Escritora amazonense promove pré-venda do livro “Carrego meus furos comigo”

O livro “Carrego meus furos comigo”, da escritora amazonense Susy Freitas, composto por três blocos de 13 poemas, aborda a relação entre a mulher e a violência física, psicológica, simbólica na cidade de Manaus (AM). E nesta semana inicia a campanha de pré-venda em financiamento realizado pela Editora Urutau. A obra foi escolhida em uma seleção nacional realizada pela editora paulista no primeiro semestre de 2020, que periodicamente recebe originais em busca de novos autores para seu catálogo. 

Esse é o terceiro livro lançado por Susy Freitas. Ela já publicou “Véu sem voz” pela editora mineira Bartlebee em 2015, e “Alerta, Selvagem”, pela paulista Patuá em 2019, que também foi o vencedor do Prêmio Literário Cidade de Manaus em 2018 na categoria poesia.

A maior diferença de “Carrego meus furos comigo” em relação às obras anteriores da autora é o diálogo com referências mais específicas, que vão da mexicana Xitlalitl Rodríguez Mendoza, passando pelas americanas Eileen Myles e Patti Smith, além da atenção às questões de gênero como norteadoras do cotidiano. A orelha de “Carrego meus furos comigo” fica por conta de Camila Assad, escritora e tradutora paulista que venceu o Prêmio ProAC por “Desterro”, lançado pela Editora Macondo. 

Em tempos de pandemia do novo Coronavírus, a pré-venda de “Carrego meus furos comigo” pela editora acontece online, no site https://benfeitoria.com/furos. E visa atingir a meta mínima para dar início à impressão da obra. Assim, os leitores podem colaborar com valores que vão de R$20,00 a R$200,00, tendo direito a recompensas como o recebimento do livro em casa, além de pôsteres, edições autografadas e outras obras da editora independente que já publicou um vencedor do Prêmio Jabuti (o livro de poesia Identidade, de Daniel Francoy). Após a fase de pré-venda, “Carrego meus furos comigo” também estará à venda no site da Urutau: http://editoraurutau.com.br/.

Susy e as letras

Susy Freitas, natural de Manaus – Amazonas, além de escritora, trabalha nas áreas de Comunicação e Educação no Ensino Superior. É autora dos livros de poesia “Véu sem voz” (Bartlebee, 2015) e “Alerta, Selvagem” (Patúa, 2019), além de ser uma das editoras da Revista Torquato, publicação online voltada à literatura e artes visuais. Também atua como crítica de cinema no site Cine Set, fazendo parte da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) e das Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema. Já publicou ensaios sobre o tema em livros da Abraccine e organizou, com o jornalista Caio Pimenta, o livro “Cine Set e a crítica de cinema no Amazonas” (Casa Literária, 2019).

Serviço
O quê: pré-venda do livro “Carrego meus furos comigo”
Quando: até meados de outubro
Quanto: investimento a partir de R$20,00
Link: https://benfeitoria.com/furos

Foto: Marcelo Moraes | Divulgação

Livro do AmazonFACE explica riscos das mudanças climáticas para a Floresta Amazônica

“O maior risco que essa floresta corre é a falta de conhecimento sobre ela”. A afirmação é do pesquisador da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e presidente do comitê científico do Programa AmazonFACE, David Lapola, durante lançamento do livro “Floresta em risco – as mudanças climáticas destruirão a Floresta Amazônica?”, no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC).

A obra do AmazonFACE (Free Air CO2 Enrichiment, sigla em inglês para Enriquecimento por gás carbônico ao ar livre) foi escrita por Lapola e pelo jornalista norte-americano Daniel Grossman, com fotos de João Marcos Rosa e ilustrações de Rogério Lupo. O AmazonFACE é um Programa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) executado pelo Inpa, que busca entender como o funcionamento da floresta amazônica, a maior floresta tropical do mundo, vai responder ao aumento da concentração de dióxido de carbono (CO2), um dos principais gases responsáveis pelo efeito estufa na atmosfera.

“É isso [falta de conhecimento] que assola essa floresta, em vista da mudança do clima; é a gente não saber, ter pouca evidência, pouco estudo e ciência em relação à como a floresta amazônica vai se comportar com relação às mudanças climáticas”, disse Lapola, que é ecólogo com doutorado em modelagem do Sistema Terrestre.

Com uma linguagem acessível ao grande público, a obra explica o problema das mudanças climáticas globais, e detalha a abordagem científica do programa AmazonFACE, sua justificativa, métodos e perguntas científicas. O programa é realizado na Estação Experimental de Silvicultura Tropical ZF-2 do Inpa, 50 quilômetros ao norte de Manaus, na rodovia BR-174 (Manaus/AM-Boa Vista/RR).

Para o jornalista americano, o grande desafio na produção do livro foi trazer o conhecimento relacionado ao AmazonFACE e seu desenho experimental, de uma maneira simples para o para o publico. “Isso demandou muita reflexão sobre o texto do livro. Por exemplo: o experimento não vai simular exatamente como será o futuro, vai simular apenas um aspecto que é a mudança de concentração de gás carbônico na atmosfera, e em cima disso o pessoal do AmazonFACE vai incorporar outras informações de como o clima responde em diferentes processos ecológicos da floresta”, explicou Grossman.

A ideia do livro nasceu de uma conversa comum técnico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) com a equipe do programa, dentro de caminhonete no retorno da visita ao sítio experimental. Na ocasião o técnico sugeriu ao programa investir na divulgação daquele conhecimento para o grande público. A equipe abraçou a ideia e foram produzidos um vídeo sobre o projeto, esse livro publicado agora, e a exposição “Amazônia e Mudanças Climáticas: um futuro em fotos, ilustrações e ciência”, que ficou cinco meses em cartaz, no Paiol da Cultura do Inpa. A proposta é levar a exposição para outras cidades do país, como Campinas (SP) e Brasília (DF).

A obra de 64 páginas teve uma primeira tiragem de 500 exemplares, com distribuição gratuita de 20% durante o lançamento no dia 6 fevereiro para aqueles que se inscreveram. O restante será distribuído para universidades e algumas escolas de ensino médio da região amazônica. A versão e-book do livro está disponível no site do programa AmazonFACE.

Savanização

Este ano a hipótese de savanização da Amazônia completará 20 anos. Ela foi
uma das justificativas para a existência do AmazonFACE. Para Lapola, a possibilidade de a floresta amazônica perder 50%, 60% ou até 80% de sua área por causa de mudanças do clima deveria estar deixando os governos dos países amazônicos “de cabelo em pé”, mas não está principalmente por causa das incertezas científicas relacionadas ao possível efeito de fertilização por CO2.

“Então, a floresta está em risco? Está sim, vinte anos se passaram e até hoje o nosso nível de certeza em relação a essa hipótese ainda está ‘no ar’. Por isso destaco a questão das incertezas cientificas, pois quanto mais estudos tivermos, mais vamos reduzir essas incertezas sobre o futuro, e caso um futuro ruim estiver nos aguardando lá na frente, se tivermos um bom nível de conhecimento agora, conseguiremos preparar a sociedade para esse futuro”, alertou o pesquisador.

AmazonFACE

Atualmente o programa tem seu foco em experimentos feitos em arvoretas do sub-bosque da floresta (plantas pequenas de até três metros de altura) em câmeras de topo aberto (uma estrutura metálica com revestimento de polipropileno) de 2,4 metros de diâmetro e 3 metros de altura, que são um passo intermediário para o experimento do tipo “FACE” com árvores adultas, na escala do ecossistema.

A proposta central do programa é construir um aparato experimental de enriquecimento por CO2 ao ar livre, que vai aspergir CO2 na floresta madura por dez anos, por meio de pulverizadores que estarão pendurados em 16 torres de 35 metros de altura, uniformemente espaçadas ao redor do perímetro de cada parcela florestal, para saber como ela reage. Para essa infraestrutura do experimento são necessários pelo menos R$ 6 milhões.

Carlos Alberto Quesada, pesquisador do Inpa e gerente do AmazonFACE: clima mais seco resultará em impactos socioeconômicos muito grandes

Nos últimos 30 a 40 anos, a temperatura média na Amazônia aumentou em média 0.7°C, um impacto relevante grande. Pelas projeções do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), a Amazônia terá um aumento na temperatura de 2°C a 6°C até 2100, um cenário que requer preocupação agora e exige melhores previsões do que pode acontecer, segundo os cientistas.

“Isso vai influenciar a floresta, talvez leve a uma grande mortalidade da floresta. Com o clima mais seco e tudo isso podemos ter perda de floresta, impactos na agricultura, na saúde das pessoas, na geração de energia, impactos socioeconômicos muito grandes”, disse o gerente executivo do AmazonFACE, o pesquisador do Inpa Carlos Alberto Quesada.

O mesmo gás que aumenta a temperatura, o CO2, é a base da fotossíntese. Então, o experimento AmazonFACE busca saber se esse gás, que é o substrato para o funcionamento da floresta, se não vai ter um “lado bom também”, que seria tornar a floresta mais resistente a secas, ajudá-la a crescer mais, ou se a “retenção de água nas plantas diminuiria a evapotranspiração, desacelerando o motor hidrológico de reciclagem das chuvas amazônicas, o que acabaria por realimentar a estiagem”. Se encontrar esse “lado bom”, isso daria uma salvaguarda para todos, dando tempo maior de preparação para lidar com as mudanças e os seus impactos.

“A gente quer fazer um experimento no campo em que simule o aumento numa concentração de CO2 na atmosfera que é prevista para ser alcançada com as emissões de gases de efeito estufa pela humanidade entre 2050 e 2100”, explica Quesada. “Isso vai nos ajudar a tentar entender hoje o impacto que mudanças do clima e a elevação de CO2 terá na floresta do amanhã. Aí a gente vai começar a poder se preparar para evitar o impactos socioeconômicos, ter políticas públicas e tentar reverter esses impactos”, completou.

Financiamento e Apoio

Iniciado em 2011, o AmazonFACE envolve diretamente cerca de 50 pesquisadores, bolsistas e estudantes de várias instituições brasileiras e do exterior, mas o número dobra se contadas todas as colaborações mais pontuais. Até o momento o programa já obteve cerca de R$ 7 milhões, incluindo a primeira fase e o início desta fase 1.5, intermediária entre o início do experimento de larga-escala.

Até o momento o programa já recebeu financiamento do MCTIC, BID, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), Fundação Alemã de Pesquisa (DFG) e Instituto Serrapilheira.

Foto: Cimone Barros/Ascom Inpa

AmazonFACE lança livro no Inpa sobre riscos das mudanças climáticas para a Floresta Amazônica

O programa AmazonFACE lançará no dia 6 de fevereiro o livro “Floresta em risco – as mudanças climáticas destruirão a Floresta Amazônica?”, de autoria do jornalista norte-americano Daniel Grossman e do pesquisador da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e presidente do comitê científico do programa, David Lapola. O evento acontecerá às 16h, no Paiol da Cultura do Bosque da Ciência do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), que fica na rua Bem-te-vi, s/nº, Petrópolis, zona Sul de Manaus.

O AmazonFACE (Free Air CO2 Enrichiment) é um Programa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) executado pelo Inpa, que busca entender os impactos das mudanças do clima e do aumento de gás carbônico atmosférico sobre a maior floresta tropical do mundo.

De acordo com o Lapola, o livro discute como as mudanças climáticas podem afetar a Floresta Amazônica, tendo o programa AmazonFACE como pano de fundo para abordar o tema através fotos, ilustrações e textos em linguagem não-científica, em português e inglês. O AmazonFACE lançou recentemente um estudo na conceituada revista PNAS (periódico científico editado pela Academia de Ciência dos Estados Unidos) mostrando que uma possível savanização da floresta Amazônica causada por mudanças climáticas impactaria vários diferentes setores da sociedade na região.

“Portanto, o assunto é de interesse do grande público, tanto no Brasil como no exterior, e não apenas uma peça de curiosidade científica. Levar esse assunto para a sociedade, sobretudo a Amazônica, é dever dos cientistas do programa”, explica o ecólogo David Lapola.

As fotos do livro são de autoria do fotógrafo de natureza João M. Rosa, desenhos do ilustrador biológico Rogério Lupo e prefácio pelo jornalista da Folha de S. Paulo, Marcelo Leite.

A obra foi produzida com recursos destinados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e será distribuída gratuitamente aos 100 primeiros participantes que se cadastrarem no endereço https://goo.gl/forms/LlIdpG2MQufP1eio2 para participar do lançamento.

Participarão do lançamento os autores do livro Daniel Grossman, David Lapola e o fotógrafo João Rosa. A abertura contará com uma breve palestra proferida pelos autores sobre o processo de produção do livro. Uma pequena parte do conteúdo do livro vem sendo exibida desde setembro último no próprio Paiol da Cultura com a exposição “Amazônia e Mudanças Climáticas – um futuro em fotos, ilustrações e ciência”, que segue até 10 de fevereiro.

O livro de 64 páginas teve uma primeira tiragem de 500 exemplares e, após o evento, será distribuído para universidades e escolas de ensino médio da região amazônica. A versão e-book do livro estará disponível no site do programa AmazonFACE.

SERVIÇO

Assunto: Lançamento do Livro “Floresta em Risco” de D. Grossman e D. M. Lapola

Data: 06/02/2019 (quarta-feira)

Horário: 16h

Local: Paiol da Cultura do Bosque da Ciência do Inpa. Endereço: rua Bem-Te-Vi, s/nº, Petrópolis, Manaus-AM

Foto: João Marcos Rosa/AmazonFACE

Livro mostra como lidar com a ansiedade emocional comum às festividades de Ano Novo

Compras de presentes, ceia, decoração, local de encontro com a família… Todas essas questões começam a surgir com a proximidade do fim de ano e, com isso, o estresse. O peso do “Ano novo, vida nova” e a certeza de que as coisas “tem que mudar” geram ansiedade, medos e angústias que são tratadas no livro “Stop Ansiedade”, lançamento de Amanda Dreher pelo selo Luz da Serra Editora.

A obra surge como um guia definitivo para sair do ciclo da ansiedade emocional, abrangendo temas como o melhor caminho para controlar a ansiedade, como evitar explosões emocionais ou a apatia, bem como agir para tomar decisões certas. Dreher apresenta um mapa para o que chama de “Caminho da Serenidade”, explorando cinco passos: conhecer, limpar, acreditar, realizar e agradecer, que formam o “método CLARA” para superar a ansiedade.

Amanda Dreher é escritora best-seller, especialista em yoga e meditação, terapeuta holística, coach e palestrante. Sua especialidade é desmistificar a meditação e mostrar que ela é possível (e necessária) para pessoas comuns que vivem no mundo moderno cheio de agitação. Sua missão de vida é mostrar que é possível acalmar a mente e equilibrar as emoções com apenas oito minutos do seu dia e que esta é a chave para a saúde, felicidade e harmonia nos relacionamentos. Cofundadora do site Feliz com Você (felizcomvoce.com.br), seus vídeos no YouTube já contam com mais de 2,2 milhões de visualizações – número com base na data da publicação do livro – e mais de 115 mil pessoas que acompanham o seu trabalho pelo blog, além de milhares de alunos. Criou o Método Meditar Transforma, no qual aplica a sabedoria milenar do oriente em conjunto com estudos da ciência do ocidente de forma prática, para que qualquer um, independentemente de idade, sexo ou condição de vida atual, consiga aplicar a meditação de forma leve e profunda.

Dicas

– Seja gentil consigo mesmo: não viva tentando agradar todo mundo; não se cobre demais, não busque ser perfeita, não queira ser aceita.

Exemplo: Não pense que fazer do natal o momento perfeito depende só de você, as pessoas que irão participar devem contribuir também. Os presentes devem estar dentro das suas possibilidades e o que importa é o amor e a energia que dispensa no mimo.

– Concentre-se nas coisas boas: pare de reclamar; aumente a sua vibração com aquilo que é bom e proveitoso.

Exemplo: Não reclame da maionese que saiu salgada, o que vale é a lição e os momentos juntos.

– Não esteja ausente do presente: você se preocupa com o que fez o ano inteiro e demais com o que fará no ano que vem, assim esquece que o agora é que faz a diferença.

Exemplo: em novembro, a ideia é que o ano acabou e você não foi à academia (remói o passado). Além disso, acha que ano que vem não vai conseguir (preocupado com o futuro), então a solução é: comece agora!

Ficha técnica

Título: Stop ansiedade – O Guia Definitivo Para Você Sair do Ciclo da Ansiedade Emocional

Número de páginas: 200 páginas

Preço: R$ 49,90

Foto: Divulgação