Outubro Rosa reforça importância de exames de rastreio e hábitos saudáveis

Por Lenise Ipiranga

Oano de 2020 tem desafiado a todos. Uma pandemia do novo coronavirus tem interferido dramaticamente nas vidas, nas rotinas e no planeta. E em meio ao combate ao vírus letal, que exige isolamento social, protocolos sanitários, uso obrigatório de máscara e responsabilidade consigo e com o próximo, temos de seguir com as outras batalhas em curso pela saúde, a exemplo da luta contra o câncer. E o Outubro Rosa deste ano reforça a necessidade da detecção precoce e de hábitos saudáveis de vida. O médico oncologista clínico William Hiromi Fuzita alerta para a importância de se manter a rotina de exames preventivos e de rastreamento, e destaca a inclusão de mais um medicamento contra o câncer de mama no Sistema Único de Saúde – o SUS.

Os índices são crescentes, tanto de incidência quanto de mortalidade. Fuzita aponta que, de acordo com recente estimativa mundial (2018), ocorreram 18 milhões de casos novos de câncer, sendo o câncer de pulmão o mais incidente, com 2,1 milhões de casos, seguido do câncer de mama, com 2,1 milhões de casos, nas mulheres as maiores incidências foram o câncer de mama com 24,2%, seguido do de intestino com 9,5%.

No Brasil, segundo o médico oncologista, a Estimativa 2020 do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), é de que ocorrerão em torno de 625 mil casos novos de câncer: o câncer de pele é o mais incidente com 177 mil casos; seguido pelo câncer de mama, com 66 mil casos, e o câncer de próstata, também com aproximadamente 66 mil casos. Em 2017, foi registrada a última análise da mortalidade, com 16.724 óbitos por câncer de mama.

O câncer de próstata e de mama representam as maiores taxas ajustadas para todas as regiões geográficas do pais, explica o médico, exceto na Região Norte, onde a incidência do câncer de mama é bem próxima do câncer de colo de útero. “E no Amazonas a situação é muito pior, porque o esperado é muito mais tumores de colo de útero do que de mama: a estimativa para 2020, são 580 casos de câncer de colo de útero, enquanto de mama são 450 casos novos”, alerta.

Conquista no SUS

No SUS, ressalta William Fuzita, foi uma grata felicidade a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC), criada em 2011, que avalia as novas tecnologias a serem implementadas no SUS, ter aprovado, em dezembro de 2017, o uso do medicamento Pertuzumabe, específico para as mulheres com câncer de mama metastático HER2 positivo, o subtipo mais agressivo da doença. “Essa é uma ferramenta extraordinária, que traz inúmeros benefícios para a paciente com câncer de mama HER2 positivo. É uma grande conquista ter sido incluído no arsenal de tratamento para as mulheres no SUS”, enfatizou o oncologista clínico.

O medicamento Pertuzumabe, em terapia associada a outros dois, atua em termos do controle da doença, no prolongamento da vida com qualidade. Após dois anos e sete meses de sua aprovação, o Ministério da Saúde anunciou, em julho de 2020, a aquisição do medicamento e sua primeira parcela contratual foi entregue no mês de agosto deste ano. A Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) publicou, em 28 de agosto de 2020, e confirmou que o novo tratamento passou a ser oferecido para suas pacientes a partir da segunda quinzena do mesmo mês.

William Fuzita enfatiza que apesar da pandemia da COVID 19, as pessoas não podem abandonar os exames de rastreamento, preventivos, e procurar sempre o serviço médico assim que encontrar ou notar alguma alteração na mama

Alerta na Pandemia

O especialista aponta a pesquisa do Reino Unido, da cientista principal responsável Alvina Lai, PhD, do Institute of Health Informatics e do Health Data Research, ambos da University College London UK, na qual foi identificado que por causa da pandemia houve atraso no diagnóstico e, consequentemente, a descoberta do tumor com um volume maior, em estágio mais avançado; o estudo também registrou um afastamento do paciente, um distanciamento não só do diagnóstico, como também dos tratamentos. “Por tudo isso, é esperado um aumento de 40% de mortalidade por doença oncológica a partir deste ano de 2020 no Reino Unido, o que evidencia como a pandemia está modificando dramaticamente o tratamento do câncer”, ressalta o médico. E acrescenta que será preciso, infelizmente, que os serviços de saúde que tratam o câncer se preparem para atender pacientes com doenças mais avançadas, mais graves, e que tornam o tratamento muito mais complexo e, em consequência disso, com maior mortalidade.

“É importante salientar para a população que apesar da pandemia da COVID 19, não podemos abandonar os exames de rastreamento, preventivos, e procurar sempre o serviço médico assim que encontrar ou notar alguma alteração na mama”, alerta William Fuzita e recomenda: se a mulher notar algum nódulo na mama, alguma secreção do mamilo (descarga mamilar), a pessoa deve procurar o serviço de saúde; se já está completando 1 ano da sua avaliação das mamas, procurar novamente o mastologista, oncologista ou ginecologista para refazer os exames.

“Isso é muito importante, não devemos parar o rastreamento, para evitar o que foi observado nessa pesquisa cientifica no Reino Unido que, infelizmente, o diagnóstico está sendo mais tardio e isso está impactando de maneira significativa no aumento de 40% de mortalidade pelo câncer”, enfatiza. Independentemente da pandemia, reforça o médico, todos os serviços de saúde tem adotado práticas de prevenção e contingenciamento da infecção do SACS-COV 2, o novo coronavirus que desenvolve a COVID 19.

Orientações Médicas

O oncologista clínico explica que o Ministério da Saúde ainda preserva a orientação de que as mulheres devem fazer a mamografia a partir dos 50 anos de idade, a cada 2 anos, porém, tanto a Sociedade de Brasileira de Mastologia (SBM) como a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) mantem a recomendação de que, acima dos 45/50 anos, a mulher deva fazer a mamografia anualmente. “Isso traz um excelente benefício no rastreio precoce de doenças, consequentemente, é possível diagnosticá-las em estágios iniciais, muito mais fáceis de serem tratadas e, obviamente, atingir o que sempre esperamos de um tratamento oncológico que é a cura”, esclarece o médico.

E, mesmo no Outubro Rosa sendo a data de chamar a atenção para o câncer de mama, William Fuzita alerta que no estado do Amazonas é fundamental salientar a importância da prevenção do câncer de colo de útero, onde são esperados mais casos do que o câncer de mama. O médico ressalta que o câncer de colo de útero pode ser 100% prevenível, com a realização do exame Papanicolau, conhecido como preventivo, e também da vacina contra o vírus HPV (Papilomavirus Humano), que é distribuída gratuitamente na rede pública de saúde, no SUS, com indicação de: duas doses para meninas dos 12 aos 15 anos, e para meninos dos 13 aos 15 anos; e acima dessa faixa etária, dos 15 anos, disponível somente na rede privada de atendimento, com  orientação de três doses da vacina.

Pela Organização Mundial da Saúde – OMS, pontua William Fuzita, na hipótese de que todos conseguissem fazer atividade física todos os dias, manter o peso ideal para a respectiva altura, não fumar, não ingerir bebida alcoólica, comer de maneira adequada, com uma alimentação rica em frutas, verduras e legumes, seriam evitados 40 % de todos os diagnósticos oncológicos do mundo, ou seja, 40% de todos os cânceres, se fossem praticados hábitos de vida saudável pela população mundial.

Dr. William Hiromi Fuzita é membro titular da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica|SBOC; membro titular da Sociedade Brasileira de Cancerologia|SBC; membro da Sociedade Americana de Oncologia Clínica|ASCO; e diretor da Sensumed Oncologia.

Foto Médico: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *