Nova Zelândia lança campanha de reconexão ao mundo a partir de valores da cultura Maori

A Nova Zelândia lançou a campanha global A Journey of Reflection (Uma Jornada de Reflexão) para reconectar o país aos neozelandeses e aos turistas do mundo todo, por meio do compartilhamento de mensagens de reflexão sobre o que importa na vida. Essa iniciativa reforça valores relevantes da sua nação, nesse momento em que alguns sinais iniciais de recuperação começam a ser percebidos pela população da Nova Zelândia e ao redor do mundo.

Enquanto o país está se recuperando e aguarda o momento seguro quando poderá receber novamente visitantes, a Nova Zelândia produziu dois vídeos (vídeo 1 e vídeo 2) que trazem valores profundamente importantes que foram incorporados no estilo de vida dos neozelandeses a partir da herança da sua cultura Maori única. Alguns desses valores que a campanha leva para reflexão e estão na narrativa dos vídeos são o kaitiakitanga, que na cultura Maori significa proteger e cuidar de pessoas e lugares; o valor manaaki manuhiri, ou seja, acolher e cuidar de todos os visitantes; e whanaungatanga, que representa tratar os outros como família.

“Uma pausa forçada pode ser um motivo para reflexão sobre o que é mais importante para todos nós. Em tempos de crise, há oportunidades. Um tempo para refletir e redefinir nós mesmos e o mundo em que vivemos. À medida que velhos hábitos se desintegram sob força maior, novos caminhos podem surgir ou podemos simplesmente ser lembrados sobre o que sempre importou”, comenta Brodie Reid, diretora de Marketing do Turismo Nova Zelândia.

A Nova Zelândia se orgulha de como sempre manteve suas portas abertas para visitantes e o cuidado com eles e com a sua nação. E isso representa o valor Maori manaaki refletido na cultura do país. “Nós sabemos que muitas pessoas ao redor do mundo sentem uma conexão especial com o nosso país. Por isso queremos garantir que estamos cuidando dele e, quando estiver seguro, esperamos ansiosos em compartilhá-lo novamente”, completa Brodie Reid.

Enquanto aguarda a abertura das fronteiras internacionais, a Nova Zelândia também lançou a campanha Do Something New New Zeland (Faça algo novo Nova Zelândia), para os neozelandeses. O vídeo os incentiva a explorem o seu próprio país e todas as aventuras e descobertas que ele oferece.

Foto: divulgação

Covid 19: Campanha alerta para aumento dos casos de violência doméstica

Recomendadas pelas autoridades de saúde para conter a propagação do novo Coronavírus, as medidas de isolamento social provocaram mudanças sociais significativas e lançaram luz para um problema antigo, que atinge mulheres de todo o mundo: a violência doméstica.

De acordo com dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, somente entre os meses de março e abril deste ano, houve um aumento significativo de atendimentos de casos relativos à violência doméstica no telefone 190. Somente em São Paulo, o crescimento chegou a 45% de ocorrências registradas. Além disso, o estudo destaca um importante aliado da causa: as redes sociais. Impedidas de sair de casa, as vítimas não conseguem ir até uma unidade policial registrar ocorrência e é por meio das redes que chegam muitas denúncias. Segundo o balanço, de todos os relatos feitos nas redes, 431% foram de brigas de casal e mais da metade (53%) foram publicados apenas no mês de abril.

A coordenadora do Movimento Permanente de Combate à Violência Doméstica do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Maria Cristiana Ziouva, chama a atenção para o aumento dos casos de violência: “Estamos recebendo informações dos tribunais de Justiça de todo o país. Os casos de violência doméstica e de feminicídio aumentaram significativamente nesse período de isolamento”. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, por exemplo, registrou um aumento de 50% nos casos de violência doméstica durante o período de confinamento.

A fim de mudar esta triste realidade, instituições e empresas desenvolvem projetos que ajudem as vítimas a romperem o silêncio. O Tribunal de Justiça de São Paulo, por exemplo, lançou o projeto “Carta de Mulheres”, onde as mulheres acessam o formulário on-line12 e uma equipe especializada responderá com as orientações. A sociedade civil organizada também segue implementando iniciativas para apoiar as mulheres em situação de violência doméstica durante a pandemia. A plataforma “Mapa do Acolhimento” lançou o #TôComElas conectando mulheres que sofreram violência a advogadas e psicólogas voluntárias. Os Institutos Justiça de Saia, Bem Querer Mulher e Nelson Willians lançaram a força-tarefa “Justiceiras”, que reúne voluntárias para oferecer orientações gratuitas às vítimas de violência por whatsapp e telefone.

O setor privado também está se mobilizando na causa. O Grupo Sabin Medicina Diagnóstica, reconhecido por ser uma empresa de ‘alma feminina’, lançou o projeto “Quarentena sem violência”, um guia que orienta as colaboradoras as formas de atuar diante de uma situação de violência ou ajudar pessoas que enfrentam este tipo de prática. O conteúdo produzido com base na Lei Maria da Penha, auxilia mulheres a identificarem os sinais de relações abusivas, destaca os tipos de violência mais comuns, o ciclo da violência no âmbito familiar, as formas de denunciar e os aplicativos que auxiliam em momentos de tensão, entre outros detalhes.

De acordo com a Presidente Executiva do Grupo Sabin, Dra Lídia Abdalla, o documento é uma forma de acolher colaboradores que possam passar por este tipo de violência e mostrar que o mais importante é que elas saibam que não estão sozinhas. “O Grupo Sabin é reconhecido por ser uma empresa que valoriza a diversidade e investe na força da mulher e é em momentos tão delicados como estes que estreitamos mais ainda nossas conexões com estas mulheres, para que saibam que estamos juntos na batalha contra esta realidade”, destaca a executiva.

O guia destaca casos de violência não relatados por mulheres, mas que são práticas comuns que agressores têm adotado durante a quarentena. “Muitas mulheres são impedidas de higienizar as mãos com sabonete ou álcool em gel, por exemplo. Um risco à saúde e uma forma de violência grave”, destaca a Presidente. O documento ratifica ainda outras formas de violência praticadas durante a pandemia, como a disseminação de informações erradas sobre a doença e o isolamento, como forma de exercer poder e controle. Além disso, o documento alerta como os agressores podem utilizar as restrições recomendadas para o controle da pandemia para reduzir o acesso a serviços e ao apoio psicossocial, como proibir a comunicação com familiares por redes sociais. “Com menos contato com sua rede afetiva, a mulher pode estar mais suscetível a atos de violência”, finaliza.

Empatia na essência

Fundada por duas mulheres, as bioquímicas Janete Vaz e Sandra Soares Costa, a empresa tem 77% do quadro funcional dominado pela força feminina e aposta cada vez mais na gestão amparada por uma política de portas abertas, apoiando o capital humano e o protagonismo feminino.

Presente em todas as regiões do país, a empresa se destaca no mercado nacional de ter 74% dos cargos de liderança ocupados por mulheres. De norte a sul do país, são mais de 5.400 colaboradores oferecendo acesso à população brasileira serviços de saúde de excelência. “Nossos colaboradores seguem atuantes e incansáveis na busca por garantir que cada paciente esteja sempre no centro do cuidado. Por isso, estamos investindo cada vez mais na expansão dos nossos canais de atendimentos e ampliando o nosso portfólio, para promover a cada um dos nossos clientes uma experiência bem sucedida com nossos serviços”, destaca a executiva.

“Somos uma empresa reconhecida pelo acolhimento e cuidado com nossos profissionais e, ainda diante dos desafios e adversidades da pandemia, seguimos adotando medidas de enfrentamento para proteger cada colaborador. Cuidamos de vidas, tanto dos pacientes como dos nossos profissionais e este projeto reafirma o nosso propósito de inspirar pessoas a cuidar de pessoas”, finaliza.

Foto: reprodução

Eirunepé inaugura ala com 19 leitos exclusivos para tratamento de covid-19 e prorroga restrições do comércio no município

A Prefeitura de Eirunepé inaugurou no último domingo, 31 de maio, uma nova ala no Hospital Regional Vinicius Conrado, com 19 leitos de enfermaria, que já está funcionando e atendendo pacientes com covid-19. Com a entrega, a unidade de saúde passa de 61 para 80 leitos disponíveis. Também foi publicado um decreto que prorroga as restrições para o funcionamento do comércio do município até dia 30 deste mês.

A inauguração foi realizada pelo prefeito Raylan Barroso, junto com secretário Executivo Adjunto de Atenção Especializada do Interior, da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), Cássio Roberto do Espírito Santo.

O local, que foi todo reformado e adaptado pela prefeitura, agora funciona exclusivamente para atender pessoas com sintomas de síndrome gripal inclusive possíveis pacientes de covid-19, em baixa e média complexidade. A ala foi equipada com três respiradores mecânicos, cardiovessor, bomba de infusão, monitores, cápsulas “Vanessa”, entre outros.

O secretário da Susam falou sobre a participação do Estado e no apoio dado à prefeitura neste momento de pandemia. “Estamos integrando três leitos de Unidades de Cuidados Intermediários completos, com respiradores invasivos, com bombas de infusão, como monitores e desfibrilador, projeto este do Governo do Estado, que apoia neste momento de pandemia os municípios polos, em parceria com o governo federal, governo estadual e prefeitura, vamos atendendo as demandas do estado, para melhorar a qualidade de saúde da população”, finalizou Cássio.

A prefeitura garantiu que o espaço, além de equipamentos, também conte com uma equipe completa de profissionais formada por médico, enfermeiro, técnico de enfermagem e motorista, todos atuando com equipamentos de proteção indicados para garantir a proteção da equipe.

“Esta é uma ala preparada para atender as pessoas infectadas com a Covid-19, que construímos e equipamos pensando em salvar vidas neste momento tão difícil.  Estamos adquirindo equipamentos, insumos, EPIs, entre outros, em grande parte com recursos próprios, mas também com a ajuda do Governo do Amazonas que tem sido um grande parceiro e que ajudou muito na implantação deste espaço no hospital”, disse o prefeito Raylan Barroso.

O chefe do executivo de Eirunepé lembrou que a prefeitura também adquiriu aparelhos respiradores e BiPAPs para ampliar a oferta de tratamento na cidade.

Prorrogação

Já na manhã de segunda-feira, a prefeitura de Eirunepé prorrogou as medidas de enfrentamento à disseminação do covid-19 no município. O novo decreto se estende até dia 30 de junho.

No texto da publicação, fica definido que o horário de funcionamento dos estabelecimentos de comércio varejista em geral e de prestação de serviços no município de Eirunepé será de segunda à sexta-feira, das 7h às 11h e das 14h às 17h. No sábado e domingo o funcionamento será das 7h às 12h. 

Foto: divulgação

Dia Nacional da Imunização: vacinação em dia previne mais de 20 doenças

Celebrado anualmente em 9 de junho, o Dia Nacional da Imunização destaca a importância de manter a carteira de vacinação atualizada para prevenir surtos de doenças fatais e evitar que outras já erradicadas voltem a fazer vítimas. Embora ainda não haja vacina para a Covid-19, as já existentes ajudam a fortalecer o sistema imunológico e a diminuir as chances de complicações por outras doenças que podem ocasionar agravamentos em pessoas com comorbidades ou condições clínicas especiais, por exemplo.

De acordo com a médica membro da Doctoralia, especialista em vacinas, Melissa Palmieri, a imunização está entre os marcos da humanidade que contribuíram para o aumento da expectativa e da qualidade de vida. “As vacinas salvam vidas. Graças ao avanço da medicina, hoje já é possível prevenir mais de 20 doenças importantes em diferentes faixas etárias. No Brasil, conseguimos erradicar a poliomielite. Chegamos a ter o selo de eliminação do sarampo, que infelizmente foi perdido no ano passado, o que traz um alerta para toda a sociedade que conquistas como essas dependem de uma ação coletiva em prol de estarmos em dia com as nossas vacinas”, ressalta.

Como forma de conscientizar a população sobre a importância da iniciativa, o Ministério da Saúde implementou, em 1973, o Programa Nacional de Imunizações, que estabeleceu um calendário nacional de vacinação contra as principais doenças que acometem crianças, adolescentes, adultos, idosos e gestantes.

Segundo Melissa, ao contrário do que muitas pessoas pensam, o calendário de vacinação deve ser seguido por toda a vida. “É um engano pensar que na fase adulta não há mais vacinas para tomar. Quem está com a carteira desatualizada coloca em risco não apenas a própria saúde, mas a de todos, já que pode se tornar um transmissor de doenças, em especial para os grupos mais vulneráveis”, alerta.

Nos últimos anos, um movimento de pessoas que são contra a imunização, chamado de “antivacinas”, tem preocupado as autoridades de saúde e os médicos. “Os movimentos antivacinas são tão perigosos quanto agentes infecciosos, como vírus e bactérias, porque ameaçam reverter o progresso alcançado no combate às doenças evitáveis”, complementa.

A Covid-19 mostra ao mundo o que a falta de uma vacina pode trazer de consequências negativas a nível individual e social. “Não podemos esquecer o surto de febre amarela, em Minas Gerais, em dezembro de 2016, que se estendeu por vários estados em áreas com baixas coberturas vacinais e áreas que não eram de risco para a doença, elevando a mortalidade em cerca de 30% em pessoas acometidas pelo vírus. Não seguir o calendário de vacinação é uma escolha irresponsável com as vidas das pessoas, sob o aspecto social pode se enquadrar como um crime contra a saúde pública. Por isso, não podemos retroceder quando o assunto é vacinação e este dia vem nos chamar atenção para este tema tão importante”, finaliza a especialista da Doctoralia, Melissa Palmieri.

Foto: Divulgação

Lacc lança carta aberta à sociedade com pedido de ajuda para a manutenção de projetos

A Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc) assinou, por meio de sua diretoria, uma carta aberta à sociedade amazonense, com um pedido de ajuda para a manutenção de seus projetos sociais. A ONG, que atua no Amazonas  há 65 anos, está passando por dificuldades financeiras, agravadas pela pandemia do novo coronavírus, que tem afetado instituições do terceiro setor, levando à queda na arrecadação. “Estamos correndo o risco de termos que suspender parcialmente alguns auxílios por falta de recursos, deixando vários pacientes sem o suporte que precisam para continuarem os tratamentos oncológicos”, explicou a presidente da entidade, Marília Muniz.

De acordo com ela, apesar de ser uma instituição sem fins lucrativos, a Lacc depende de doações para manter suas ações sociais, tais como a doação mensal de cestas básicas a pacientes de baixa renda que lutam contra o câncer, o custeio de aluguéis sociais, o transporte de pacientes à Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) para a realização de tratamento de radioterapia e quimioterapia, o fornecimento diário de lanches às pessoas em tratamento hospitalar, o custeio de passagens terrestres e fluviais aos que moram no interior e em outros estados e estão em tratamento em Manaus e, finalmente, o suporte às ações assistenciais e de prevenção da FCecon.

“Cedemos um carro para auxiliar as equipes do Serviço de Terapia da Dor e Cuidados Paliativos da FCecon, que atendem os pacientes FPTs (Fora de Possibilidade Terapêutica), em casa, fazendo o controle da dor e dando mais dignidade a essas pessoas que estão na fase final da vida”, ressaltou o vice-presidente da Lacc, médico mastologista Jesus Pinheiro.

Toda a diretoria da ONG é composta por voluntários que apoiam a causa e que, de alguma forma, ajudam a manter o projeto vivo. “A Lacc tem uma hospedaria em sua sede (rua Padre Manuel da Nóbrega, Dom Pedro, Manaus), pronta para receber pacientes em situação de vulnerabilidade social durante o período em que são submetidos à terapia. Mas, embora ela tenha sido inaugurada há alguns anos, ainda não foi ativada por falta de recursos. É muito triste saber que algumas pessoas abandonam o tratamento por não terem onde ficar quando vêm a Manaus”, frisou Pinheiro.

A Lacc trabalha com doações através de seu site (www.laccam.org.br), call center (92-2101 4900), depósitos ou transferências bancárias ( especificações: Liga Amazonense Contra o Câncer – LACC CNPJ: 04.499.182/0001-48 Banco: Bradesco / Agencia: 0482-0 / Conta Corrente: 691.017-3) e boleto bancário ( https://lacc.doaeacao.com.br ). 

Foto: divulgação

Novo antigripal considera diferenças regionais definidas com base em pesquisas

A campanha de lançamento do antigripal da Genomma Lab, Next, foi definida a partir de um estudo quantitativo de comportamento, crenças e hábitos, realizado pela IQVIA, para entender de que forma os consumidores lidam com a gripe em cada região do país. A maioria das pessoas entrevistadas, por exemplo, afirmou utilizar-se de outros métodos para o alívio dos sintomas, além da ingestão de um medicamento antigripal.

A empresa também encomendou uma pesquisa para o Climatempo, a fim de compreender o comportamento dos quadros virais em determinados meses do ano. Para isso, foram levantados elementos climatológicos como temperatura, precipitação, vento, umidade e pressão do ar, bem como suas variações rítmicas e sazonais, indicando como isso pode interferir no aumento da propagação do vírus de gripes, resfriados e de problemas respiratórios. Nesse estudo, entendeu-se que, em muitas regiões, a gripe está conectada a variação de temperatura mais do que com o inverno, as massas polares e o clima seco, em certas épocas, propiciam maior incidência de sintomas em cada região.

Já a pesquisa “U&A (Usage and Attitudes) Gripe e Resfriado”, conduzida pela IQVIA, utilizou uma amostra total de 783 pessoas que ingeriram medicamento para tratar os sintomas de gripe/resfriado nos últimos 12 meses, entre homens e mulheres de 18 a 64 anos, classes ABC, moradores das regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul. Em um quadro geral, a pesquisa demonstrou que a ocorrência de gripe e resfriados é relatada, em média, três vezes por ano e que 75% desses entrevistados, responderam que tomam muita água quando estão gripados, 60% relatam que costumam beber muito chá, 47% utilizam spray nasal e pastilhas para a garganta, 39% tomam mel, 33% ficam deitados e em repouso e 23% utilizam própolis. Importante reiterar que são hábitos sempre atrelados ao uso de algum medicamento. Na região Norte, 74% da população aumenta a ingestão de água e 47% revela tomar chás para ajudar a aplacar os sintomas. O comprimido é a melhor forma de medicação para 83% dos entrevistados. Em todas as regiões brasileiras, a maioria dos entrevistados se automedica, e caso o remédio não faça efeito, eles procuram por um médico.

Next é uma marca da Genomma Global e teve um lançado diferenciado, no Brasil, no dia 15 de abril, com exibições de uma versão de campanha nacional e dezesseis versões regionais, para cada uma das cidades listadas: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Santos, São José dos Campos, Uberlândia, Salvador, Recife, João Pessoa, Teresina, Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, Belém, Manaus, Goiânia e Brasília. Cada um dos filmes de 30” regionais conta com apresentadores dos telejornais locais, que apontam as previsões do tempo e lembram de algumas ações e cuidados combinados para o combate à gripe.

Foto: divulgação

Coronavírus: gravidez na pandemia

Por Waldemar Carvalho*

Com o surto do novo coronavírus, mais conhecido como covid-19, os números de casos vêm crescendo exponencialmente. O que torna a compreensão dos modos de infecção e prevenção um desafio e aprendizado diário. São inúmeras as dúvidas que surgem ao decorrer dos dias e, muitas vezes, o clima que prevalece é de medo, principalmente para aquelas que estão gerando vidas: as gestantes.

Para a maioria delas, principalmente as mamães de primeira viagem, o nascimento do filho é um dos episódios mais emocionantes de suas vidas. Mas, o que fazer quando esse momento é acompanhado por uma pandemia mundial de um vírus altamente contagioso do qual ainda estamos em processo de estudo?

Diante de tal situação, é normal que muitas gestantes se sintam inseguras ou até com medo dos próximos passos. Muitas me perguntam qual a influência do Covid-19 durante a gravidez e até mesmo depois dela, desde o pós-parto até o estabelecimento de laços, como começar a amamentar.

A resposta é simples e um tanto tranquilizadora. Por enquanto, pouco se sabe acerca do impacto dessa infecção, mas há relatos de mães testadas positivo que geraram seus bebês livres do vírus. Existem estudos em andamento que analisam o impacto direto do coronavírus na gravidez, mas não há precisão de dados que comprovam se a covid-19 dificulta ou não a gravidez, bem como se interfere no desenvolvimento e saúde do feto ou após nascimento do bebê. Ou seja, ainda não há evidências que as gestantes correm mais riscos de contrair o vírus do que a população em geral.

Posso apontar um exemplo sobre isso. Uma pesquisa realizada durante os dias 13 a 25 de março, pelo Centro de Medicina da Universidade de Columbia, em Nova York, EUA, revelou que, entre 43 grávidas que participaram do estudo, 37 (86%) possuíam sintomas leves, quatro (9,3) sintomas graves e duas (4,7) apresentaram quadro crítico. Também não foram detectados casos confirmados em neonatos após teste inicial no primeiro dia de vida.

Entretanto, todo cuidado é pouco. Costumo dizer que gestantes e até as purpéras – mulheres que deram a luz recentemente – fazem parte de “grupos de riscos”, até porque a condição da gravidez – e até mesmo depois do parto – exige uma série de cuidados em relação a não-gestante, por exemplo, que, quando não seguidos, pode acarretar diretamente na imunidade da mulher, podendo gerar problemas de saúde. E com o coronavírus a situação não é diferente: é preciso redobrar esses cuidados comuns da gravidez e seguir rigorosamente as medidas de segurança preconizadas pelo Ministério da Saúde em relação à pandemia.

Os órgãos institucionais de reprodução humana e obstetrícia reforçam as medidas básicas de prevenção divulgadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A principal orientação é manter o isolamento social, saindo apenas em casos de urgências. Atualmente, a gestante pode recorrer a recursos tecnológicos para manter contato com o seu obstetra, inclusive para consultas, como a videoconferência. Nos casos de necessidade de exames de rotina, há laboratórios que disponibilizam o serviço em home care. Além disso, se houver a necessidade de exames como ultrassonografia, por exemplo, pode ser alinhado com o obstetra a possibilidade de postergar ou as orientações necessárias para ir até uma clínica realiza-lo. Minha orientação é analisar caso a caso, sempre em comum acordo entre médico e
paciente.

 Além disso, redobrar as medidas de precaução que são divulgadas pela mídia. É extremamente importante manter a higienização das mãos, preferencialmente com água e sabão, e se achar necessário, usar o álcool em gel. Em casos de contatos externos, também é importante o uso da máscara, tanto pela mãe quanto para outros familiares, para proteção do bebê.

Para o período de amamentação, as mães também podem ficar tranquilas. Podem amamentar normalmente, pois também não comprovação de que esse vírus pode ser transmitido pelo leite materno. De qualquer modo, é preciso cumprir as regras de higiene e entender que nesse momento o isolamento social é fundamental.

Mesmo para as gestantes que estão na reta final, não é preciso ter ansiedade ou mudar os planos do parto. O importante ainda é que o bebê nasça no seu tempo e que os pais entendem que esse ritual do nascimento, que é muito social, nesse momento precisará ser mais íntimo para preservar a saúde da família, mas que logo todos poderão celebrar essa nova vida.

*Waldemar Carvalho é ginecologista e obstetra da Clínica Tempo Fértil, especializado em reprodução humana no Portland Fertility Center de Londres, Inglaterra É referência em reprodução humana assistida, preservação da fertilidade feminina e planejamento reprodutivo.

Foto: reprodução

Festival AmazôniaS Online será transmitido neste final de semana

O Festival AmazôniaS Online chega neste fim de semana, de 17 a 19 de abril para pensar possibilidades de resistência e de vida em tempos de pandemia. Esse intercâmbio entre ativistas e artistas do Norte do país e de São Paulo trará rodas de conversa, shows e exibição de filmes, com transmissão ao vivo pelas redes sociais.

Com a presença de lideranças indígenas e quilombolas, músicos e cineastas, o evento se inicia na sexta-feira, às 22h, em parceria com a Greve Mundial pelo Clima, com a Festa do Clima, uma celebração à vida através da música com o músico produtor Daniel Ganjaman como o DJ da noite.

No sábado, a programação começa Ailton Krenak falando sobre suas ideias para adiar o fim do mundo, às 15h. A programação segue com Tati dos Santos, Nega Lu, Marlena Soares, Áurea Sena e Thalita Silva, mulheres negras e quilombolas da Amazônia que fazem uma roda de conversa às 17h. E o dia termina com um bate papo entre as artistas Uýra Sodoma e Roberta Carvalho comentando os ativismos entre Manaus e São Paulo e as performances no isolamento, às 19h.

No domingo, dia 19, haverá a exibição dos documentários do cineasta André D’Elia sobre o acampamento Terra Livre, seguido por uma conversa ao vivo entre ele e Sônia Guajajara, coordenadora da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), às 15h. Logo após, às 17h, Matsipaya Waura Txucarramãe, Kayapó neto do Cacique Raoni, conversa com sua mãe, Kamiha, pajé e grande conhecedora das medicinas tradicionais, e sua irmã Mayalu, que trabalha hoje na Saúde Indígena, sobre os desafios e a resistência indígena em tempos de coronavírus.

O evento termina às 19h, com um show ao vivo das cantoras Tulipa Ruiz e Anelis Assumpção, mostrando como a arte é também uma ferramenta essencial para lidarmos com esses novos tempos.

O evento é realizado pelo Engajamundo, Escola de Ativismo, Greenpeace, Goethe-Institut e Secretaria Municipal de Cultura da Cidade de São Paulo. A edição física do festival, que era prevista para ocorrer de 17 a 21 de abril, segue nos planos, com nova data sendo anunciada o mais breve possível.

Saiba mais pelo perfil @festivalamazonias (Facebook e Instagram).

Programação completa do festival que começará na sexta-feira, dia 17 de abril

Foto: reprodução

Como ficam as contribuições do empregado ao INSS durante a quarentena do covid-19?

Por Vinícius Pacheco Fluminhan

Com a entrada em vigor da Medida Provisória 936/20, muitos empregados terão suas atividades profissionais diminuídas ou suspensas por determinação de seus empregadores. Embora o momento seja de revisão do orçamento doméstico e diminuição de gastos, existe uma questão previdenciária que merece cuidado. Esses trabalhadores não terão o INSS recolhido pelas empresas ou o terão apenas parcialmente. Será que todos estão cientes disso?

Os empregados das empresas que optaram (ou vão optar) pela suspensão dos contratos de trabalho receberão do Governo Federal, o denominado Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEPER), que muito se assemelha ao conhecido Seguro-Desemprego. A suspensão poderá durar até 60 dias e neste período não haverá pagamento de salários. Portanto, não haverá recolhimento ao INSS. Mesmo para as empresas de maior porte, que deverão obrigatoriamente pagar aos empregados a ajuda compensatória equivalente a 30% do salário, também não haverá recolhimento sobre tais valores. Em suma, muita gente vai ficar sem contribuição ao INSS por dois meses.

Para os empregados que tiverem acordo de redução da jornada e do salário em 25%, 50% ou 75%, a situação não é muito diferente. Eles receberão o BEPER por até 90 dias e isso pode gerar impacto nos recolhimentos ao INSS se o valor do salário, após o acordo, ficar abaixo do salário mínimo. Mesmo que a empresa pague espontaneamente a ajuda compensatória, sobre tal valor não haverá recolhimento previdenciário. Assim, nesses meses o recolhimento da empresa ao INSS poderá ficar abaixo do piso (salário mínimo).

Daí a pergunta: somente dois ou três meses de INSS fazem muita diferença para o trabalhador? Sim. Esse curto período pode ser o prazo necessário para que se complete a carência para um benefício no futuro. Pode ser essencial para se atingir um percentual maior de aposentadoria quando ela for concedida. E pode também ser motivo de antecipação da aposentadoria quando o trabalhador mais precisar dela. Além disso, quem não comprova o recolhimento mensal pelo menos no piso (salário mínimo) não pode contar esse período para efeito de aposentadoria ou carência para outros benefícios.

Então o que deve fazer o empregado que está (ou estará em breve) com o contrato suspenso? Para ele, o Governo Federal autorizou recolhimentos pessoais ao INSS. Basta preencher a Guia da Previdência Social (GPS), disponível no site www.inss.gov.br, e utilizar o código 1406 para pagar a alíquota de 20%, ou código 1473 para pagar a alíquota reduzida de 11%. A alíquota reduzida só pode ser adotada por aqueles trabalhadores que abriram mão do direito à aposentadoria por tempo de contribuição. No primeiro caso, a base de cálculo é de livre escolha do trabalhador, desde que respeite o piso de R$ 1.045,00 e o teto de R$ 6.101,06. No segundo caso, a base de cálculo é sempre o salário mínimo.

E o que deve fazer o empregado que teve acordo de redução de salário e vai receber menos do que o mínimo (R$ 1.045,00)? Ele deve recolher a diferença para evitar surpresas desagradáveis no futuro. Como o complemento já é uma realidade para o empregado intermitente, que utiliza o código 1872, esse deve ser o caminho para o recolhimento da diferença. Neste caso, atenção! Não se recolhe uma GPS para pagar a diferença ao INSS, mas sim uma DARF, que pode ser obtida facilmente no site da Receita Federal (www.receita.economia.gov.br).

Por fim, um aviso importante. De acordo com a legislação em vigor (Lei 8.212/91 e Lei 8.213/91) não haverá espaço para arrependimento futuro se os trabalhadores com contrato suspenso optarem por não fazer esses recolhimentos agora. Para eles vale a regra que sempre foi aplicada aos segurados facultativos: não existe possibilidade de recolhimento retroativo. Por isso, é sempre bom lembrar o velho ditado: é melhor prevenir do que remediar, especialmente em se tratando de previdência.

Vinícius Pacheco Fluminhan é doutor em Direito pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e pela Université Paris-Nanterre e professor de Direito Previdenciário da Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas.

Suporte psicológico ajuda profissionais da enfermagem no enfrentamento à pandemia de covid-19

Com a proposta de fornecer apoio psicológico durante o período de pandemia do novo coronavírus, a Associação Segeam (Sustentabilidade, Empreendedorismo e Gestão em Saúde do Amazonas), criou um canal de diálogo com seus colaboradores – em sua maioria, profissionais da enfermagem -, para trabalhar o controle da ansiedade durante o exercício da profissão e também no pós-plantão. A psicóloga Francivânia Vieira, gerente do Núcleo de Educação Permanente da instituição, explica que a metodologia inclui o envio de material didático, dinâmicas e atendimento presencial, caso necessário.

O grupo é coordenado por ela e pela psicóloga Quézia Freitas, que atua no Ambulatório de Egressos da Secretaria de Estado da Saúde (Susam). De acordo com Francivânia, a medida foi adotada considerando a carga de estresse obtida por esses profissionais, que estão na linha de frente do combate à covid-19, cuja disseminação segue acelerada em vários países, inclusive no Brasil, conforme dados de instituições como a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A metodologia segue protocolos de psicologia e o Código de Ética da categoria e inclui recomendações como: procurar um lugar mais calmo, se possível, para alguns minutos de reflexão durante o dia; praticar exercícios respiratórios – principalmente ao acordar e na hora de dormir; buscar dialogar quando se sentir ansioso e utilizar a tecnologia a seu favor para não se sentir só, mantendo, assim, um contato permanente com o mundo externo (o uso de videochamadas é um exemplo neste último caso).

“Sabemos que não é fácil encarar uma pandemia. O trabalho desses profissionais tem sido essencial para salvar centenas de vidas no nosso Estado e eles merecem um tratamento especial, com todo o apoio necessário. Mas também sabemos que, ao sair do plantão, muitos deles sentem dificuldade em se desligar da realidade hospitalar. Tentamos ajudar ouvindo as experiências dessas pessoas, pois o equilíbrio psicológico é essencial para que elas não adoeçam e mantenham-se firmes nessa missão assistencial”, destacou.

O acesso ao serviço de atendimento criado pela Segeam se dá através dos coordenadores das equipes de cada unidade de saúde onde os colaboradores atuam, a exemplo de prontos-socorros e maternidades públicas.

Protetor facial

Fracivânia explica que a Segeam tem adotado outras medidas de suporte ao controle da disseminação do coronavírus e proteção de seus colaboradores. Um exemplo é a aquisição de mil protetores faciais, que estão sendo entregues, desde a semana passada, aos profissionais de enfermagem contratados pela empresa, durante seus plantões.

Os EPIs (equipamentos de proteção individual), denominados ‘Face Shield’, impedem, por exemplo, que haja a contaminação de enfermeiros por gotículas de saliva que sejam eventualmente expelidas por pessoas com covid-19.

Foto: divulgação