GOBAM realiza LIVE Solidária da Independência em benefício de crianças, jovens e idosos

Nesta Semana da Pátria, em homenagem aos dias do Amazonas, da Amazônia e da Independência do Brasil, o Grande Oriente do Brasil Amazonas – GOBAM, liderado por seu grão-mestre Jurimar Collares Ipiranga, realiza uma transmissão ao vivo pelo canal Youtube, com quatro atrações musicais, neste domingo, dia 6 de setembro, às 15h (hora Manaus), para arrecadar doações para as instituições Paróquia N. Srª. Mãe de Misericórdia e Casa do Idoso São Vicente de Paula, as quais trabalham com crianças, jovens e idosos.

Zezinho Correa, Eloi Junior, Carlos Batata, maestro Moisés Rodrigues e a soprano Carol Martins estarão no palco do Auditório Gabriel Gentil, no Centro Cultural Povos da Amazônia – CCPA, para uma apresentação de duas horas de composições clássicas da Bossa Nova, da música erudita, e da regionalidade do Norte e Nordeste brasileiros, para homenagear as datas nacionais e incentivar as doações às instituições de caridade, a serem feitos pelas contas bancárias informadas durante o evento. A LIVE Solidária da Independência será transmitida também pelo Portal Rede Colmeia, um sistema de integração de maçons, cunhadas e sobrinhos, que tem alcance nacional e internacional.

O líder da ordem maçônica no Amazonas, grão-mestre Jurimar Ipiranga, destaca que, entre inúmeras ações que o GOBAM realiza, também dedica ações sociais às comunidades carentes, asilos, abrigos de pessoas com deficiências, ribeirinhos, indígenas, vítimas de incêndios urbanos, entre outros grupos em vulnerabilidade. “Assim como hoje, estamos aqui buscando auxilio para crianças que não podem ser deixadas para trás, esquecidas nas ruas de Manaus, jovens que precisam de oportunidades e para idosos que necessitam de atenção e amparo”, enfatizou o grão-mestre.

História

A presença da maçonaria no Amazonas remonta ao final do século 19, e o Grande Oriente do Brasil Amazonas, o GOBAM, teve sua fundação formal em 4 de março de 1979, relembra o grão-mestre. “Ao longo da nossa história, temos dado nossa parcela de contribuição na condução do aprimoramento humano e na construção de nossa sociedade, fincada no coração da Amazônia, assim como ao longo de décadas, a Maçonaria tem participado de importantes movimentos de emancipação da nação e dos brasileiros”, ressaltou.

Na abolição da escravatura – que no Amazonas ocorreu 4 anos antes da Lei Áurea -; na ascensão da República; nos esforços da Segunda Guerra Mundial; nas lutas pela redemocratização do país; e nas grandes lutas sociais contra a fome e a miséria humana;  bem como na atual pandemia do novo coronavirus, são algumas das contribuições da ordem no país. Especialmente, enfatiza Jurimar Ipiranga, nessa data histórica da Independência do Brasil, em que celebram 198 anos da maçonaria brasileira.

Jurimar Ipiranga pontua que são duas datas magnas da ordem no Brasil: a de fundação do GOB, em 17 de junho 1822, quando liderados pelos irmãos de ordem José Bonifácio de Andrada e Silva e Joaquim Gonçalves Ledo, tiveram papel preponderante no fortalecimento pela independência do país; e o Dia do Maçom, em alusão à memorável reunião maçônica de 20 de agosto do mesmo ano, quando Joaquim Ledo pediu a emancipação política brasileira e no seguinte 7 de setembro, às margens do rio Ipiranga, o então príncipe regente D. Pedro I – iniciado na ordem como Irmão Guatimozim -, declarou de fato a Independência do Brasil.

Doações

Na LIVE Solidária da Independência, realizada pelo GOBAM neste dia 6 de setembro de 2020, às 15h (Hora Manaus), pelo seu canal na plataforma do Youtube, as pessoas podem fazer suas doações para os programas sociais coordenados pelo Padre Leudo e irmã de ordem Rose Kadoshi, da Paróquia N. Srª. Mãe de Misericórdia, localizada na Rua Dom Pedro I, 1370 – Compensa 1, por meio de sua conta bancária na Caixa Econômica Federal, Agência: 2980, Conta Corrente: 00000130-8, CNPJ: 04.026.811.0022-47. E para a Casa do Idoso São Vicente de Paula, localizado na Rua Jerônimo Ribeiro 14, bairro de São Raimundo, em sua conta bancária no Bradesco, Agência: 0320-4, Conta Corrente: 0428014-8, CNPJ: 04.162.681/0001-45.

O grão-mestre do GOBAM ressalta que ao longo da história mundial da Maçonaria, sempre foram chamados ao trabalho de construção de uma sociedade justa, igualitária, livre e fraterna. “E no Brasil do século 19, quando foi erigido o Grande Oriente do Brasil, o GOB, não foi diferente; como agora no século 21 também nos apresentamos ao auxílio fraterno”, frisou.

Serviço

LIVE Solidária da Independência
Data: 6 de setembro de 2020
Hora: 15h (Hora Manaus)
Canal: Youtube > Grande Oriente do Brasil Amazonas-AM

Atrações:
Zezinho Correa
Maestro Moisés Rodrigues
Soprano Carol Martins
Eloi Junior
Carlos Batata

Doações para:
Paróquia N. Sra. Mãe da Misericórdia
CAIXA Econômica Federal
Agência: 2980
Conta Corrente: 00000130-8
CNPJ: 04.026.811.0022-47

Casa do Idoso São Vicente de Paula
Bradesco
Agência: 0320-4
Conta Corrente: 0428014-8
CNPJ: 04.162.681/0001-45

Rede Mulher Empreendedora distribui 10 milhões de máscaras em todo o país

O projeto “Heróis Usam Máscaras”, uma parceria entre Bradesco, Itaú e Santander, que tem como objetivo gerar renda e ajudar no combate à pandemia da Covid-19, distribui gratuitamente 10 milhões de máscaras em todo o país. Coordenada pelo Instituto Rede Mulher Empreendedora (IRME), a iniciativa contou com a participação de 5 mil costureiras de 20 estados. O projeto foi concebido pelo Instituto BEI, por meio de parceria com o Governo do Estado de São Paulo.

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, destacou que a iniciativa cria oportunidades concretas para o exercício do empreendedorismo entre milhares de integrantes da cadeia produtiva do setor têxtil.

“Mais que um conceito, este projeto é uma realidade que transforma vidas e desperta novas possibilidades. Por isso, estamos orgulhosos em participar deste movimento que faz inclusão social e traz empoderamento”, apontou ele. “Esse círculo virtuoso nasce na indústria têxtil, ganha capilaridade nas máquinas de costura operadas por milhares de micro e pequenas empreendedoras em 20 estados e obtém como resultado a proteção de milhões de brasileiras e brasileiros nesta pandemia. A união de forças entre iniciativa privada, poder público, comunidades e sociedade neste projeto é um exemplo de como, juntos, podemos encontrar caminhos para a superação das adversidades”, completou.

Para Candido Bracher, presidente do Itaú Unibanco, o esforço conjunto do setor bancário potencializa iniciativas como esta, alcançando mais pessoas em todo o país. “O momento pede medidas urgentes e a colaboração de todos. Nós, do Itaú Unibanco, continuaremos engajados em iniciativas como esta, que ajudam a amenizar os efeitos sociais da pandemia, e na construção de redes de solidariedade”, disse.

“Estamos direcionando o potencial empreendedor brasileiro para a produção de equipamentos que minimizam o risco de contágio pelo coronavírus. Seguiremos firmes no compromisso de apoiar a sociedade de todas as formas possíveis, tanto com soluções de negócios quanto no reforço à capacidade de enfrentar os impactos da pandemia em nosso país”, afirmou Sérgio Rial, presidente do Santander.

Distribuição

As máscaras produzidas pelo projeto Heróis Usam Máscaras serão entregues a ONGs, prefeituras e governos dos estados. Até o momento 58 instituições em 12 estados já receberam e estão organizando a distribuição para a população. Entre elas estão a Cruz Vermelha Brasileira no Rio de Janeiro (500 mil máscaras), a Secretaria de Assistência Social da Prefeitura de Campina Grande, na Paraíba (55 mil) a Prefeitura de Manaus, no Amazonas (27 mil), e a Prefeitura de Niterói, no Rio de Janeiro (110 mil).

Nos próximos dias as Secretarias de Saúde e órgãos de assistência do governo do Pará, Paraná, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Pernambuco e Ceará receberão as máscaras, somando um total de 3 milhões de unidades do acessório de segurança que se tornou um dos mais importantes na prevenção à pandemia. A ONG Amigos do Bem, além do Médicos Sem Fronteiras, serão parceiros para o escoamento da produção.

Em Manaus-AM, a doação de 27 mil máscaras foi feita em 22 de julho passado, como parte da Campanha #ManausSolidária, da Prefeitura de Manaus, por meio do Fundo Manaus Solidária, presidido pela primeira-dama Elisabeth Valeiko Ribeiro. “Essa entrega é muito importante: de um lado nós tivemos a distribuição de renda, para que as costureiras produzissem as máscaras; e do outro lado a população, que vai receber a doação”, destacou.

Mesmo com a diminuição do número de casos confirmados do novo coronavírus na cidade de Manaus, enfatiza a primeira-dama, o Fundo Manaus Solidária continua com o trabalho de arrecadação de doações de alimentos e kits de higiene. Até o momento já foram distribuídas 10 mil máscaras para servidores municipais que estão na linha de frente (exceto da Saúde, que segue outro protocolo). As outras 17 mil máscaras serão distribuídas para pessoas em vulnerabilidade, juntamente com os kits da campanha #ManausSolidária.

Geração de Renda

Segundo Ana Fontes, fundadora da RME e presidente do IRME, um projeto como este, que gera renda em toda cadeia, é fundamental para o momento que estamos vivendo, e solidariamente ajuda as pessoas que precisam, mas não possuem acesso a uma máscara.

O Instituto RME, criado em 2017, é o braço social da Rede Mulher Empreendedora – RME, apoiado em valores como igualdade de gênero, oportunidade para todos, educação, capacitação acessível e colaboração social. O foco é capacitar mulheres em situação de vulnerabilidade social em todo o Brasil e ajudá-las a conseguir autonomia sobre suas vidas e seus negócios.

“É um projeto que gera renda para as pessoas que produzem os tecidos, os insumos, instituições que estão apoiando as costureiras e, ainda, ajuda na ponta quem não tem condições de comprar uma máscara. As pessoas e entidades têm um papel fundamental de apoio nesta pandemia”, disse.

Mulheres

Um dos objetivos do projeto é a geração de renda para mulheres em situação de vulnerabilidade social. Costureiras que em outros locais recebiam apenas R﹩ 0,30 por máscara receberam em média R﹩ 1,34 por unidade produzida.

O projeto Heróis Usam Máscaras contou com a participação de 62 organizações da Sociedade Civil que administram o trabalho de 5.983 costureiras e costureiros, sendo que os homens representam 2%. Pessoas do Brasil inteiro participaram divididos da seguinte forma: 122 pessoas da região centro Oeste, 684 no Nordeste, 140 na região Norte, 80 pessoas do Sul e 4.957 da região Sudeste do País.

Segundo a costureira Márcia Oliveira Ferro, moradora do município de Mirador Negrão, no interior de Alagoas, o projeto foi fundamental e de grande ajuda. “Na minha casa somos em quatro adultos e uma criança. Eu fazia parte de um projeto de bolos, que parou com a pandemia. A renda produção das máscaras era o que tínhamos para o nosso sustento. A cada máscara que eu fazia eu pensava em como o meu trabalho era importante para outras pessoas e contribui para ajudar salvar vidas”, disse ela.

“O projeto foi transformador, mudou a minha vida e de todas mulheres que participam”, diz Talita Furigo dos Santos, da cidade de São Paulo. “O projeto me mostrou que não é impossível ajudar alguém quando realmente se quer ajudar. Eu estou muito feliz de ter participado desse projeto. Ele foi uma ponte para o meu futuro”, contou.

A costureira Gracilene Feitosa Trajano, de Manaus, no Amazonas, sempre trabalhou em projetos com voluntárias, no entanto, com a pandemia ficou desempregada. “Para mim, participar do projeto foi fundamental. Fiquei sem trabalho durante a pandemia e com o dinheiro que ganhei com a produção das máscaras consegui me manter”, explicou.

Fotos: Divulgação/IRME

Lacc lança carta aberta à sociedade com pedido de ajuda para a manutenção de projetos

A Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc) assinou, por meio de sua diretoria, uma carta aberta à sociedade amazonense, com um pedido de ajuda para a manutenção de seus projetos sociais. A ONG, que atua no Amazonas  há 65 anos, está passando por dificuldades financeiras, agravadas pela pandemia do novo coronavírus, que tem afetado instituições do terceiro setor, levando à queda na arrecadação. “Estamos correndo o risco de termos que suspender parcialmente alguns auxílios por falta de recursos, deixando vários pacientes sem o suporte que precisam para continuarem os tratamentos oncológicos”, explicou a presidente da entidade, Marília Muniz.

De acordo com ela, apesar de ser uma instituição sem fins lucrativos, a Lacc depende de doações para manter suas ações sociais, tais como a doação mensal de cestas básicas a pacientes de baixa renda que lutam contra o câncer, o custeio de aluguéis sociais, o transporte de pacientes à Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) para a realização de tratamento de radioterapia e quimioterapia, o fornecimento diário de lanches às pessoas em tratamento hospitalar, o custeio de passagens terrestres e fluviais aos que moram no interior e em outros estados e estão em tratamento em Manaus e, finalmente, o suporte às ações assistenciais e de prevenção da FCecon.

“Cedemos um carro para auxiliar as equipes do Serviço de Terapia da Dor e Cuidados Paliativos da FCecon, que atendem os pacientes FPTs (Fora de Possibilidade Terapêutica), em casa, fazendo o controle da dor e dando mais dignidade a essas pessoas que estão na fase final da vida”, ressaltou o vice-presidente da Lacc, médico mastologista Jesus Pinheiro.

Toda a diretoria da ONG é composta por voluntários que apoiam a causa e que, de alguma forma, ajudam a manter o projeto vivo. “A Lacc tem uma hospedaria em sua sede (rua Padre Manuel da Nóbrega, Dom Pedro, Manaus), pronta para receber pacientes em situação de vulnerabilidade social durante o período em que são submetidos à terapia. Mas, embora ela tenha sido inaugurada há alguns anos, ainda não foi ativada por falta de recursos. É muito triste saber que algumas pessoas abandonam o tratamento por não terem onde ficar quando vêm a Manaus”, frisou Pinheiro.

A Lacc trabalha com doações através de seu site (www.laccam.org.br), call center (92-2101 4900), depósitos ou transferências bancárias ( especificações: Liga Amazonense Contra o Câncer – LACC CNPJ: 04.499.182/0001-48 Banco: Bradesco / Agencia: 0482-0 / Conta Corrente: 691.017-3) e boleto bancário ( https://lacc.doaeacao.com.br ). 

Foto: divulgação

Páscoa Solidária levará acolhimento a pacientes com câncer da rede pública estadual de saúde

Com a proximidade da Páscoa, feriado cristão que celebra a ressurreição de Cristo, a Rede Feminina de Combate ao Câncer do Amazonas (RFCC-AM), entidade filantrópica, convida a população a exercitar a solidariedade, através de mais uma campanha, que recebe o apoio da Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc). O foco, desta vez, é a arrecadação de caixas de chocolates, que serão destinadas a cerca de 300 pacientes oncológicos de baixa renda em tratamento na rede pública de saúde do Estado, explicou a diretora da RFCC-AM, Tammy Cavalcante.

A Páscoa Solidária, que acontece anualmente, há mais de dez anos, tem o objetivo de reforçar o acolhimento e a humanização no ambiente hospitalar, com a entrega de chocolates a pacientes em situação de vulnerabilidade social, que lutam contra o câncer, e estão acamados na Fundação Cecon. Para doar, basta entregar as caixas de chocolate na sede da Lacc (rua Padre Manuel da Nóbrega, Dom Pedro, atrás do colégio La Salle).

A atividade, que contará com a presença do tradicional coelhinho, personagem interpretado por um voluntário da ONG, está programada para o dia 17 deste mês, no horário da manhã. Durante a ação, kits de higiene pessoal também devem ser doados nos setores de Quimioterapia e internação, incluindo enfermarias compartilhadas para adultos e crianças. Também estão previstas apresentações musicais.

“Tudo para levar mais calor humano a essas pessoas, que precisam de apoio nessa fase difícil da vida e, quando mais carinho elas recebem, mais se sente fortalecidas e com as energias renovadas para enfrentar essa batalha”, destacou a diretora.

Tammy destaca que o fortalecimento da Política Nacional da Humanização em unidades hospitalares, como a FCecon, conhecida como referência em cancerologia em toda a Amazônia Ocidental, faz toda a diferença durante o tratamento. “Muitos pacientes passam por terapias prolongadas, o que faz com que fiquem meses dentro do hospital. As atividades voltadas à humanização ajudam também no reforço do vínculo entre as pessoas que lutam contra a doença e os profissionais que atuam na assistência”, explicou.

A atividade da RFCC-AM precede o feriado da Semana Santa, que começa na sexta-feira, 19. A Páscoa será comemorada dia 21 deste mês (domingo). Trata-se da principal celebração do ano litúrgico cristão e também a mais antiga e importante festa cristã.

Foto: divulgação

Lacc pede o apoio da sociedade para ampliar doações pela internet

Com o objetivo de fortalecer as ações de prevenção, apoio e assistência ao paciente oncológico na região Norte, a Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc), que completou 64 anos neste mês, enfrenta um de seus maiores desafios em 2019: garantir a adesão da sociedade à sua plataforma online (www.laccam.org.br). O canal foi criado especialmente para facilitar as doações à instituição através da internet e, assim, reforçar importantes projetos sociais, explica a presidente da entidade, enfermeira Marília Muniz.

Muniz assumiu a direção da ONG neste ano, em substituição ao mastologista Jesus Pinheiro, que atuou diretamente na melhoria das áreas financeira a administrativa da instituição, promovendo o equilíbrio econômico e a ampliação das ações e campanhas temáticas. 

“Com a recuperação econômica do País, que enfrentou nos últimos anos uma crise econômica devastadora, renovamos as esperanças de ampliação da nossa receita, contando com uma ferramenta que visa aproximar o contribuinte da instituição e, ao mesmo tempo, levar mais informação de qualidade sobre a prevenção ao câncer, focando nos principais fatores de risco ambientais e nas metodologias para o diagnóstico precoce da doença”, destacou Muniz.

De acordo com ela, atualmente, a maior parte da arrecadação da Lacc vem dos agendamentos via Call Center (telefone 92-21014900), cujo fluxo inclui um a equipe de mensageiros para buscar, pessoalmente, as doações nas residências ou locais pré-agendados pelos colaboradores.

“Apesar de ser nosso principal meio de captação de recursos, ainda é um processo caro para a instituição. Com o site, além de garantir uma ferramenta segura e prática, chamada PagSeguro, podemos ampliar, com alguns cliks, nossa área de arrecadação, antes restrita a Manaus”, explicou.

A Lacc registra, no Amazonas, mais de 100 mil atendimentos/ano, que incluem a destinação de lanches, diariamente, na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon); o custeio de aluguéis sociais e passagens fluviais e terrestres para pacientes de baixa renda; o transporte de pessoas em tratamento de radioterapia ou quimioterapia na rede pública; a entrega de cestas básicas e/ou alimentação especial para pacientes em situação de vulnerabilidade; o suporte às ações e campanhas de prevenção desenvolvidas no Estado e às atividades assistenciais do Serviço de Terapia da Dor e Cuidados Paliativos da Fundação Cecon, entre outros.

Foto: divulgação