Exposição “Nipetirã” é recorde de visitação e terá catálogo virtual

A Coletiva reúne mais de 130 obras de arte de 4 artistas indígenas e foi visitada por mais de 10 mil pessoas, na Galeria do Largo, em Manaus-AM

Um pouco mais de 10 mil pessoas visitaram a exposição Nipetirã, que ficou em cartaz durante 4 meses e meio na Galeria do Largo, no Largo de São Sebastião, Centro de Manaus-AM. Aberta em outubro de 2019 para marcar as comemorações do Governo do Amazonas pelos 350 anos da cidade de Manaus, a exposição “Nipetirã” (que significa “todos” na língua Tukano) apresentou a cultura ancestral amazônica por meio de 130 obras de arte de quatro artistas indígenas – Dhiani Pa’saro (etnia Wanano), Duhigó (etnia Tukano), Sãnipã (etnia Apurinã/Kamadeni) e Yúpuri (etnia Tukano). Um catálogo virtual e imagens da exposição poderão ser vistas futuramente na internet.

A exposição apresentou um projeto expográfico que contemplou quatro ambientes artísticos com murais pintados nas paredes da Galeria do Largo e que expressam o imaginário, a mitologia, o cotidiano e a ambiência destes artistas dentro suas etnias. Além dos murais, a mostra exibiu 54 obras – entre pinturas e quadros de marchetaria – e 72 esferas de acrílica sobre ouriço de castanha-do-Pará, exibidas em uma instalação em formato de totem na parte central da exposição.

Nipetirã: Carlysson Sena, Duhigó, Yúpuri, Sãnipã e Dhiani Pa’saro

Promovida pela Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, em parceria com a Manaus Amazônia Galeria de Arte, a exposição teve entrada gratuita e é um sucesso de público. Os artistas expositores que já possuem projeção nacional puderam com a exposição serem um pouco mais conhecidos pela cidade. “A arte amazônica é, de fato, um presente para quem pode apreciá-la. É uma honra poder apresentar em um dos espaços da SEC uma exposição totalmente feita por artistas indígenas, que representam uma face importante do nosso povo”, destacou Marcos Apolo Muniz, secretário da cultura e economia criativa.

Para Carlysson Sena, fundador da Manaus Amazônia Galeria de Arte, a exposição foi um marco importante, pois conectou a população aos quatro artistas que estão salvaguardando suas culturas, por meio das artes visuais. Criou também um elo de conhecimento e amor de quem visitou, com a arte contemporânea produzida na Amazônia e com a temática amazônica. “Vamos eternizar a exposição por meio de um catálogo virtual e imagens em vídeo que irão compor um passeio pela exposição, como se ela nunca tivesse sido encerrada. Este material está em produção pela Manaus Amazônia Galeria de Arte e estará disponível no site da galeria em breve”, avaliou Carlysson.

Ancestralidade

O diretor da Galeria do Largo e curador da exposição, Cristóvão Coutinho, explicou que a parceria com a Manaus Amazônia Galeria de Arte e a Galeria do Largo, proporcionou ao espaço expositivo oportunidades inúmeras, em que a sociedade tomou conhecimento de sua relação existencial com uma produção artística concebida por artistas que tem em seu DNA elementos culturais dos povos indígenas da Amazônia. “A mostra possibilitou aproximações de concepções estéticas, nesse momento de inserção da identidade de nossas ancestralidades, e foi perceptível a imersão dos visitantes na proposta curatorial da Nipetirã”, completou Coutinho.

Na proposta curatorial, a artista Sanipã trouxe as esferas/ouriços e pintou grafismos das etnias das quais descende – Apurinã e Kamadeni – que resgatam a memória desses povos, caracterizando o ambiente sobre o universo. Duhigó preparou um ambiente que fala sobre a casa, com pinturas sobre as pedras do município de São Gabriel da Cachoeira, sua terra natal, e trazendo referências de sua mitologia Tukano. Dhiani Pa’saro pintou o ambiente sobre o sagrado, com representações de rituais, o pajé, a música e instrumentos sagrados dos Wanano. Já Yúpuri fez o ambiente sobre o mundo, com grafismos e pinturas que refletem sobre sua identidade inserida no mundo contemporâneo.

Duhigó, artista plástica da etnia Tukano, batizou o nome da exposição com um nome indígena que é muito significativo, pois une o trabalho de artistas de diversas etnias. “Nipetirã somos todos nós artistas indígenas, que buscamos trazer de volta aquilo do passado que ainda tem em nossa imaginação e que nós queremos mostrar para que as pessoas possam conhecer, apreciar e pesquisar”, diz a artista que, junto com Dhiani Pa’saro, está também em exposição nacional coletiva e itinerante intitulada “VaiVém”, nos Centros Culturais Banco do Brasil de São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte – reunindo 113 artistas com obras de arte sobre as redes de dormir brasileiras.

Todos Artistas

Sanipã (significa “Caba”, um tipo de vespa) nasceu em 31 de outubro de 1979, na região do Caetitu, localizada no município de Lábrea, nas margens do rio Purus, Amazonas. Em 2005, formou-se no curso de Pintura da Escola de Arte do Instituto Dirson Costa de Arte e Cultura da Amazônia, em Manaus. Tornou-se a primeira indígena da etnia Apurinã e Kamadeni a se profissionalizar nas artes visuais. Atualmente vive e trabalha em Manaus e Lábrea. Em sua arte, expressa a cultura dos dois povos que descende: Apurinã e Kamadeni. Em suas telas e suportes derivados da floresta, há os grafismos, artefatos, rituais e o imaginário que envolve sua vivência como indígena da Amazônia. Sãnipã resgata a memória de sua tribo e de seu povo, com leituras e releituras da estética indígena.

Sanipã é a primeira indígena da etnia Apurinã e Kamadeni a se profissionalizar nas artes visuais

Dhiani Pa’saro (nome que significa “Pato do Mato”, na língua indígena Wanano) é um índio da etnia Wanano e nasceu em 23 de fevereiro de 1975, na aldeia Tainá, no município de São Gabriel da Cachoeira, na região do Alto Rio Negro. É filho de pai Wanano e mãe Kobéua. Veio para Manaus aos 23 anos e formou-se em Pintura e Marchetaria na Escola de Arte do Instituto Dirson Costa de Arte e Cultura da Amazônia, em 2007 e 2008. É o primeiro indígena da etnia Wanano a se profissionalizar nas artes visuais. Fala fluentemente as línguas indígenas Wanano, Kobéua e Tukano. Em suas telas, Dhiani expressa, principalmente, a cultura primitiva e ancestral da Amazônia na cosmovisão indígena, dentro de uma expressão poética original e muito própria de um artista que vê na arte a possibilidade de salvaguardar a memória ancestral de seu povo Wanano.

Dhiani revela a cultura primitiva e ancestral da Amazônia na cosmovisão indígena

Duhigó (significa “primogênita”, na língua indígena Tukano) nasceu em 02 de março de 1957, na aldeia Paricachoeira, município de São Gabriel da Cachoeira, região do Alto Rio Negro. É filha de pai Tukano e mãe Dessana (etnias amazônicas). Mora em Manaus desde 1995. Concluiu o curso de Pintura na Escola de Arte do Instituto Dirson Costa de Arte e Cultura da Amazônia, em 2005, tornando-se a primeira indígena da etnia Tukano a se profissionalizar nas artes visuais. Em suas telas, expressa, principalmente, a cultura ancestral da Amazônia na cosmovisão indígena.

Duhigó tem produção artística continua e já participou de exposições no Brasil e no exterior

Também costuma representar em seus trabalhos o cotidiano próprio das “nações” indígenas, seus artefatos e elementos mitológicos. Sua prioridade é registrar a memória dos índios Tukano, assim como a natureza amazônica presentes em sua memória afetiva. Fala fluentemente as línguas indígenas Tukano, Dessana e Tuyuka, além do português. Desde 2005, Duhigó possui uma contínua produção artística que já lhe rendeu exposições no Brasil e no exterior. Em 2009, o Governo do Amazonas presenteou o presidente da Fifa, Joseph Blatter, com sua obra “Pote Tukano”, durante a campanha para a cidade de Manaus se tornar sub-sede da Copa do Mundo de 2014.

A pintura de Yúpuri tem como característica poética os registros de rituais, o cotidiano caboclo e indígena da Amazônia

Yúpury (significa “o primogênito da nação Tukano da 3ª geração”, na língua Tukano) nasceu em Porto Velho, Rondônia, no dia 15 de julho de 1987, filho de mãe Tukano e pai baiano. Em 2007, concluiu o curso de Pintura na Escola de Arte do Instituto Dirson Costa de Arte e Cultura da Amazônia, em Manaus. Filho da artista Duhigó sempre acompanhou sua mãe no ofício das artes visuais, desenvolvendo o seu próprio estilo. Atualmente, Yúpury encontra na arte uma terapia e uma forma de contribuir para que os hábitos e costumes de sua etnia Tukano sejam preservados. O que antes era uma memória guardada na oralidade indígena passa a ser eternizado pela arte visual do artista. Sua pintura tem como característica poética os registros de rituais, o cotidiano caboclo e indígena da Amazônia, bem como os elementos mitológicos dos índios tukano em diálogo com a contemporaneidade.

Texto e Fotos: Manaus Amazônia Galeria de Arte/Divulgação

Ações de rastreio e informação pautaram o Novembro Azul no Amazonas

Durante o último mês, médicos urologistas membros da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), realizaram, no Brasil, ações voltadas ao rastreio do câncer de próstata, além de uma extensa programação que incluiu palestras, rodas de conversa e orientação ao público, sobre temas ligados à saúde do homem. No Amazonas, o cirurgião urologista da Urocentro Manaus, Dr. Giuseppe Figliuolo, destaca que as atividades fizeram parte do cronograma do Novembro Azul, movimento que é realizado há cerca de dez anos no País, e que busca fortalecer a política de assistência ao público masculino, além de democratizar o debate acerta do tema.

Presidente da seccional da SBU no Amazonas, Figliuolo destaca que reuniu cerca de mil pessoas em palestras realizadas por ele, em parceria com o poder público e instituições privadas, além de participar de pelo menos duas ações assistenciais, com o atendimento médico de 220 homens na faixa etária de risco para o câncer de próstata (a partir dos 50 anos).

“O propósito da campanha, que ainda é muito recente no Brasil, é de chamar a atenção dos homens sobre a necessidade da realização do check-up médico, a partir dos 45 ou 50 anos, anualmente. Mas também, é de dialogar com o poder público, para ampliar a rede de assistência, com estruturas voltadas especificamente para o atendimento do público masculino”, destacou.

Figliuolo explica que os homens morrem mais cedo que as mulheres e são maioria na estatística de óbitos, o que aciona o alerta para a importância de políticas públicas de prevenção às doenças masculinas, em especial, às urológicas, que se não tratadas a tempo e da forma adequada, podem causar sofrimento prolongado e levar à morte precocemente.

“Um exemplo disso é o câncer de próstata, que tem previsão de 580 casos no Estado. A maioria desses diagnósticos deverá acontecer nas fases intermediária ou avançada da doença. Isso porque, culturalmente, os homens só procuram um médico quando sentem algum sintoma. E como o câncer é uma doença silenciosa, que só apresenta sinais quando já passou da fase inicial, muitos deles precisam passar por tratamentos invasivos e têm as chances de cura reduzidas”, explicou.

Para o especialista, essa realidade pode ser mudada com campanhas permanentes sobre o tema, a ampliação da assistência e o esclarecimento da população.

“Em 2019, o envolvimento das instituições públicas e privadas, da imprensa e da sociedade em geral, foi maior que nos anos anteriores. Mas, ainda precisamos reforçar a adesão, de modo a envolver, inclusive, o público feminino, tendo em vista que muitos homens só procuram ajuda médica quando são estimulados por suas mães, esposas ou filhas”, completou.

A campanha Novembro Azul é uma iniciativa da Sociedade Brasileira de Urologia e neste ano, adotou o tema “Seja herói da sua saúde”, para trabalhar as ações desenvolvidas em todo o Brasil. Segundo projeção mais recente do Instituto Nacional do Câncer (Inca), subordinado ao Ministério da Saúde (MS), o País registrará, em 2019, 68 mil novos casos de câncer de próstata.

Texto: Ana Carolina Barbosa
Foto: Divulgação

Manaus receberá 4,5 mil turistas em Temporada de Cruzeiros em Dezembro

Mais de 4,5 mil turistas chegarão a Manaus no mês de dezembro, dando continuidade à Temporada de Cruzeiros 2019/2020. A primeira das quatro embarcações previstas é o M/S Volendam, que chega à cidade no próximo domingo, 1º/12, às 9h, com aproximadamente 1,9 mil estrangeiros a bordo, entre passageiros e tripulantes.

Durante toda a temporada, os turistas são recepcionados por equipes da Prefeitura de Manaus, por meio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), e da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), com entrega de guias bilíngues e brindes promocionais.

O M/S Volendam deixará a capital na segunda-feira, 2/12, às 16h, com destino a Parintins, no interior do Amazonas. Em sua primeira vez na cidade, o navio receberá uma placa de boas-vindas para registrar a visita, e deve retornar a Manaus ainda em março de 2020.

Temporada de Cruzeiros

Ainda em dezembro, o M/S Insignia é o próximo da lista, com chegada marcada para o dia 4, às 9h. Depois do Natal, será a vez do M/S Seven Seas Mariner atracar em Manaus, no dia 26, onde ficará por um dia. Por último, o Viking Seas chega à cidade no dia 31 e parte no sábado, 1º/1.

Com programação diversificada, os visitantes conhecem atrativos turísticos do Centro Histórico, como o Teatro Amazonas, Palácio Rio Negro e Museu da Cidade de Manaus, e percorrem outras belezas naturais da região, como o Lago do Janauacá e o Encontro das Águas, além de experimentarem a gastronomia local e participarem de atividades culturais.

A Temporada de Cruzeiros 2019/2020 começou em novembro, e teve como primeiro navio a aportar o M/S Viking Sun, que trouxe mais de 1,3 mil viajantes e ficou por dois dias na cidade. Com encerramento previsto para abril de 2020, a temporada trará a Manaus 12 embarcações no total, em 16 visitas, com mais de 20 mil turistas a bordo.

Texto: Tiago Souza / Manauscult
Fotos: Leonardo Leão / Manauscult

Estudantes de Barreirinha transformam Amazônia em sala de aula e serão representantes do Brasil em conferência na Itália

Dados do Censo Escolar de 2018, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), apontam que 56% das escolas de Ensino Médio não têm laboratório de ciências. A Escola Professora Maria Belém, em Barreirinha (AM) – pequeno município localizado no coração da Amazônia – faz parte dessa estatística. Chamando a atenção para essa realidade, alunos do 3º ano do Ensino Médio pensaram em uma solução simples, porém extremamente criativa: levar a sala de aula para fora dos muros da escola. Era o início do projeto “Amazônia, um laboratório natural“, um dos premiados na 5ª Edição do Desafio Criativos da Escola, de 2019, iniciativa do Instituto Alana.

Com o objetivo de transpor os livros e dinamizar o tempo de estudo, cinco alunos se reuniram com o professor de biologia para propor alternativas para as atividades práticas na escola. Em pouco tempo, os jovens perceberam que tinham à disposição o maior laboratório natural do mundo: a Floresta Amazônica. Depois de se apropriarem dos temas que poderiam ser usados como fonte de estudos, 25 alunos viajaram de barco até a comunidade vizinha de São Francisco do Paraná do Moura. Lá, divididos em grupos, pesquisaram sobre diferentes temas, tais como os tipos de água, os habitat, as florestas primária e secundária, os aspectos das diversas plantas e os tipos de serpentes.

Além de evidenciar a falta de laboratório na escola, o sucesso da experiência transformou a percepção da turma e melhorou significativamente a absorção dos conteúdos de disciplinas como física, química e biologia. Durante todo o projeto, o grupo contou com o apoio do professor, que contribuiu com soluções para as dúvidas que surgiam e, posteriormente, ajudou na organização dos debates. A iniciativa foi multiplicada para outras turmas do “Maria Belém”, que se inspiraram no primeiro teste e passaram a ocupar outros espaços não formais e torná-los extensões das salas de aula.

De Barreirinha para Roma!

Agora, três estudantes e um professor orientador da iniciativa embarcam, em novembro, para Roma, na Itália, com a equipe do Criativos da Escola. Como parte da premiação deste ano, os sete grupos premiados participarão da Conferência Global “Eu Posso” (I Can) – com a presença do Papa Francisco, de artistas e demais lideranças mundiais – onde vão compartilhar suas experiências de protagonismo, empatia, criatividade e trabalho em equipe para outros 2 mil estudantes de todo o mundo. Além da imersão, o grupo ganhará também o valor de R$ 1.500 para o projeto e R$ 500 para o educador.

A novidade desta edição fica por conta da viagem de premiação ser internacional: uma imersão em Roma, na Itália, no final de novembro, irá reunir mais de 2 mil crianças e jovens de países integrantes do movimento Design for Change – do qual o Criativos da Escola faz parte.

“Os sete projetos representarão um movimento de crianças e jovens de todo o Brasil que nos apresentam a beleza e a força de soluções coletivas, inovadoras e solidárias para os desafios de seus territórios e para os problemas que mais os incomodam em suas realidades. Estamos muito felizes em divulgar estas iniciativas que irão mostrar para o mundo não só projetos incríveis, mas também a necessidade de olharmos para as questões abordadas por cada um deles e para os direitos que deveriam ser garantidos para toda a sociedade”, comemora o coordenador do Criativos da Escola, Gabriel Maia Salgado.

Sobre o Instituto Alana

O Instituto Alana é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que aposta em programas que buscam a garantia de condições para a vivência plena da infância. Criado em 1994, é mantido pelos rendimentos de um fundo patrimonial desde 2013. Tem como missão “honrar a criança”.

Foto: divulgação

Terceira Feira Internacional de Vinhos na Amazônica acontecerá nos dias 20 e 21 de agosto

Especialistas em vinhos e renomados sommelières são presenças confirmadas na 3ª edição da Feira Internacional de Vinhos na Amazônia (Fiva). Gabriela Monteleone e Mikaela Paim farão parte da programação técnica da feira junto com Carlos Cabral, Denise Rohnelt, Joachim Schnorr, Dayane Casal, o cardiologista Tales Esper e o consultor esportivo Leonardo Santos. A programação de palestras acontecerá dentro do espaço da Fiva na sala Merlot, agendada para os dias 20 e 21 de agosto das 14h às 18h30, no Centro de Convenções Vasco Vasques (avenida Constantino Nery – Chapada).

A paulistana Mikaela Paim está na área de gastronomia desde 2004, se formou sommelière de vinhos em 2007, e para sua formação em todas bebidas alcoólicas do mundo viajou mais de 30 países. Hoje, com mais de 28 especializações em vinho, é a única brasileira especialista em alcoólicos, água, chá, café e sommelière internacional de charutos. Também faz palestras, consultorias, eventos e empreende em restaurantes em São Paulo e participa de iniciativas em prol do vinho no Brasil, como Enobrasil, Provinho e diretora de Vinhos na Abraselsp.

Outro nome confirmado, Gabriela Monteleone, formada em Gastronomia pela Universidade Anhembi Morumbi, há 15 anos é sommelière, certificada pela Associação Brasileira de Sommeliers (ABS-SP). Atuou em casas renomadas em São Paulo como Ici Bistro, Pomodori e GERO (Grupo Fasano). É head sommelier e Wine Director do Grupo D.O.M., cuidando das operações dos restaurantes D.O.M. e Dalva e Dito. É professora na ABS-SP, elabora cartas de vinhos e harmonizações de menus para empresas e para as chefes de cozinha Bel Coelho e Gabriela Barreto.É certificada pelos órgãos franceses Interloire e BIVC como Ambassadrisse Officielle dos vinhos do Vale do Loire (FR).

Carlos Cabral estuda vinho desde 1969. É idealizador e fundador da 1ª Confraria de Vinhos do Brasil – a Sociedade Brasileira dos Amigos do Vinho (1980); membro das Confrarias dos vinhos da Bairrada, Alentejo, Madeira, Periquita (Portugal) e Saint Ubert (Espanha). É autor dos livros “A Presença do Vinho no Brasil”, “Porto: um Vinho e sua Imagem”, “A Mesa e a Diplomacia Brasileira”, “Dicionário Ilustrado do Vinho do Porto”, “Imagens da Diplomacia Brasileira” e “Ferreira, Imagem que Marca”. É consultor de Vinhos da rede Pão de Açúcar Supermercados e ainda tem o projeto de pesquisa do Vinho do Porto no Ciclo da Borracha da Amazônia.

Denise Rohnelt de Araújo é jornalista especialista em gastronomia e turismo, atuando na área gastronômica desde 1997.Gaúcha de Porto Alegre, vive em Roraima há 28 anos, mas está na região amazônica há 41 anos, se dividindo entre os estados do Amazonas, Roraima e, recentemente, Pará. Além do jornalismo, formou-se em cozinha e confeitaria internacional no Instituto Internacional de Artes Culinárias Mausi Sebess, em Buenos Aires, Argentina. Ainda é curadora de eventos gastronômicos como: Feira Rota do SaboRR em Boa Vista, Roraima, e três edições da Feira Internacional de Gastronomia Amazônica – Figa, em Manaus. Foi jurada no reality gastronômico MasterChef Rede BAND de TV.

Palestras

A Fiva vai iniciar sempre às 14h e encerrará às 18h30, na sala Merlot. No dia 20, as palestras serão com o sommelier Joachim Schnorr (AM) com o tema “Técnicas de Degustação”. Às 16h, Gabriela Monteleone falará de “Vinhos naturais: tendência ou contracultura?”. Às 17h, será a vez de Mikaela Paim ministrar “Imersão ao mundo do vinho”.

No segundo dia de feira, as palestras começam com o tema “Drinks com espumantes”, ministrada por Denise Rohnelt. Na sequência, a empresária Dayane Casal, o cardiologista Tales Esper e o consultor esportivo Leonardo Santos farão o workshop “Vinho e Saúde”. A palestra de encerramento será com Carlos Cabral, com o tema “O mercado brasileiro do vinho e o comportamento do consumidor”.

Espaço Gourmet

O participante, além do circuito de degustação com 250 rótulos de vinhos, ilhas de frios e pães inclusos no passaporte da Fiva, vai ter à disposição um espaço gourmet (por adesão) com o restaurante Sabor A Mi, no comando de Luciana Felicori, com serviço a la carte para aqueles visitantes que desejaram compor as harmonizações com vinhos e espumantes.

Empresas relacionadas ao mundo do vinho, música ao vivo, estacionamento amplo com serviço de vallet, espaço totalmente climatizado com conforto para o visitante da feira e localização privilegiada.

Os expositores confirmados são Adega Alentejana, Top Internacional, Zahil Importadora, Freixenet, Vinícola Casa Perini, Decanter, Lídio Carraro, Grand Cru, Cantu Importadora, Obra Prima, Ecovino, Nossa Senhora de Fátima Importadora, Vinícola Famiglia Valduga, Bodegas Wine, Inovini, La Pastina, Oiram, Anima Vi um e Bacozon, além da Amazon Explorers, Vinotage, Santa Cláudia, Novotempo, MRM Sistema, Fabiana Arquitetura, Senac, Amazonastur e o apoio institucional da Abrasel no Amazonas.

O passaporte para um dia custa R$ 149, e R$ 270 para os dois dias. Mais informações podem ser obtidas via e-mails contato@fivaamazon.com e fivaamazonia@gmail.com.

Foto: divulgação

Dor pélvica crônica impacta diretamente na qualidade de vida dos pacientes

Com duração de seis meses ou mais, a Síndrome da Dor Pélvica Crônica caracteriza-se por estar centralizada entre o abdome e o quadril e é considerada debilitante, além de vir acompanhada de grande impacto social e na qualidade de vida do paciente, podendo gerar depressão. Ela pode estar associada a doenças como prostatite, cistite e até à síndrome do cólon irritável e atinge tanto homens quanto mulheres, explica o cirurgião urologista da Urocentro Manaus, Dr. Giuseppe Figliuolo.

De acordo com ele, o problema é mais amplo e prevalente do que se pensa. A dor pélvica crônica pode ser provocada por problemas neurológicos, psicológicos, endrócrinos, gastrintestinais, urinários, ginecológicos ou no músculo-esquelético.

“Em parte dos casos urológicos, a prostatite, doença inflamatória que causa inchaço na próstata, é um dos fatores recorrentes. As cistites, que caracterizam-se por inflamações na bexiga, também podem causar o problema, se não tratada a tempo e de forma adequada”, destacou.

Já a síndrome do cólon irritável (distúrbio da motilidade intestinal) provoca dor abdominal constante, constipação (prisão de ventre), diarréia e cãibras na região pélvica. Por ter inúmeros fatores de risco, esse tipo de dor crônica é bastante comum na população.

Principais características

“Uma das principais características dessa dor, que se assemelha a uma cólica, é que sua intensidade é maior, levando o indivíduo a buscar ajuda médica, geralmente. Ela aumenta com o passar do tempo e pode ser tratada clinicamente ou cirurgicamente, dependendo do caso e da avaliação clínica”, frisou.

Na população feminina, o problema acomete entre 15 e 20% das mulheres em idade reprodutiva. “Na maioria dos casos, essas mulheres ou não recebem o diagnóstico ou nunca fizeram tratamento por que deixam de procurar um especialista. Por isso, reforçamos a necessidade de uma investigação mais aprofundada”, explicou Figliuolo.

No dos homens, a população acometida é, geralmente, de jovens ou pessoas meia-idade. Sabe-se, ainda, que a síndrome está associada a doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e, quando resulta em dor muito intensa, afeta o desempenho sexual e causar fadiga constante.

Nesse grupo específico, a dor pélvica crônica também ocorre durante o processo de ejaculação, ao urinar ou na eliminação das fezes, causa fluxo urinário lento ou obstrutivo, aumento da freqüência urinária, dor abaixo do umbigo, pressão ou desconforto.

Podem auxiliar no diagnóstico os exames laboratoriais (hemograma, exame de urina , PSA e etc) e exames de imagem ( ultrassonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética, entre outros).

Estruturas envolvidas

O especialista reforça que qualquer estrutura abdomino-pélvica pode estar envolvida, mas, destacam-se órgãos genitais, vasos sanguíneos, músculos e parede abdominal, além da bexiga, ureteres e intestino.

“É bom observar que qualquer sinal de dor pélvica deve ser analisado por um médico. Mas, se o problema persistir por meses, com desconforto na pelve, períneo ou genitália e as causas não são explicáveis – ou seja, não estão associadas a doenças como o câncer ou anomalias estruturais -, é preciso uma atenção maior”.

Foto: reprodução

Julho verde acende alerta sobre o câncer de cabeça e pescoço

As neoplasias malignas de boca (cavidade oral e orofaringe) são as que predominam na lista dos cânceres de cabeça e pescoço no Amazonas, somando 110 casos ao ano, conforme a última projeção do Instituto Nacional do Câncer (Inca), subordinado ao Ministério da Saúde (MS). Esse tipo de tumor é mais comum a partir dos 40 anos e tem relação direta com fatores de risco externos, como o tabagismo e o alcoolismo, mas também pode estar associado ao vírus HPV (Papilomavírus Humano), ao excesso de gordura corporal e à exposição ao sol (no caso dos lábios), explica a presidente da Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc), enfermeira oncológica Marília Muniz.

Conforme informações do Inca, o câncer de boca afeta lábios, gengivas, bochechas, céu da boca, língua e a região embaixo da língua. A parte posterior da língua, as amígdalas e o palato fibroso, compõem a orofaringe.

O cirurgião de cabeça e pescoço, Fábio Bindá, esclarece que quando individualizados os grupos por sexo, predomina na população masculina o câncer de boca (com 80 casos) e na feminina, o de tireoide (com 70 casos previstos por ano). Além deles e do câncer de boca, fazem parte do grupo dos cânceres de cabeça e pescoço os tumores malignos de laringe, faringe e esôfago cervical. Juntos, eles somam 280 novos diagnósticos no Amazonas, anualmente, conforme estimativa.

“Os diagnósticos, em sua maioria, se dão com a doença em estágio intermediário ou avançado, o que dificulta o tratamento. Hoje, as abordagens cirúrgicas têm apresentado resultados satisfatórios, quando o diagnóstico é feito na fase inicial. Também podem ser utilizados durante o processo de combate ao câncer a quimioterapia, radioterapia e a iodoterapia (esta última voltada para o câncer de tireoide)”, explicou.

Entre os sinais do câncer de cabeça e pescoço estão: feridas na cavidade oral ou nos lábios, que não cicatrizam em até 15 dias; manchas vermelhas ou esbranquiçadas na língua; rouquidão persistente; nódulos ou caroços na região do pescoço; dificuldades ao mastigar ou ao engolir; dificuldade na fala ou para movimentar a língua e sensação de que há algo preso na garganta.

Campanha Julho Verde

Há alguns anos, instituições de saúde e entidades de apoio à causa câncer, inseriram em seus calendários o “Julho Verde”, campanha voltada à prevenção do câncer de cabeça e pescoço, cuja maioria dos casos tem diagnóstico tardio, o que leva a um tratamento agressivo e às vezes mutilador.

“No caso do tabagismo, as campanhas estão voltadas para a prevenção, em especial, nas escolas, buscando evitar que crianças e adolescentes tenham contato com o cigarro. O mesmo ocorre com as bebidas alcoólicas. Associados, esses dois produtos podem influenciar no desenvolvimento de diversos tipos de câncer. Entre eles, estão os de cabeça e pescoço e os dos aparelhos respiratório, digestivo e urinário”, destacou Marília Muniz, presidente da Lacc.

Ela explica que a entidade tem atuado fortemente na política de prevenção e controle do câncer no Amazonas, contando com a ajuda da sociedade, que realiza doações voluntárias à instituição. As colaborações podem ser feitas pelo site www.laccam.org.br ou pelo telefone (92) 2101- 4900 .

Para ela, a intensificação das campanhas e a parceria entre os entes públicos e privados, para a disseminação de informações sobre prevenção e os fatores de risco do câncer, tendem a reduzir o número de casos e também de mortes no Amazonas. “Acreditamos no poder da informação e no envolvimento e comprometimento da sociedade com essa causa, que é tão importante e atinge milhares de famílias, todos os anos, no nosso estado. Queremos ampliar nossa atuação. Mas, para isso, precisamos da participação da população com doações e novos voluntários”, concluiu.

Foto: reprodução

Curso de informática específico para idosos ganha adeptos em Manaus

O Curso de Informática para a Terceira Idade do Senac Amazonas vem ganhando espaço e cada vez mais adeptos. A flexibilidade do horário, o atendimento individual e o preço acessível são pontos favoráveis da modalidade. O curso, que tem na ementa Windows, Internet e Rede Sociais, custa o valor de R$ 140.

A modalidade é ofertada nas unidades do Senac Centro, Chapada e Cidade Nova, por meio da Escola Interativa. O espaço é exclusivo para alunos que buscam qualificação e ensino, mas que preferem fazer o seu horário de estudo, como a aposentada Itelvina Leny dos Santos , 73.

“Eu tenho achado o curso muito bom. Tenho aprendido tanto. Temos liberdade para chegar a hora que quer, ficar só no computador, sem ninguém cutucando. Eu acho melhor assim. Aqui é só, tem que aprender só. O resultado final é meter a cara pra saber mesmo”, disse Itelvina.

A “jovem” estudante, como ela se intitula, que já fez cursos de corte e costura, datilografia, bordado e culinária, dessa vez se desafiou e afirma está contente com a escolha e promete não parar por aqui.

“Eu tenho muita dificuldade em lidar com o celular, com as coisas novas de tecnologia. Tinha que ficar pedindo dos outros. Pensei comigo mesma: Não, vou é aprender esse negócio. Quando terminar esse, vou pro avançado. Não vou sair daqui tão cedo”, brincou.

Para a doméstica Rosalba Souza, 54, o curso de informática básica é uma oportunidade. Ela frequenta a unidade do Senac duas vezes ao dia e, no seu tempo, adquiri o conhecimento desejado para conquistar a volta para o mercado de trabalho.

“Chego aqui e faço meus trabalhinhos sem pressa. Escrevo tudo, respondo as perguntas e vou aprendendo. Fiquei muito tempo parada, pensava muito no trabalho e, agora, estou aproveitando meu tempo. Meu ex-patrão quer me chamar pra distribuidora dele e pediu pra eu fazer o curso, estou me preparando”, contou eufórica.

Tempo

De acordo com o professor Rodrigo Silva, que acompanha os alunos na unidade do Senac Chapada, os idosos optam pelo curso devido a flexibilidade do tempo e liberdade no momento do aprendizado.

“A principal diferença dos cursos da Escola Interativa é essa, a flexibilidade de horário. Outros pontos que são destacados por eles também são questões como acompanhamento individual, o início imediato e a liberdade de aprender só não necessariamente precisa esperar fechar uma turma pra começar”, destacou.

Além do curso de informática para idosos, a Escola Interativa Senac oferta cursos presenciais de digitação, criação de games no Construct 2, criação de artes gráficas, técnicas para secretárias, práticas administrativas de escritório, departamento pessoal, informática kids e outros.

Foto: Fecomércio/Ascom

Amazonas é apresentado para um milhão de espectadores alemães

Da Redação

O potencial, a diversidade e a peculiaridade turística do Estado do Amazonas foi destaque no Die Welt Grenzenlos (Sem Limites – Descobrindo o Mundo), um dos mais renomados programas de viagem da Alemanha, com 1 milhão de espectadores por episódio. A equipe esteve no Brasil com apoio da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), no fim do ano de 2018, por meio de ação de press trip organizada pela Coordenação de Relações Públicas e Assessoria de Imprensa. A reportagem de pouco mais de 40 minutos aborda, além das belezas da floresta, o açaí, os botos, rituais indígenas, os rios e também parte da vida cotidiana dos moradores na agitada metrópole Manaus.

A apresentação da reportagem, no canal do programa no YouTube, destaca a Amazônia, como a corrente mais poderosa da Terra, em referência ao Rio Amazonas, “Joia de coroa da natureza do mundo. Para os humanos, a abundância de paisagens de rios tropicais é inestimável … Aqui, as pessoas vivem dos tesouros produzidos pelo rio e pela selva”.

Os protagonistas da matéria são típicos representantes da população do Amazonas, entre eles José, artesão de produtos da madeira carreada pelos rios; Maria, ribeirinha amiga dos botos; Anderson, carregador do Porto de Manaus; Júlio, extrativista produtor de açaí; Toti, especialista na pesca de piranhas; Raimundo Nonato, funcionário do Teatro Amazonas; o chefe Sateré-Mawé e o ritual de maioridade da formiga tucandeira, entre outros.

Para o presidente interino da Embratur, Leônidas Oliveira, “as menções positivas dos destinos brasileiros na imprensa alemã mostram que somos um país importante para o turismo internacional. Além de agregar valor, ajuda a enaltecer os aspectos regionais de cada destino. O reconhecimento de veículos renomados é fundamental para que mais viajantes se sintam atraídos em conhecer o Brasil”, disse.

De acordo com a diretora interina de Marketing e Relações Públicas do Instituto, Milena Pedrosa, o valor de mídia do programa corresponde a 4 milhões de euros, equivalente a 17 milhões de reais. “Nesta edição, o foco foi a Amazônia, intitulada como a joia da natureza do mundo. Sem temas negativos, salientamos que esse é um dos melhores resultados possíveis na Alemanha. Em termos de credibilidade, o programa é muito renomado”, informou a diretora.

A Alemanha ocupa a 7ª posição na lista dos que mais visitam o Brasil, de acordo com o Anuário Estatístico do Ministério do Turismo. Mais de 200 mil alemães estiveram nos destinos brasileiros em 2017, data do último levantamento. Destes que vieram a Lazer para o Brasil, 47% escolheram destinos de Natureza, Ecoturismo ou Turismo de Aventura, seguidos de Sol e Praia (30%).

Manôbike tem 111% mais procura em fevereiro do que no mesmo mês do ano passado

Criado para dar mais mobilidade à capital do Amazonas, o Manôbike, fruto da parceria entre a Prefeitura de Manaus e o Hapvida, teve um aumento de 111% na procura pelo serviço em fevereiro deste ano, realizando 701 viagens no mês, contra 332 no mesmo período de 2018. Para se ter uma ideia, já são mais de 16 mil viagens realizadas.

E como a capital já possui uma frota de mais de 700 mil veículos segundo dados do Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran-AM), cada vez mais é importante o uso de meios alternativos de transporte não poluentes e que visam à melhoria na qualidade de vida dos cidadãos.

O projeto já conta com 15 estações de retiradas de bicicletas, sendo as novas estações localizadas na rua Ramos Ferreira esquina com Major Gabriel; na avenida Sete de Setembro, no final da ponte de ferro, em frente ao mercado municipal Walter Rayol, no Terminal 1 (T1), na avenida Constantino Nery, próximo da Leonardo Malcher, e no Terminal 2 (T2), na Cachoeirinha, na avenida Manicoré, esquina com Carvalho Leal.

A estação que funcionava antes na rua Miranda Leão foi transferida e está implantada agora na Praça da Matriz, mais próximo do terminal. Sábados e domingos são os dias de maior uso do modal, e o horário preferido pelos usuários é o das 16h às 18h. As estações com maior número de retiradas e bikes devolvidas são as que ficam ao lado do Teatro Amazonas e nas proximidades do Parque Jefferson Péres.

A ideia de ter as estações das bicicletas compartilhadas é facilitar a integração e conexões entre modais de transporte, para que o uso seja voltado para mobilidade urbana e deslocamentos dentro da cidade, seja para o trabalho, estudo ou lazer.

Segurança

Para segurança, conforto e melhor mobilidade aos ciclistas, a Prefeitura de Manaus implantou 14,5 quilômetros de ciclorrotas, com sinalização horizontal e vertical, num grande quadrilátero no Centro.

Vale destacar que as ciclorrotas indicam a presença e a preferência da bicicleta. Essa alternativa tem sido uma solução adotada por várias cidades para projetos de ciclomobilidade, sendo um modelo mais simples, fácil de implantar e com pouco impacto viário. Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Aracaju, Vitória, Curitiba e, agora, Manaus, possuem ciclorrotas.

Como funciona?

O sistema funciona de segunda-feira a domingo, das 6h às 23h, para retirada do equipamento, e 24 horas para devolução. No site www.manobike.com.br, o usuário pode se cadastrar e conhecer mais detalhes do projeto. 

Após cadastro no aplicativo e/ou no site (www.manobike.com.br), o usuário da Manôbike tem a opção de adquirir o passe mensal (R$ 10) ou diário (R$ 5), e não paga valor adicional desde que use de acordo com as regras do projeto. De segunda a sábado, o uso pode ser de 60 minutos ininterruptos, quantas vezes por dia o usuário desejar, desde que respeite o intervalo de 15 minutos entre as viagens. Aos domingos e feriados, o uso passa a ser de 90 minutos.

As estações da Manôbike funcionam alimentadas por energia solar e são interligadas via sistema de comunicação sem fio, redes 3G e 4G, permitindo que estejam conectadas 24 horas por dia.

Foto: divulgação