“Pantanal: vida, morte e renascimento” em coleção de imagens do bioma

No Dia do Pantanal, nesta quinta-feira, 12 de novembro, o WWF-Brasil lança uma exposição internacional de fotos da maior planície úmida do planeta. O conceito da coleção de imagens é mostrar o bioma em três momentos cruciais vividos em 2020: em seu esplendor, durante as queimadas e na fase subsequente, quando o bioma tenta se recuperar. “Pantanal: Vida, Morte e Renascimento” acontece em ambiente virtual e, portanto, está acessível à população dos três países pelos quais o bioma se estende: Brasil, Bolívia e Paraguai.

A exposição reúne imagens poderosas e emblemáticas da riqueza da biodiversidade e sua emocionante resiliência capturadas pelas lentes de renomados fotógrafos brasileiros, bolivianos e paraguaios, como Araquém Alcântara, André Zumak, Nathália do Valle e Reynaldo Leite Martins Júnior (Brasil), Alejandro de los Rios e Stefflen Reichle (Bolívia) e Lourdes Matoso Mendez e Tatiane Galluppi Selich (Paraguai).

Pantanal ferido e queimado em sua soberania expõe urgência de soluções

Em seu conjunto, as 24 fotos narram a tragédia que se abateu na região pela conjunção da ação da natureza, na forma da maior seca já registrada desde 1973, com a ação humana, que iniciou os incêndios. Embora exaustivamente expostas pela imprensa, as imagens do período de queimadas ainda são uma forte denúncia da exploração insensata da natureza – denúncia esta que se torna ainda mais forte frente ao contraste de como o bioma se encontrava antes das queimadas.

Mas a exposição visa também ressaltar a capacidade regenerativa do Pantanal e a consequente importância de preservação desse bioma nos próximos anos, notadamente as áreas destruídas em 2020. No acumulado dos dez meses deste ano, 4,2 milhões de hectares foram queimados no Pantanal, equivalentes a quase um terço do bioma – uma área que agora precisa de tempo para se recompor. Diversas imagens da exposição mostram que esse renascimento já começou e alimentam a esperança de que o Pantanal recupere sua pujança.

Esperança e renascimento no rosto do povo pantaneiro

A exposição também mostra a resiliência dos povos da região. A brasileira Nathália do Valle optou por mostrar os rostos das pessoas que moram no bioma como símbolo de esperança e renascimento. Tatiane Galluppi Selich, por sua vez, retratou um mito da cultura Yshir Ybytoso, que só existe no Pantanal paraguaio e que, assim como o bioma, está ameaçado.

Para os Yshir, Nemurt é um ser poderoso que representa o equilíbrio do mundo através da bengala que ele segura sobre os ombros: se ele ficar cansado e o abaixar, os seres humanos deixarão de existir. A fotógrafa incluiu esta imagem para mostrar a necessidade de respeito pela cultura e tradições ancestrais, que também precisam ser preservadas.

A exposição é realizada em parceria com a Sciacco Studio (https://www.instagram.com/sciaccostudio/) e ficará disponível de 12/11 a 27/11 na plataforma https://bit.ly/ExpoPantanal


Tatiana Galluppi / WWF-Brasil

Araquem Alcântara / WWF-Brasil

Nathallia do Valle / WWF-Brasil

Wagner Moura e Greenpeace lançam animação sobre a destruição das florestas para a produção de carne

Greenpeace se uniu ao ator Wagner Moura para dar sequência ao primeiro filme produzido pela ONG, um alerta do orangotango Rang-Tan, com a atriz Emma Thompson, na sensação viral Rang-tan. O novo filme destaca a onça pintada ‘Jag-wah’ em denúncia do impacto devastador que a produção industrial de carne está tendo em florestas como a Amazônia.

“Tem um monstro na minha cozinha” conta a história de um menino que aprende sobre o desmatamento que está devastando florestas como a Amazônia, casa da onça. Com o animal, o menino explora como a carne em nossas cozinhas está alimentando o desmatamento de florestas e como reduzir a carne nas prateleiras dos supermercados, nos cardápios de fast food e em nossas próprias cozinhas pode ajudar a resolver isso. O vídeo foi feito pela agência de criação Mother e produzido pelo premiado estúdio Cartoon Saloon.

Confira o vídeo:

“Existem poucos lugares mais incríveis e preciosos na terra do que florestas como a Amazônia. No entanto, as pessoas muitas vezes não sabem que muitas das carnes e laticínios em nossas geladeiras estão ligadas aos incêndios e motosserras que estão devastando a Amazônia e outras florestas importantes. As grandes empresas de carnes continuam derrubando nossas florestas em um ritmo surpreendente. Precisamos agir antes que seja tarde demais”, afirma o ator Wagner Moura.

Os incêndios de 2019, na Amazônia, chamaram a atenção da mídia, mas a temporada de incêndios de 2020 viu novos recordes em toda a linha. Somente nos 20 primeiros dias de outubro, foram mais de 12 mil focos de incêndio na Amazônia. No acumulado do ano são 88.804 focos, apenas 372 focos a menos do total registrado em todo o ano passado. Em comparação ao mesmo período do ano passado, houve alta em 211%.

O Cerrado também registra aumento de 86% em comparação ao mesmo período do ano passado. São 11.946 focos de incêndio. Mas o número mais alarmante e aterrador não é da Amazônia e tampouco do Cerrado, e sim, a do Pantanal. Neste mesmo período de 2019, foram registrados 525 focos de incêndio. Neste ano, o Bioma registrou 2.667 focos de incêndio, uma diferença de 408%. Mesmo faltando dez dias para o término do mês, os três Biomas já queimaram mais que o mês de outubro inteiro do ano passado.

A onça pintada está presente em quase todos os biomas do Brasil, especialmente nos três biomas comprometidos pelas queimadas: Amazônia, Cerrado e Pantanal

“A carne é o maior promotor do desmatamento em todo o mundo. Esta animação é muito importante para expormos o futuro de nossas florestas. Em menos de 20 anos, a Amazônia pode entrar em colapso e isso está sendo impulsionado pela falta de ações das grandes empresas de carne para evitar que animais vindos de áreas desmatadas e queimadas cheguem para os consumidores. Os efeitos da política antiambiental do governo Bolsonaro são confirmados pelo aumento dos índices de desmatamento e violência no campo, com resultados negativos também para a economia do país”, ressalta Rômulo Batista do Greenpeace Brasil.

“Estou muito satisfeito por trabalhar neste filme de importância crucial com o Greenpeace. Essa luta nunca foi mais urgente. Juntos, podemos enfrentar as empresas industriais de carne que estão destruindo nossas preciosas florestas e os governos, como o meu no Brasil, que fazem conluio com eles. Espero que este filme inspire muitos a se juntarem à nossa missão de proteger as florestas”, completa Wagner.

O vídeo tem apoio da Meat Free Monday, a campanha lançada por Paul, Mary e Stella McCartney que visa aumentar a conscientização sobre o impacto ambiental prejudicial da pecuária.

Sinopse > ‘Tem um monstro na minha cozinha’ é uma poderosa história de terror de um garotinho que encontra um ‘monstro’ assustador em sua cozinha – um enorme jaguar. Dublado pelo aclamado ator brasileiro Wagner Moura (que interpretou Pablo Escobar em Narcos), ‘Jag-wah’ revela que está aqui para alertar o menino. Os verdadeiros monstros são, na verdade, as empresas industriais de carne queimando sua casa na floresta e destruindo habitats naturais para cultivar ração animal. A constatação de que a carne industrial é a maior causa do desmatamento global leva o menino a decidir “comer mais plantas e vegetais” e a “lutar contra esses monstros para que nosso planeta se renove”.

Fotos e Vídeo: Greenpeace | Divulgação

Fórum Virada Sustentável debate hoje sobre Amazônia e Pantanal

Nesta quarta-feira, dia 14 de outubro, encerra a programação do Fórum Virada Sustentável 2020, que neste ano foi toda promovida virtualmente pela 10ª Virada Sustentável SP, fato que ampliou a possibilidade de participação do público para além de São Paulo. São dois painéis para debater e nos fazer refletir sobre o meio ambiente: às 14h, tem a conversa Biomas em foco – soluções e desafios para a preservação – Especial Pantanal; e logo após, às 15h, uma edição especial do Batata Quente para discutir a atual situação da Amazônia.

O painel Biomas em foco tem participação de Rui Chammas, CEO do ISA CETEEP; Cel. Ângelo Rabelo, fundador do Instituto Homem Pantaneiro; e Esteban Payán, diretor regional da Panthera na América do Sul. No painel Batata Quente, o cartunista Caco Galhardo, o jornalista Matthew Shirts e a escritora Giovana Madalosso entrevistam o ambientalista Virgílio Viana.

Virgílio Viana é superintendente Geral da Fundação Amazonas Sustentável | FAS

Última Semana

O Fórum da 10ª Virada Sustentável SP está em sua última semana, que pela primeira vez em sua história teve 1 mês de programação, com proposta de um modelo híbrido, adaptado para a pandemia. Totalmente gratuitas, as atividades do Fórum foram realizadas através de transmissão online ao vivo, com tradução em Libras, permitindo que o público de fora de São Paulo pudesse participar de todos o evento.

Ao longo das cinco semanas de programação, passaram pelo Fórum diversos profissionais que abordaram questões de como podemos pensar em um futuro que une desenvolvimento e sustentabilidade. A economista Kate Raworth, criadora do conceito Economia Donut, e o arquiteto William McDonoughcoautor do Cradle to Cradle (Berço ao berço), participaram da primeira semana do evento, e juntos reuniram mais 20 mil pessoas em suas palestras virtuais.

A Virada

A 10ª Virada Sustentável SP, reconhecido como o maior evento de sustentabilidade do Brasil, envolve articulação e participação direta de organizações da sociedade civil, órgãos públicos, coletivos de cultura, movimentos sociais, equipamentos culturais, empresas, escolas e universidades. O evento, que gera ampla visibilidade às iniciativas e debates positivos e inspiradores da cidade, que refletem temas como biodiversidade, cidadania, mobilidade urbana, água, direito à cidade, mudanças climáticas, bem-estar, consumo consciente e economia verde, entre outros, teve mais uma vez a parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Entre os dias 16 de setembro e 18 de outubro, em todas as regiões da cidade de São Paulo e nas plataformas virtuais, a Virada Sustentável 2020 apresentou uma programação inteiramente gratuita com instalações, projeções, grafites, cinema, intervenções, programação de bem-estar, além do Fórum Virada Sustentável.

Fórum Virada Sustentável 2020 I Meio Ambiente

• Biomas em foco | Soluções e desafios para a preservação – Especial Pantanal > Um debate aberto sobre como conservação da biodiversidade, desenvolvimento local e emergência climática são temas interligados e qual o papel dos diferentes atores envolvidos.

Convidados
Esteban Payán – Diretor Regional – Panthera na América do SulCel.
Ângelo Rabelo – Instituto Homem Pantaneiro
Rui Chammas – CEO ISA CTEEP

Mediação: Dal Marcondes

Data: 14/10
Horário: 14h às 15h
Local: Transmissão ao vivo online
Inscrição pelo site da Virada Sustentável > http://www.viradasustentavel.org.br

• Batata Quente especial na Virada Sustentável entrevista Virgílio Viana > Será discutida a situação da Amazônia através de rodadas de perguntas do jornalista Matthew Shirts, do cartunista Caco Galhardo e da escritora Giovana Madalosso ao ambientalista Virgílio Viana.

Anfitrião | Fervura no Clima
Convidado | Virgilio Viana – FAS

Entrevistadores
Matthew Shirts
Caco Galhardo
Giovana Madalosso

Data: 14/10
Horário: 15h às 16h
Local: Transmissão ao vivo online
Inscrição pelo site da Virada Sustentável > http://www.viradasustentavel.org.br

Foto Ilustração: Fotos Públicas|Bruno Kelly|Amazônia Real
Foto Virgílio Viana: Divulgação