sul, Goiás e em São Paulo, todo esse serviço ambiental vale trilhões de dólares”, afirmou o pesquisador Paulo Artaxo.

Nas próximas décadas, as previsões são de alterações profundas no planeta que afetarão a economia do mundo, e o Brasil precisa se adaptar para esse novo cenário, segundo os cientistas, com a implementação de políticas públicas, melhorando a sustentabilidade, e implantando outras matrizes energéticas como solar e eólica, para as quais o Brasil tem grande potencial.

“Hoje a mais importante dessas políticas é reduzir a taxa de desmatamento da Amazônia que está em cerca de 8 mil quilômetros quadrados por ano, quando era há três anos de 4,5 mil quilômetros quadrados por ano. Essa taxa está aumentando e precisamos urgentemente reduzir o desmatamento na Amazônia até chegar ao desmatamento zero, e isso é possível”, destacou Artaxo.

Foto principal: Sidney Oliveira/Agência Pará/Fotos Públicas