ONG busca doações para o resgate da autoestima de pacientes que lutam contra o câncer

Para ampliar as ações voltadas ao resgate da autoestima de mulheres portadoras do câncer de mama, a Rede Feminina de Combate ao Câncer do Amazonas está em busca de doações que financiem a confecção de sutiãs com enchimento, os quais serão destinados, no dia 6 de julho, a pacientes pré-selecionadas pelo Serviço Social da Fundação Cecon, durante uma atividade que receberá o apoio da Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc).

A meta é arrecadar pelo menos R$ 2 mil para a compra de insumos para a produção, explica a presidente da Rede, Tammy Cavalcante. De acordo com ela, as doações podem ser feitas através da vakinha virtual da ONG (https://www.vakinha.com.br/vaquinha/dia-das-criancas-rede-feminina-de-combate-ao-cancer-amazonas), ou, via transferência bancária (Banco Sicoob, Código 756, Agência 3352, Conta Corrente 138-4, CNPJ: 07.154.473/0001-92).

“Serão entregues 20 sutiãs com próteses e mais 20 próteses individuais. A idéia é confeccionar, inicialmente, pelo menos 80 peças, a serem doadas gradativamente, durante as atividades de acolhimento das pacientes oncológicas”, explicou Tammy.

As próteses que irão compor os sutiãs para mulheres mastectomizadas (que perderam parcialmente ou completamente as mamas), serão confeccionadas por voluntárias da Rede Feminina e o tecido para o bojo foi doado pela Tapajós Tecido, parceira no projeto.  Os demais materiais precisam ser custeados, como silica gel, malha para a capa protetora, enchimentos e afins.

O câncer de mama é o segundo em incidência no Amazonas e o primeiro no mundo. Tammy explica que o procedimento de mastectomia é, em geral, muito traumático às pacientes e acaba afetando a autoestima e muitas vezes, o equilíbrio psicológico, além do convívio social. Apesar de uma parte delas optar pela cirurgia de reconstrução da mama, a grande maioria acaba não se submetendo a esse procedimento. E as próteses artesanais são o pontapé inicial para superar esse obstáculo.

“Trabalhamos também outras ações voltadas ao resgate da vaidade, com voluntárias de cursos de estética, que ajudam com cortes de cabelo, escovação, manicure, maquiagem, depilação, entre outros serviços. Temos um espaço dedicado exclusivamente a essas ações, na sede da Lacc (Dom Pedro), que funciona através de agendamento. É uma forma de mostrarmos que essas pacientes não estão sozinhas e também de reforçar a humanização durante o tratamento contra o câncer, que é longo e muito difícil”, explicou.

Foto: divulgação

Lacc lança carta aberta à sociedade com pedido de ajuda para a manutenção de projetos

A Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc) assinou, por meio de sua diretoria, uma carta aberta à sociedade amazonense, com um pedido de ajuda para a manutenção de seus projetos sociais. A ONG, que atua no Amazonas  há 65 anos, está passando por dificuldades financeiras, agravadas pela pandemia do novo coronavírus, que tem afetado instituições do terceiro setor, levando à queda na arrecadação. “Estamos correndo o risco de termos que suspender parcialmente alguns auxílios por falta de recursos, deixando vários pacientes sem o suporte que precisam para continuarem os tratamentos oncológicos”, explicou a presidente da entidade, Marília Muniz.

De acordo com ela, apesar de ser uma instituição sem fins lucrativos, a Lacc depende de doações para manter suas ações sociais, tais como a doação mensal de cestas básicas a pacientes de baixa renda que lutam contra o câncer, o custeio de aluguéis sociais, o transporte de pacientes à Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) para a realização de tratamento de radioterapia e quimioterapia, o fornecimento diário de lanches às pessoas em tratamento hospitalar, o custeio de passagens terrestres e fluviais aos que moram no interior e em outros estados e estão em tratamento em Manaus e, finalmente, o suporte às ações assistenciais e de prevenção da FCecon.

“Cedemos um carro para auxiliar as equipes do Serviço de Terapia da Dor e Cuidados Paliativos da FCecon, que atendem os pacientes FPTs (Fora de Possibilidade Terapêutica), em casa, fazendo o controle da dor e dando mais dignidade a essas pessoas que estão na fase final da vida”, ressaltou o vice-presidente da Lacc, médico mastologista Jesus Pinheiro.

Toda a diretoria da ONG é composta por voluntários que apoiam a causa e que, de alguma forma, ajudam a manter o projeto vivo. “A Lacc tem uma hospedaria em sua sede (rua Padre Manuel da Nóbrega, Dom Pedro, Manaus), pronta para receber pacientes em situação de vulnerabilidade social durante o período em que são submetidos à terapia. Mas, embora ela tenha sido inaugurada há alguns anos, ainda não foi ativada por falta de recursos. É muito triste saber que algumas pessoas abandonam o tratamento por não terem onde ficar quando vêm a Manaus”, frisou Pinheiro.

A Lacc trabalha com doações através de seu site (www.laccam.org.br), call center (92-2101 4900), depósitos ou transferências bancárias ( especificações: Liga Amazonense Contra o Câncer – LACC CNPJ: 04.499.182/0001-48 Banco: Bradesco / Agencia: 0482-0 / Conta Corrente: 691.017-3) e boleto bancário ( https://lacc.doaeacao.com.br ). 

Foto: divulgação

Campanhas educativas são importantes aliadas no combate ao câncer

Você sabia que o tabagismo potencializa o desenvolvimento de diversos tipos de câncer? E que consumir com frequência alimentos ricos em gordura saturada, bebidas alcoólicas e ter uma vida sedentária também? São informações de conhecimento público, mas que só chegaram ao alcance da população por força das ações de sensibilização e campanhas educativas de apoio à causa. Isto por que, hoje, o câncer é uma das doenças que mais matam no Brasil e no mundo. Apesar disso, afirmam especialistas, ele pode ser evitado em uma parcela significativa dos casos “esporádicos”.

A presidente da Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc), enfermeira Muniz, explica que os cânceres esporádicos são aqueles provocados, especialmente, por fatores externos. Entre os movimentos que buscam chamar a atenção para a prevenção, estão: ‘Outubro Rosa’, ‘Novembro Azul’, ‘Setembro Dourado’, ‘Julho Verde’ e o caçula da lista, o ‘Março Lilás’, introduzido ao calendário oficial do Amazonas, recentemente, para chamar a atenção para a necessidade de se prevenir as neoplasias malignas de colo uterino, que figuram no topo da lista em incidência quando se trata da população feminina no Estado.

Nos últimos 20 anos, destaca Marília Muniz, os movimentos sociais, ONGs e afins, passaram a fortalecer as campanhas educativas, de modo que a informação chegasse às escolas, empresas, órgãos públicos e privados, metodologia que acabou ampliando a repercussão das ações e chamando a atenção das autoridades.

“Hoje, tentamos trabalhar, com o apoio da mídia e de diversos parceiros, diversas temáticas ao longo dos anos, para que o processo seja contínuo e estimule cada vez mais a sociedade a participar”, frisou Muniz.

Ela explica que entre as campanhas estão: o Março Lilás (sensibilização sobre o câncer de colo de útero), Julho Verde (câncer de cabeça e pescoço), Setembro Dourado (câncer infanto-juvenil), Outubro Rosa (câncer de mama), Novembro Azul (câncer de próstata) e Dezembro Laranja (câncer de pele). Além disso, em meses alternados, são trabalhadas as prevenções a outros tipos de neoplasias malignas, como as de colorretal, cerebral, pulmão, entre outras.

Conscientização

“Acreditamos que só assim, conseguiremos atingir o maior número de pessoas. As ações têm efeito a longo prazo. A idéia é criar agentes multiplicadores e levar as novas gerações a compreenderem que o tabagismo, o alcoolismo, a indústria de fast foods, entre outros, ajudam a compor um grupo de fatores de risco. É mais: há evidências científicas suficientes para garantirmos que sozinhos ou combinados, esses fatores aumentam as chances de se desenvolver inúmeros tipos de cânceres, os quais chamamos de provocados”, alertou Muniz.

A Lacc participa ativamente das campanhas de prevenção no Amazonas, em parceria com o Departamento de Prevenção e Controle do Câncer (DPCC) da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado (FCecon), além de outros parceiros. O trabalho é financiado pelas doações da população à ONG, que também desenvolve projetos sociais de apoio a pacientes oncológicos de baixa renda. As contribuições podem ser feitas pelo portal www.laccam.org.br ou pelo telefone (92) 2101-4900.

Foto: Divulgação

Lacc registra quase 40 mil auxílios no primeiro quadrimestre de 2018

A Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc) registrou, no primeiro quadrimestre deste ano, 39,8 mil auxílios de naturezas diversas, voltados ao bem estar de quem luta contra a doença. O grupo contemplado inclui moradores do Estado e de pelo menos outras 10 unidades da federação, que buscam atendimento especializado em Manaus, e precisaram do suporte da entidade de cunho filantrópico. O principal foco está nos pacientes de baixa renda.

Entre os projetos mantidos pela Lacc, estão: o fornecimento diário de lanches a portadores de neoplasias malignas em tratamento na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon); o custeio de aluguéis sociais; a destinação de kits de suplemento alimentar para pessoas que necessitam de dietas especiais durante a quimioterapia; a entrega de cestas básicas sortidas a famílias cadastradas com a ajuda do Serviço Social do Cecon; o pagamento de passagens fluviais e terrestres para quem vem do interior; o suporte às ações de prevenção e cuidados paliativos da Fundação Cecon, entre outros.

O presidente da ONG, mastologista Jesus Pinheiro, explica que, apesar do número significativo de auxílios, a entidade ainda precisa ampliar sua área de atuação, acompanhando a demanda crescente que busca o Amazonas para tratamentos multidisciplinares ofertados no Estado. Um dos principais objetivos, é colocar em funcionamento sua hospedaria, localizada na sede da ONG (rua Padre Manuel da Nóbrega, Dom Pedro, zona Centro-Oeste de Manaus), que está montada e mobiliada há dois anos, pronta para receber pacientes oriundos de outras localidades, mas não tem onde ficar. Para isso, é preciso aumentar em, pelo menos, R$ 100 mil a arrecadação mensal, de modo a arcar com os custos de limpeza, alimentação, lavanderia e manutenção em geral.

Hoje, a Lacc concede uma ajuda de custo, no valor de R$ 300, a pacientes cadastrados no programa de Aluguéis Sociais. Cerca de 40 ajudas foram destinadas, no primeiro quadrimestre deste ano, somando R$ 12 mil em recursos aplicados só nesse projeto.

Para ativarmos nossa hospedaria, adotamos um processo de sensibilização da sociedade, buscando adesão à causa. Lembramos que a doação de valores é fundamental para darmos prosseguimento a todos os nossos projetos sociais. E, sendo assim, buscamos ferramentas que facilitem a doação, tais como nosso portal na internet (www.laccam.org.br), que conta com a ferramenta PagSeguro; e o nosso call center (092- 2101-4949 e 4900), através do qual, é possível programar a doação. Também colocamos à disposição da população, nossa conta bancária, para transferências em tempo real (conta corrente 691017-3, agência 0482-0, Bradesco, CNPJ 044991820001-48). Toda ajuda é bem vinda, principalmente em tempos de crise”, frisou.

Jesus Pinheiro destaca que a ONG optou por divulgar, sempre que possível, os dados estatísticos da instituição, como forma de dar mais transparência ao processo de doação e aplicação de recursos. Além dos 40 aluguéis registrados no quadrimestre, a Liga Amazonense distribuiu cerca de 39,4 mil lanches matutinos na FCecon, forneceu 16 kits de suplemento alimentar (custo variando de R$ 168 a R$ 300, cada) e ajudou na aquisição de alguns materiais específicos para a unidade hospitalar.

Entre todos os nossos projetos, temos um carinho especial pelo Café da Manhã da Lacc, que, através de uma equipe de voluntários e profissionais da entidade, distribui, todos os dias, no ambulatório da FCecon, café com leite quentinho, pães e biscoitos para as pessoas que vão em jejum para o atendimento ambulatorial. É uma forma de trabalharmos o acolhimento e também de demonstrarmos amor ao próximo, reforçando que essas pessoas podem contar com a nossa solidariedade”, concluiu Pinheiro.